-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em História e Literatura
 
Almir Moreira

[ Almir Moreira ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Politicamente Correto, eis a questão.

 

As rendeiras de Canaan

A história – No município de Trairi fica o distrito de Canaan , que está há 150 km de Fortaleza. A economia da cidade é basicamente da agricultura, pecuária, pesca e artesanato. A cidade concentra um grande número de rendeiras, profissão essa passada de pai para filho que ajuda na sobrevivência de suas famílias. A vida, como em grande parte do Brasil é difícil, principalmente para pessoas que trabalham com agricultura, como também, para aqueles que fazem renda.

             Apesar das dificuldades que as rendeiras encontram na venda de suas peças ocasionado pelos baixos preços, elas continuam a praticar essa arte que  sobrevive há milhares de anos por ser passada de geração para geração, como é o caso da senhora Maria Novinha Farias da Silva (1955) e sua filha Ana Maria da Silva(1972), ambas rendeiras.

 

            O encontro - Nos encontramos no dia 19 de março de 2011. Era uma tarde quente, a cidade estava em festa, com muita música, orações e barracas com roupas e brinquedos. Nos dirigimos até a casa da senhora Novinha, já que, também além de rendeira ela ajuda o marido na produção de farinha. Sua casa é de difícil acesso, com estrada de barro, buracos e longe do centro da cidade de Canaan.  Chegando lá, fomos bem acolhidos por ela e sua filha, a Ana Maria que logo já foi nos explicando sobre a renda na cidade. 

 

Ana Maria da Silva (1972-)

              Moça de traços fortes, baixa, olhos arregalados e muito simpática, Ana nos contou um pouco de sua história e a sua participação na associação de rendeiras na cidade de Canaan, a ARTECAN.

              Segundo Maria, para se fazer renda é preciso muita paciência além de saber manusear o bilro, uma fruta típica da região que é acoplada a uma semente de buriti.

             Ana Maria começou a fazer renda com dez anos de idade, sua mãe quem lhe ensinou. A moça relata também que fazia renda por necessidade: “Eu não tinha roupa. Fazia renda para mim mesma. Fazia saia, top, blusa. Naquela época a gente tinha muita necessidade”, relatou a rendeira. Ela tem três filhas de 15, 16 e 17 anos, e todas sabem fazer renda. Para ela é preciso passar de mãe para filha e não deixar a renda acabar: “Ensinei minhas filhas a fazerem renda. Os jovens de hoje não ligam para isso. É a nossa cultura”, disse Maria.

              Para terminar uma peça é preciso 15 dias trabalhando 4 horas diariamente. É um trabalho cansativo, que precisa de agilidade, vontade e paciência. O lucro que as rendeiras ganham é pouco, já que elas custeiam o material, - Isso quando não há um projeto da associação para divulgar o trabalho delas. Sendo assim, a prefeitura, e patrocinadores pagam as despesas do material. Existem vários tipos de renda com vários tipos de linha. Uma delas é a linha matizada, de uma só cor; Também a renda fina, de número 20, que, segundo Maria, é a mais trabalhosa pelo fato da linha ser muito sensível e fina. (Foto à direita)

     As rendeiras de Canaan participam de encontros em outras cidade, um desses projetos foi o Projeto São José, onde as rendeiras mostraram seus trabalhos em Fortaleza no Centro de Convenções.  Com o aparecimento da Associação, através de uma iniciativa da Cientista Política Rosa de Lima Cunha, as rendeiras obtiveram maiores chances no mercado, além de unificarem suas forças para construir a ARTECAN (Associação de Artesãs e Agricultores de Canaan) que possui mais de 450 rendeiras do distrito trabalhando juntas. Ana Maria nos conta que o bordado fora esquecido pelas rendeiras “atuais”, mas, com a chegada da associação ele voltou com todo gás, através de aulas ministradas pelo SEBRAE.

              A produção das rendas é feita através da escolha do mercado. São feitas saias, blusas, tops e saídas de banho. Produtos que foram produzidos para suprir as necessidades do comércio.

          Segundo Ana Maria, o mercado paga pouco, mas ela gosta do que faz: “Eu olhava a minha mãe fazer e quis aprender. Era uma ocupação, passava o dia ali... aprendendo. Apesar do lucro ser pouco, eu tenho prazer de fazer renda. É bom demais!”, exclama a rendeira de 38 anos com um sorriso.

 


 

Maria Novinha Farias da Silva (1955-)

 

 

 

             Mãe de cinco mulheres e três homens, a senhora de fala mansa, Dona Novinha, como a costumam chamar nos diz que sempre teve o prazer de ensinar as filhas na renda, trabalhar na agricultura e de ser responsável em tudo que faz. Dona Novinha aprendeu a fazer renda com a sua mãe, aos seis anos de idade e nos diz que a sua mãe sempre dizia: “Tudo o que eu tenho é a custa da renda” ; -“Hoje eu não consigo ganhar o que a minha mãe ganhava, a renda perdeu muito o seu valor”, relatou a rendeira de 56 anos.

           Todas as suas filhas aprenderam com ela a fazer renda: “Minhas filhas aprenderam renda comigo, eu tive o prazer de ensinar. Elas sentavam do meu lado e tentavam fazer alguma coisa. Tinha a hora pra brincar quando elas eram crianças, mas quando já estavam grandes era preciso trabalhar”, relata Maria Novinha.

            Para ela muitas pessoas deixaram dae fazer renda, culpa dos preços baixos que as pessoas cobram pelo trabalho árduo. “Poucas pessoas ainda fazem renda, diferente de antigamente, onde todo mundo trabalhava na renda. É barato demais.”. Relatou Maria.

            Dona Novinha é uma senhora que sorri bastante e sempre disposta a nos explicar sobre quaisquer duvidas. Apesar de tantas dificuldades, as rendeiras, agricultores, pescadores, sempre possuem grandes histórias que podem valorizar ainda mais a magnitude de se viver. Pessoas humildes, de bom coração, trabalhadores e honestos. Rendeiras que fazem de sua arte uma história de vida para muitos.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Remanso da vida ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Ter bons amigos é ter mais saúde e felicidade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Um olhar sobre o ensino de português ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: O português é uma realidade monolítica no Brasil? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: História Cultural: o Rock n’ Roll brasileiro da década de 1980. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Década de 1970 – O contexto musical do Brasil: o Estrangeirismo. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: O que é a verdade? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Epiteto: Filósofo e escravo. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Apreciação literária: Paz Guerreira de Talal Husseini. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Ariano e sua eterna luta contra moinhos que não são de ventos. ( História e Literatura - José Flôr )

:: História das mentalidades: O Esperanto. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Coração da Mata ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: O redescobrimento do Heliocentrismo e da esfericidade da Terra. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Considerações literárias: diários, semanários e mensários...qual é a melhor escolha? ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Quinze de novembro de 1889 – O golpe da República e a interrupção do processo civilizatório. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A arte de viver só ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A desesperança em Wander Piroli ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: O mito da palavra Saudade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Cultura do hedonismo e o Vale+ Cultura ( História e Literatura - Mauro Moura )

:: Profissionais da História ( História e Literatura - Roberto Bastos )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo