-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 
Paulo Hijo
Enviar uma mensagem para este colunista
Nome:
O campo nome é obrigatório.
E-mail:
Seu e-mail parece incoSeu e-mail parece incorreto.
Mensagem:
Digite uma mensagem.Excede o número máximo de caracteres.
fonte
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Paulo Hijo

Paulo Moriassu Hijo

Descendente de Okinawanos - japoneses do extremo sul do Japão - nascido num pequeno sítio em Presidente Prudente, Estado de São Paulo, aos 03 de Fevereiro de 1953.

Foi um péssimo aluno no primário e ginásio, principalmente em português e redação, devido seu precário português, já que, na infância, só falava o japonês e o dialeto de okinawa ( uchinaguchi). Além de japonês (nihonjin), se considera okinawano (uchinanchu).

Hoje, não fala mais nem o japonês e nem o okinawano. Fala inglês e português, nenhum dos dois bem, mas fala. E mesmo não tendo um bom português se mete a escrever, pois julga que um dia chegará o momento que escreverá melhor.

Compartilha a idéia de que de uma boa literatura podem resultar muito benefícios; e a leitura, que é um processo de divertimento, proporcione tanto o repouso, a suspensão da fadiga, assim como a catarse e a educação. Como afirmou Aristóteles:

"O divertimento já é um processo educativo."

Blog: http://paulomoriassuhijo.blogspot.com

 

LIVROS PUBLICADOS:

Literalmente, na língua portuguesa, o título do livro seria "Cartas de um japonês okinawano do Brasil". Mas o autor fez questão de grafar os adjetivos gentílicos em suas formas fonéticas originais para destacar que, inconscientemente, as três culturas estavam presentes no dia-a-dia de sua infância.

 

Em confronto com os "causos" caipiras do Triângulo Mineiro e de outros rincões deste país, "De bar em botecos e outros cantos também" só tem de diferente o cenário e os personagens urbanos.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------

:: Últimas matérias deste colunista

Imigrantes japoneses na II Guerra ( 18/09/2009 )
Duas anedotas em versos ( 10/09/2009 )
Temer Deus ( 27/08/2009 )
Boniteza interna ( 19/08/2009 )
O pecado do pequeno negociante ( 27/07/2009 )
Abundância de Maria ( 13/07/2009 )
Só tem uma coisa ( 02/07/2009 )
Edith, ex-fazedora de bala de café ( 24/06/2009 )
Mundo animal em versos ( 05/06/2009 )
Façamos como Sócrates ( 15/05/2009 )
Sr. Ota - pai exemplar ( 21/04/2009 )
Eu já tive asas ( 08/04/2009 )
Também estudei mas ( 21/03/2009 )
Os Memoráveis ( 06/03/2009 )
Felicidade e dignidade ( 27/02/2009 )
Que tremedeira ( 27/02/2009 )
O melhor e o pior futebolista ( 18/02/2009 )
Vanderlei, o craque do bocha ( 12/02/2009 )
Delenice, a vencedora ( 08/02/2009 )
Que aniversário ( 05/02/2009 )
Felicidade sem esperança ( 03/02/2009 )
A minha primeira bicicleta ( 27/01/2009 )
Ser ou não ser feliz, eis a questão. ( 21/01/2009 )
Não desejei um bom ano a ninguém ( 12/01/2009 )
Nem sempre fui assim ( 27/12/2008 )
 
 
1 2 3 4 5 Próxima
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo