-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 
------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Intercâmbio nos Estado Unidos

Intercâmbio nos Estado Unidos. Clique Aqui.

:: Últimas matérias desta coluna
Quando o sapato não cabe ( 23/12/2014 - Gizelle Saraiva )

A culpa não é de alguém

 
Enigma Feminino ( 22/12/2014 - Cláudia Banegas )

Poesia escrita por Cláudia Banegas.

 
Chuva com Café ( 20/12/2014 - Mauro Moura )

Molha-se o chapéu, encharca-se a camisa.

 
Somente Para Crianças ( 16/12/2014 - Magali Cunha )

Sob ela presentes- brinquedos, todos meus. Eu era criança.

 
O inferno é aqui ( 26/11/2014 - Osvaldo Heinze )

Falam que é bobagem essa tal de poesia, tola ilusão, nada a ver, mas... Se ela acabasse o que restaria da vida, o que seria de nós que somos justamente nutridos dessas energias do amar e sonhar? Ainda bem que somos imortais, nós e a poesia...

 
A porta ( 23/11/2014 - Osvaldo Heinze )

e porque eu estava cansado destas bandas me pus a ler me esquecendo daqui e tanto, que me perdi dentro da história. Por incrível que possa parecer ao fechar o livro fiquei preso lá dentro e aqui somente meu corpo continuou na mesmice desta realidade.

 
Baús de Marfim ( 18/11/2014 - Cláudia Banegas )

Indriso - modalidade poética derivada do soneto, criada pelo escritor espanhol Isidro Iturat em Madrid, no ano de 2001.

 
Tão longe e tão perto ( 15/11/2014 - Mauro Moura )

Para encurtar os caminhos não há como ficar sem as novas conexões

 
Ranchinho abandonado ( 10/11/2014 - Jorge Azevedo )

Ao longe um ranchinho abandonado grita pedindo socorro aos homens pela família que partiu... Para onde?

 
Teu doce beijo ( 08/11/2014 - Mauro Moura )

E com o teu sopro, deu-me teu doce beijo.

 
Pensando em tudo, penso em voce ( 07/11/2014 - Jorge Azevedo )

Mesmo querendo, tiro voce do meu pensamento, não tiro voce de minha vida.

 
Os descaminhos dos Caminhos Drummondianos ( 31/10/2014 - Mauro Moura )

Continuando o caminho, são vários os poemas em que Drummond cita pessoas, lugares que marcaram a cidade em períodos distintos.

 
Autoconhecimento (indriso) ( 30/10/2014 - Cláudia Banegas )

Indrisos, esta nova modalidade poética que ganhou espaço no Brasil e no Mundo.

 
Tudo depende dos olhos de quem vê. ( 30/10/2014 - Luiz Martins )

Podemos ver Deus quando entendemos que somos todos iguais.

 
Minha caminhada ( 27/10/2014 - Jorge Azevedo )

Pareceu fácil chegar até aqui. Tive que atravessar pântanos e vencer crocodilos. Tive que lutar contra pestes e fomes, mas, cheguei e como foi bom chegar.

 
O homem sem pé ( 25/10/2014 - Jorge Azevedo )

De repente a morte chega e um ente querido parte. A dor da perda e a impotência diante do imponderável... O que fazer? Como viver faltando um membro? E se vive, mesmo depois de ter amputado, um dos pés.

 
Para sempre adolescente ( 23/10/2014 - Osvaldo Heinze )

Sonhos, desejos, fantasias, enfim, o impalpável é tão surpreendente e etéreo que parece incapturável. Entretanto a literatura leva isto tudo de um indivíduo para outro através de uma ponte de palavras e o imaterial tem mais poder que a realidade...

 
A musica do nosso cenário de amor ( 22/10/2014 - Jorge Azevedo )

Naquele dia, enquanto a chuva fina caía, nos dirigiamos para um recanto onde o amor nos aguardava tendo como fundo musical a canção "Um cenário de amor". Voce lembra?

 
Pode O Amor Acabar??? ( 22/10/2014 - Magali Cunha )

O amor quando verdadeiro é eterno, infinito, jamais acaba. Poucos o conhecem verdadeiramente.

 
O Sol por Testemunha ( 18/10/2014 - Mauro Moura )

É dedicado, filosoficamente, ao meu Anjo.

 
Sob o som de um bolero ( 18/10/2014 - Jorge Azevedo )

Escutando um bolero ela chegou e incendiou minha alma deixando à mostra todas as minhas agonias e saudades.

 
Como acordei hoje ( 17/10/2014 - Jorge Azevedo )

Voce faz-me acordar como se estivesse compondo um concerto poético para voce.

 
Voce acordando comigo ( 17/10/2014 - Jorge Azevedo )

Gosto quando acordo e vejo voce acordando comigo, mesmo não tendo dormido ao meu lado.

 
Enquanto voce dorme, eu sonho ( 15/10/2014 - Jorge Azevedo )

Olho voce dormir e a canção me leva ao encontro dos seus desejos.

 
Saudades de voce ( 13/10/2014 - Jorge Azevedo )

E eu não sei onde voce está e minha saudade soluça de saudade, de voce.

 
1 2 3 4 5 Próxima