-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Humor
 
Roberto Villani

[ Roberto Villani ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Diretor Artístico, Autor de textos para teatro, e Professor de Arte Dramática e Oratória. Já publicou 3 livros.

 

Mandioca nos cornos

Zulmira Reza Brava nasceu lá pelos cafundó do sertão nordestino. Na fronteira entre o Não sei Aonde e o Lugar Nenhum. Filha de Maria Muma e Silvério Pereira, negro azulado de olhos verdes, vindo moleque de Moçambique. Moravam numa casa de pau-a-pique, bem no centro de savana tórrida, alugada de um sujeito um pouco menos pobre que eles.  Silvério cuidava da triste sobrevivência em lavoura de mandioca e cana de açúcar. Andava quilômetros a pé, na ida e na volta, todos os dias. Maria Muma tratava da casa e dos treze filhos que a vida, inconseqüente, lhe deu.

Zulmira era a mais velha da prole. Mal e mal aprendeu a ler numa escolinha de fazenda a quilômetros de sua casa. Menina-moça, revoltava-se com a miséria de todos os dias. Até que, de repente, juntou o pouco de roupas que tinha e pôs-se porta a fora. Disse à mãe que iria tentar a vida. Se tudo desse certo, voltaria para buscar a família. Andou pra lá, andou pra cá... Por fim de algumas léguas, Zulmira ajeitou-se no Bar das Frutinhas Frescas, nome que denunciava o comércio ilegal de meninas-moças. E ali descansou a pequena trouxa pendurada às costas.  E ali fez seus primeiros tostões às custas dos prazeres que até então não conhecera.

Certa noite, apavorado, atônito, um caminhoneiro invadiu o Bar das Frutinhas Frescas com um homem nos braços. Muito ferido, desacordado, o tal sujeito foi posto de costas no chão, para alvoroço geral. Havia meninas que choravam copiosamente, outras corriam de um lado para outro. Houve até uma delas que desmaiou à frente do moribundo.

- Foi briga de faca. Coisa de morte, gente. – disse o caminhoneiro que trouxe o homem. – Aqui não tem ambulância nem policia por perto...

- Deixe que disso eu cuido. Sai todo mundo de perto! Só preciso de uma mandioca das gorda. – falou Zulmira espantando quem estava por lá.

Alguém rapidamente atendeu o pedido. Zulmira meteu as mãos por entre a saia e de lá retirou um canivete. E com ele cortou duas rodelas da mandioca, cada uma colocada sobre a testa do ferido. Pôs-se de pé e, com os braços em forma de cruz, rezou oração nunca ouvida, nunca falada. Coisa dela, particular.

- Deita o cabra na cama do quartinho dos fundo. Hoje, ninguém usa o locar. Tem muita moita lá pra trás.  E pra quem quer saber, aprendi essas coisa com uma tia macumbeira.

Pois a coisa funcionou. No dia seguinte, o tal homem estava de pé, novo em folha. Só algumas cicatrizes marcavam os ferimentos. Era difícil acreditar que o benzimento da Zulmira fizera tão grande milagre.

Zulmira fez-se adolescente, adulta... Do Bar das Frutinhas Frescas transferiu-se para a Casa da Mãe Napolina, cafetina famosa do Rio de Janeiro. Lá, entre um trabalho e outro, Zulmira praticava seus benzimentos, sempre com grande sucesso. Havia quem a considerasse uma grande médium, no que ela retrucava.

- Sou isso não, patrão. Mas tem um caboclo que me arrodeia o tempo todo.. É ele que me dá força pras mandinga e rezas das brava.

Dizem que, certa noite, apareceu por lá um doutor muito necessitado. Vinha de Brasília sob indicação de um amigo, que lhe aconselhou Zulmira como a única salvação. Então, o tal doutor desvencilhou-se da vergonha e contou seu problema à benzedeira.  Zulmira pensou, pensou... Olhou o homem de frente e...

- Pro seu causo, o remédio é mandioca nos cornos. Esse tratamento levanta defunto da sepurtura. O que tá pra baxo, fica pra cima. O froxo fica forte. O covarde vira valente. Quanto à sua mulhé, não prometo que ela vorta. O dotô não deu pra ela o que ela percisava. Quem não come bem em casa, procura comê de quarqué jeito na casa de arguém.

O doutor de Brasília ficou curado. Sua mulher, entretanto, não voltou para casa. Em compensação, ele ficou famoso por suas inúmeras conquistas. E de tão agradecido, quis levar Zulmira Reza Brava para a Capital. Não conseguiu.

- Muito obrigado, patrão. Mas perfiro ficar por aqui mermo. Meu negócio é botá mandioca nos cornos dos outro. Mas quando percisar, basta me procurar. Na casa de Mãe Napolina, mandioca é o que não falta!





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Pequeno Dicionário das coisas que eu amo ( Humor - Alexandre Andrade )

:: Odeio o que se faz no MSN - Parte 1 ( Humor - Juliana Ladeira )

:: O Trânsito sem o Homem ( Humor - Jurandir Araguaia )

:: Entre Serra e Dilma... ( Humor - Jurandir Araguaia )

:: Aprendendo chinês ( Humor - Camila Santos )

:: Mandioca nos cornos ( Humor - Roberto Villani )

:: Celular foi feito pra perder ( Humor - Sandro Miranda )

:: As Incríveis Vantagens de Envelhecer ( Humor - Jurandir Araguaia )

:: Apresentando o Pai da noiva ( Humor - James Garden )

:: Receita de pesadelo para héteros ( Humor - Abilio Machado )

:: Querido papai Lulel ( Humor - Alexandre Costa )

:: Em Busca do Humor ( Humor - Jurandir Araguaia )

:: Piadas do Final de Semana ( Humor - Rodolfo Nunes )

:: Haja imaginação ( Humor - Priscila Magalhães )

:: Toim Muriçoca ( Humor - Gilson Pontes )

:: Casos de outrem ( Humor - Priscila Magalhães )

:: Duas anedotas em versos ( Humor - Paulo Hijo )

:: Água e chapinha não se misturam ( Humor - Vanise Macedo )

:: O que a crítica diz sobre a autora ( Humor - Sylvia Marteleto )

:: A freira e o taxista ( Humor - Abilio Machado )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo