-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Internacional
 
Jurandir Araguaia

[ Jurandir Araguaia ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Escritor goiano. Premiado no Concurso FC do B - Panorama 2006/2007 (www.fcdob.com). Publica textos que tratam com bom-humor o cotidiano, quando a situação permite, e mordiscando universos fantásticos...

 

Bin Laden Merecia Viver!

     Explodiram com a vida do Bin Laden e, confesso, não fiquei nem um centímetro mais feliz por isso. Sei que muita gente pode se chocar com essa afirmação, mas é a mais pura verdade. A notícia me chegou fria, como um namoro que termina, nas primeiras horas da manhã ao abrir a primeira página da Internet. Certo é que se tratava de um terrorista-genocida-fanático, o que, nem de longe, justifica por si só o seu extermínio sem um julgamento, no mínimo, com direito de defesa.

Os ¨homens desse tipo¨ não merecem defesa, nem julgamento, nem serem ouvidos em um tribunal, decretaram os americanos e as metralhadoras bateram o martelo. Não duvido que tenha sido ele o autor dos atentados terríveis de 11 de Setembro, dia que o mundo somente esquecerá quando decretado o fim dos tempos. Não guardava nenhuma simpatia por ele. Provavelmente me recusaria a apertar-lhe a mão e não gostaria de dividir uma mesa de refeição ao seu lado, mas nem por isso coloco de lado minha consciência e acredito ser justo tê-lo liquidado daquela forma se outra maneira havia de puni-lo.

Os relatos que chegam são sombrios e resta uma certeza: o terrorista foi executado sumariamente sem chance de defesa. Uma coisa é alvejar um inimigo no campo de batalha. Digamos que seria a morte digna, pelo menos diante da ótica atual do código moral desta humanidade. Foi indigno lançar aviões contra as torres gêmeas e não foi menos digno executar o autor na calada da noite, desarmado e pronto à rendição, conforme parece ter ocorrido.

O que fazemos diante dos nossos inimigos nos torna melhores ou piores do que ele. Prefiro seguir a linha cristã e perdoar aos inimigos, o que não significa que devo me tornar amigo deles ou esquecer dos seus crimes, mas que devo ter para com eles uma conduta muito mais digna e correta do que a que tiveram para comigo.

Bin Laden merecia a morte? Quem sou eu para dizer. Não seria melhor deixá-lo viver para que convivesse com seus crimes, para que ouvisse em um tribunal o relato doloroso de cada mãe, de cada filho, de cada esposa que perdeu os seus entes queridos? Existem punições piores que a morte. Essa é, por vezes, um alívio para o malfeitor. No entanto, sei que minha forma de pensar é um ato isolado.

Os americanos não o queriam vivo. Sabiam que poderia haver uma avalanche de atentados, de seqüestros, de crimes exigindo a sua libertação. Nem mesmo exibiram o seu cadáver para não alimentar ainda mais a sanha demolidora dos seus seguidores. Há que se ter muita habilidade em lidar com os insanos e a não exibição das fotos do cadáver é um ponto que não posso deixar de destacar como acerto nesta catástrofe de erros.

Se os americanos fossem dignos o seqüestrariam naquela noite e o deixariam viver os últimos dias em uma prisão secreta. Não revelariam o fato a ninguém e somente divulgariam que ele morrera após passar os últimos dias de sua vida assistindo a depoimentos dos parentes das vítimas que aniquilara com seu gesto. Se Obama fosse digno não teria transformado Bin Laden no seu cabo eleitoral. Cheguei ao ponto: Bin Laden salvou da derrota eleitoral o combalido Bush ao detonar o WTC. Salva agora Obama com seu extermínio que Hollywood ainda há de mostrar.

Bin Laden não merecia morrer antes de ouvir, de ver e de sentir a dor de cada parente das suas vítimas. Entretanto, mantê-lo vivo e oculto não renderia votos. A morte lhe foi leve. Que Obama tenha pela frente o que merece depois de eleito e que os americanos durmam com um barulho desses...





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: A Propriedade Privada Intelectual e a Crise do Sistema Capitalista ( Internacional - Diego Grossi )

:: What to fight for? ( Internacional - Ana Paula Lisboa )

:: A morte de Kadafi foi o auge da Revolução Árabe? ( Internacional - Diego Grossi )

:: Sem Kadafi, o mundo fica melhor? ( Internacional - Jorge Azevedo )

:: Cadê honduras? ( Internacional - Nylton Batista )

:: 10 anos do 11 de setembro ( Internacional - Mauro Souza )

:: Tecnologia militar e soberania política: O exemplo da Líbia ( Internacional - Diego Grossi )

:: O direito de Gadhafi de governar ( Internacional - Sivaldo Venerando )

:: AAA/AA+ ( Internacional - Mario Villas Boas )

:: Xenofobia e humanidade não combinam ( Internacional - Paiva Netto )

:: Capitão América. ( Internacional - Isis Nogueira )

:: Pax Sinica ( Internacional - Mario Villas Boas )

:: O que a comunicação social não fala sobre Kaddafi. ( Internacional - Isis Nogueira )

:: Bin Laden Merecia Viver! ( Internacional - Jurandir Araguaia )

:: Osama Bin Laden, morto ou vivo? ( Internacional - Liana Herculano )

:: Será que Bin Laden morreu mesmo? ( Internacional - Jorge Azevedo )

:: O primeiro abril – a Revolução ( Internacional - Mauro Moura )

:: Muçulmana responde à questões polêmicas ( Internacional - Isis Nogueira )

:: Um Ato Trágico e Criminoso ( Internacional - José Ednaldo )

:: Um bom Exemplo ( Internacional - Mario Villas Boas )