-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Política
 
Luiz Phelipe

[ Luiz Phelipe ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Um colunista com uma percepção singular sobre os embates da atualidade

 

O paradoxo: (marketing) contenção de gastos x manobras inertes

Já recebo e-mail de esquerdista dizendo que faço um discurso resumindo caráter sem “análise aprofundada da práxis”. É de uma ortodoxia assustadora! Nem os conceitos marxistas conseguem modificar, francamente. Acredito que a “companheira” – se assim me permite chamá-la – não se atém aos dados, mas aos berros. Fico satisfeito, embora me alimente de informação, as críticas fazem com que tudo pareça mais fácil. O e-mail em questão faz jus às minhas convicções de que o discurso lulista é de muita palavra e pouco argumento, pura tautologia (de quem não sabe usá-la, diga-se de passagem – para que ninguém faça alusão aos filósofos que usufruíram de tal ferramenta lingüística como veículo de persuasão). Nosso propósito não mudou e essa coluna segue! 

Um lembrete! Como já suscitei no artigo anterior, Dilma define que, o aumento do salário mínimo pelos próximos quatro anos poderá ser via decreto – no lugar de lei. Sem mais delongas, apenas para que não esqueçam; as palavras da oposição são as minhas: trata-se do “executivo usurpando a função legislativa” (senador Álvaro Dias PSDB-PR). Rompeu-se com o processo harmônico dos poderes. Alguém devia alertar a presidente que a eficácia da prática não se perfaz rompendo a teoria perfeita (sem hipérbole, relativamente perfeita!). 

O real ponto a discutir: Reajuste de bolsa família. Dessa vez, 8,7% superior à inflação. Um impacto de 2,8 bilhões, o que representa 0,4% do PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro. Outro governo de gastos desenfreados com assistencialismo como o governo Lula? (vale lembrar que não tirou nem 10% da população brasileira – beneficiária – da miséria).  Geralmente deixam a sujeira embaixo do tapete e aquele que suceder “limpa”.  Só não sei quem (nem quando) vai pagar a dívida pública, já que a reeleição é ambição da atual gestão que está bem longe (e nem tem interesse, evidentemente) de resolver o problema.  Sabe-se que a ficção da contenção de gastos em 50 bilhões não vai durar muito. Guido Mantega (como sempre) garante seu emprego e anuncia que o reajuste do referido programa estava previsto nas contas do governo. É como dizer que 2bi “a gente deixa passar”. Nunca vou entender a matemática do pessoal do 13

Podem me declarar um perseguidor, mas só é preciso um mínimo de inteligência para compreender que cortar 50 bilhões pode até ser possível, mas tem grandes chances de ser ineficaz! Não é o valor com que se trabalha, mas sim como será feito. Se Dilma bater forte na propaganda do quantitativo, para dizer que isso é mostrar serviço, a ausência do qualitativo vai permitir que o déficit público se eternize. Que não seja apenas a marketing do sacrifício, prejudicando (de verdade) classes da sociedade, como o funcionalismo público. Indago-me: Dilma, mais uma marionete dos apedeutas? Ou o papa do lulismo?





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Uma petista falando da realidade petista ( Política - Jorge Azevedo )

:: Falta Lei séria no Brasil ( Política - Manoel Tupyara )

:: Enquanto houver pejosos as esquerdas não andarão a pé ( Política - Manoel Tupyara )

:: Entre a Cruz, a foice e o martelo. ( Política - Roberto Bastos )

:: Reflexões que o povo brasileiro deve fazer III ( Política - Nylton Batista )

:: Reflexões que o povo brasileiro deve fazer IV ( Política - Nylton Batista )

:: Reflexões que o povo brasileiro deve fazer II ( Política - Nylton Batista )

:: Reflexões que o povo brasileiro deve fazer I ( Política - Nylton Batista )

:: Momento divisor ( Política - Jorge Azevedo )

:: Lula e a caravana da dúvida ( Política - Jorge Azevedo )

:: Liberdade para Lula ( Política - Jorge Azevedo )

:: A bagatela do cafezinho de Lula ( Política - Jorge Azevedo )

:: A crise no Rio de Janeiro. ( Política - Roberto Bastos )

:: PSDB, o partido que não sabe o que quer ( Política - Jorge Azevedo )

:: Sobre as terceirizações ( Política - Roberto Bastos )

:: As mentiras de um governo ( Política - Jorge Azevedo )

:: Presídios lotados ( Política - Roberto Bastos )

:: Confissão de culpa ( Política - Jorge Azevedo )

:: Toalhas de prato ( Política - Jorge Azevedo )

:: Provas e evidências ( Política - Jorge Azevedo )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo