-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Atualidades
 
Marcus Ottoni

[ Marcus Ottoni ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Escritor, poeta, jornalista e fotógrafo

 

Caso Eliza Samudio: outro motivo para o assassinato da ex-garota de programa

A linha de investigação no caso Elisa Samudio, envolvendo o ex-goleiro do Flamengo, Bruno, faz acreditar que o crime foi cometido para livrar o jogador de uma possível paternidade indesejável com pagamento milionário de pensão alimentícia. Assim tudo e todas as evidências vão levando o grupo executor da ex-garota de programa a um pacto sinistro de proteção de quem lhes assegurava boa vida e que por quem fariam tudo, inclusive assassinar quem ameaçasse o curso vitorioso da carreira do atleta e seu sucesso na sociedade e no mundo desportivo nacional e internacional.

Embora as evidências coloquem para o mundo essa situação, muito acentuada pelo delegado Edson Moreira, chefe do departamento de investigações de Minas Gerais, que desde o estouro do caso vem se colocando como “prima-dona”  com total controle da mídia e do levantamento das provas que possam solucionar o assassinato da jovem, o crime pode ter outras causas e o direcionamento do caso para a paternidade indesejável talvez esteja sendo maximizado para ocultar a verdadeira motivação da morte de Elisa Samudio pelo grupo do goleiro Bruno.

O desejo de incluir-se como beneficiária do dinheiro do jogador famoso pela ex-garota de programa é legal a partir do momento em que ela é verdadeiramente mãe de um filho do Bruno. Não só legal como de direito reconhecido internacionalmente com o pagamento de pensão alimentícia para o filho cuja guarda é da mãe. Mas a própria concepção da criança já traduz a manifestação premiditada da ex-garota de programa em tirar proveito do exercício de sua profissão ao participar, com outras companheiras, de farras sexuais no sítio do então famoso goleiro do Flamengo, trabalho para o qual foi paga.

É bem sabido no meio do mundo das garotas de programa que engravidar significa perder dinheiro e parar de atuar por longos meses e, ainda, ter a responsabilidade aumentada pelo nascimento e tutela de uma criança. Para isso, todas sabem experientemente que devem evitar gravidez e o sabem como fazer. Jamais são pegas desprevenidas nesse quesito e muitas, se não todas, evitam todas as possibilidades de engravidar e quando isso acontece, recorrem ao aborto como forma de consertar um descuido profissional. Fora dessa linha de atuação, a garota de programa se deixa engravidar quando, por motivos diversos, vê a possibilidade de começar uma vida nova calcada numa gorda pensão alimentícia paga por um homem de posses ou reconhecidamente famoso e rico.

Mas voltando ao assassinato e às investigações. A denúncia de Elisa Samudio feita há oito meses quando realizou um exame para identificar substâncias abortivas que teria sido obrigada a tomar só veio à baila com o seu assassinato revelando total omissão da polícia do Rio de Janeiro na época. De lá pra cá, até o dia do seu seqüestro, Eliza buscou de todas as formas sensibilizar ou pressionar o jogador a reconhecer o filho que seria o primeiro passo para uma ação de pensão alimentícia que a tornaria beneficiária de uma boa grana para sustentar o filho.  Justo e legal.

Nesse jogo de pressão e intimidação, muita coisa foi feita e dita tanto pela jovem como pelo atleta. E muita gente próxima ao goleiro foi envolvido para interceder por uma solução favorável, não para a ex-garota de programa, mas para a criança recém nascida de uma “transa casual” entre os dois: Elisa e Bruno. E nesse ponto entra Luiz Henrique Ferreira Romão,  o tal do “Macarrão”, misto de fã, guardião e pau prá toda obra. E é aí que a polícia está descartando uma informação que foi veiculada por um canal de televisão que pode mudar o rumo das investigações e descambar num escândalo maior envolvendo facções criminosas com domínio tanto no Rio de Janeiro como em Minas Gerais.

De acordo com um telejornal que acompanha o caso e embarcou na direção das investigações do assassinato da jovem, com foco na paternidade indesejada, uma amiga de Elisa Samudio teria revelado que ela no afã de conseguir uma solução rápida para seu caso teria ameaçado o tal de “Macarrão” com a possibilidade de denunciá-lo como chefe de uma quadrilha de traficantes que abastecia Minas Gerais com drogas vindas dos morros do Rio de Janeiro, num grande esquema de distribuição de droga na Grande Belo Horizonte. E nesse esquema estariam todos os envolvidos no assassinato da ex-garota de programa: do menor que a seqüestrou junto com “Macarrão” no Rio de Janeiro, até o ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos alcunhado por “Bola” que a teria assassinado quebrando o pescoço e fazendo do corpo ração para seus cães.

A atitude do menor relatada por ele mesmo é característica de jovens aliciados nos morros para servirem como soldados do tráfico. A liberdade do “paupratodaobra Macarrão” com relação ao goleiro Bruno o libera de explicações sobre suas ações ou intenções. O ex-policial  “Bola” foi segurança do ex-prefeito mineiro da cidade de Raposo flagrado com pedras de crack. O tio do menor que revelou o assassinato de Elisa Samudio foi inserido num programa de proteção da polícia carioca por estar sendo ameaçado por ter denunciado o menor que deu origem a prisão de todo o grupo do ex-goleiro do Flamengo. Mesmo reconhecendo a paternidade do filho de Elisa Samudio, o goleiro Bruno teria condições legais, numa batalha judicial, de conseguir a guarda do filho evitando o pagamento da pensão alimentícia com alegações sobre a vida pregressa da ex-garota de programa.

São fatos que deveriam estar sendo objeto de investigação pela polícia mineira, onde tudo aconteceu e onde se materializa um escândalo que pode ultrapassar o limite da paternidade indesejada e apontar para caminhos que levem ao comércio hediondo de drogas nas Minas Gerais com envolvimento do grupo de Bruno e sabe-se lá quem mais.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Deus é brasileiro ( Atualidades - Manoel Tupyara )

:: Decadência cultural ( Atualidades - Nylton Batista )

:: Segurança Pública no Brasil ( Atualidades - Gizelle Saraiva )

:: Voo MH17 - Quando a insensatez gera morte ( Atualidades - Wallace Moura )

:: Vade retro, Satanás ( Atualidades - Nylton Batista )

:: A morte de DG, do Esquenta, e ações “pacificadoras” das UPP, no Rio ( Atualidades - Cristiana Passinato )

:: Desapropriados da favela da Telerj no Rio, na Catedral ( Atualidades - Cristiana Passinato )

:: Páscoa: mero comércio? ( Atualidades - Cristiana Passinato )

:: Nós não merecemos ser estuprados, abusados, desrespeitados 01 ( Atualidades - Elisabeth Camilo )

:: Maré sitiada ( Atualidades - Cristiana Passinato )

:: Incultura como base ( Atualidades - Nylton Batista )

:: Mais austeridade ( Atualidades - Manoel Tupyara )

:: Credibilidade em estado de coma ( Atualidades - Manoel Tupyara )

:: 14 de Março: Dia Nacional da Poesia ( Atualidades - x - Contribuições )

:: Greve dos garis no Rio de Janeiro ( Atualidades - Cristiana Passinato )

:: A intencionalidade das matérias exibidas pela grande mídia ( Atualidades - Maria Tereza )

:: A apreensão do público diante da ausência da grande mídia nas manifestações de São Paulo, no início de 2014: o estabelecimento do caos ( Atualidades - Maria Tereza )

:: Quando a vontade de fazer justiça se transforma em mais injustiças ( Atualidades - Wallace Moura )

:: Primeiro beijo gay foi no SBT ( Atualidades - Ruy Matos )

:: Tesconjuro, IPHAN ( Atualidades - Nylton Batista )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo