-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Crônicas e Poesias
 
Paulo Hijo

[ Paulo Hijo ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Uma boa literatura pode resultar muito benefícios; e a leitura, que é um processo de divertimento, proporciona tanto o repouso, a suspensão da fadiga, assim como a catarse e a educação.

 

O Homem do Saco

Ele andava maltrapilho a catar latas pelas ruas. É, naquela época, havia muitas latas nas latas de lixo - não havia sacos de lixo. As donas de casa só podiam consumir oléo, banha, margarina, manteiga, cera para assoalho e tantos outros produtos em embalagem de metal.

Então, ele era visto com seu paletó surrado e com seu saco nas costas. Tirava o seu sustendo com a venda das latas. Não era visto mendigando e nem pertubando as pessoas. Nunca fez mal a uma criança, no entanto  as crianças tinham medo do pobre coitado. Ele apenas não batia bem da cabeça. Anomalia que não fazia dele um ser ruim, Pelo contrário, era pacífico ao extremo. Não era dado às conversas, mas adorava fazer caretas para ver as  pessoas rirem.

Quando as crianças dali faziam algo de errado e se comportavam mal, os pais as ameaçavam dizendo que, se não os obedecessem, o homem do saco as levariam embora. As crianças, por medo do tal homem, sem ter outro jeito, obedeciam seus pais. Assim, os pais viam no pobre catador de latas uma maneira de se fazerem obedecidos e respeitados. Tudo em detrimento do coitado do fazedor de caretas. É, a coisa ficou de uma tal maneira, que certas crianças não podiam ver aquele homem, que corriam para dentro de suas casas.

Hoje, não sei se é visto por aquelas bandas. Se for, que seja de uma outra maneira, principalmente pelas crianças. Tomara que nenhuma delas sinta aquilo que as crianças de antigamente sentiam por ele: medo. Coitado, nunca fez uma maldade, no entanto, fizeram dele um ser mau. Há aí duas maldades: a dos pais que amedrontavam os filhos com a figura do homem do saco e das crianças que acreditavam em seus pais.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: O que me falta ( Crônicas e Poesias - Luciano Andrade )

:: Celular caiu no mar ( Crônicas e Poesias - Luisa Lessa )

:: Ah se eu pudesse Explicar Se você me Compreendesse ( Crônicas e Poesias - Carla Elisio )

:: A solidão mais doída do mundo ( Crônicas e Poesias - Elisabeth Camilo )

:: Quando o sapato não cabe ( Crônicas e Poesias - Gizelle Saraiva )

:: Enigma Feminino ( Crônicas e Poesias - Cláudia Banegas )

:: Chuva com Café ( Crônicas e Poesias - Mauro Moura )

:: Somente Para Crianças ( Crônicas e Poesias - Magali Cunha )

:: O voo ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: O inferno é aqui ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: A porta ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Temporal ( Crônicas e Poesias - Mauro Moura )

:: Baús de Marfim ( Crônicas e Poesias - Cláudia Banegas )

:: Prelúdio aos velhos casarões ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Tão longe e tão perto ( Crônicas e Poesias - Mauro Moura )

:: Ranchinho abandonado ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Teu doce beijo ( Crônicas e Poesias - Mauro Moura )

:: Pensando em tudo, penso em voce ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Falando de Amor ( Crônicas e Poesias - Carla Elisio )

:: Os descaminhos dos Caminhos Drummondianos ( Crônicas e Poesias - Mauro Moura )