-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Crônicas e Poesias
 
Almir Moreira

[ Almir Moreira ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Politicamente Correto, eis a questão.

 

Receita para o amor. Receita para se amar.

Face a saudade, um sentimento forte e corrompido pelo ódio humano, o calor da tristeza de um quê de arrependimento.

Eu lia os romances e deles a criação da perfeição foi brotando as esperanças, e delas as incertezas nasceram. Aonde quer, para onde for, quaisquer são as chances de outrora poder te amar. Dos romances, as colheres de mentiras foram preenchidas e aquele vislumbramento acabou pelo conto da solidão e do esquecimento. Palavras, atitudes, café. A certeza de que ali não existe o mais, e sim o menos. O menos que de tão pequeno torna-se insignificante a ponto de morrer cheio de vazio.

Há quem diga que o amor brota do nada, outros, da convivência, e quem nao ama é infeliz. Há quem diga que o amor é patético, e muito menos compreensível. Fato. Ninguém sabe, ninguém nunca soube e nem vai saber, só se presencia e dele poderá um dia vir a esquecê-lo. O amor de um dia, o esquecimento no outro. Ambas as partes estranhas.

Permita, antes de tudo, amar-se e desse amor conquistar tudo que há para ser conquistado. Jogue, recicle, elimine tudo aquilo passado e corra para o presente. Abrace-o e, contudo, esqueça dos detalhes. Eis a forma, eis a questão. Talvez seja tão simples, tolo e natural que você nunca tenha parado para pensar: Que as vezes o amor de um, não vale mais que um real. Amores são passageiros e deles a constante e inúmera máscara do real.

Hoje eu abracei o dia mais, muito mais que qualquer coisa. Abri a janela, escovei os dentes e disse pra mim mesmo que o dia, aquele dia, este mesmo dia é meu. Peguei meu carro, corri, troquei as marchas e buzinei. Sorri, cantei, me droguei. Não com drogas ilícitas ou algo do tipo, mas com a droga do dia, que me conquista, que me alerta e que me dá entender que eu, sou eu e o resto não é nada.

Acordar, sonhar é tendência orgânica, é natural. Amar, também. Mas sofrer por amor é infeliz, burro e infantil. Hoje eu acordei mais eu, e todos os dias serão assim. Eu, espelho, eu.

Face a saudade, face a vontade, face de tudo, há quem diga que eu sou mais, muito mais que qualquer fantasia de felicidade.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: A ultima pedra ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Uma das minhas namoradas ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Aposentando a aposentadoria ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Você, o amor de minha vida ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: A energia do chão ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Palco ou plateia ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O amor é um sentimento interino ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Minha derradeira roupa ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: A morte dos Três Patetas ( Crônicas e Poesias - Manoel Tupyara )

:: O homem na praça ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Eu, você, nós ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Desabrigo ( Crônicas e Poesias - Ana Fabyely Kams )

:: Fábrica de pirulitos ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Sal ou mel ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O viajante solitário ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Labirinto da felicidade ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Folhas sem escolhas ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: A morte do prisioneiro ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Ensurdecedor grito do silêncio... ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: A obra poética ( Crônicas e Poesias - Luisa Lessa )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo