-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Informática
 
Ana Paula Lisboa

[ Ana Paula Lisboa ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Estuda Comunicação Social, adora escrever e acredita na comunicação como formuladora de conceitos.

 

Advicemee, a rede social criada por alunos da UnB

Advicemee

“E se você pudesse falar o que sempre quis para AQUELA pessoa, sem ela saber quem é você?” Esse é lema do Advicemee, rede social para troca de conselhos lançada no dia 10 de dezembro do ano passado. Foi criada por estudantes de Engenharia da Universidade de Brasília (UnB) que veem na internet uma oportunidade de trabalho. O Advicemee funciona com uma equipe de sete pessoas e é apoiado por todos os Centros Acadêmicos da UnB, por professores e por empresas juniores.

As pessoas podem mandar dicas anônimas ou identificadas, é possível bloquear usuários indesejados e os usuários indicam se concordam ou não com o que foi dito nas mensagens. Um diferencial é que a própria rede possui um perfil em que os internautas sugerem o que deveria mudar no site e as sugestões são colocadas em prática.

Amigos desde o ensino médio Augusto Fontana, Rodrigo Gaudard e Diego Cagali (foto), têm 23 anos de idade e são alunos da Faculdade de Tecnologia da UnB. Rodrigo e Diego cursam o quarto semestre de Engenharia de Produção e Augusto faz o nono período de Engenharia Civil.  Confira conversa com os fundadores da primeira rede social brasiliense.

Foto: Larissa de Castro

Os criadores do AdvicemeeCampus Online: Como surgiu a ideia para esta nova rede social?
Diego Cagali:
Rodrigo, Augusto, eu e outros amigos passamos o réveillon, de 2009 para 2010, em Buzios (RJ). Imagine uma casa com 10 homens convivendo. Muitas situações constrangedoras aconteceram. Vários dos rapazes precisavam de uns “toques” e percebemos dificuldade nisso. Nós três juntos pensamos como seria bom se existisse um site de relacionamentos que ajudasse as pessoas a dar conselhos que elas não têm coragem ou disposição de dar pessoalmente.

CO: Quando e como o site foi lançado?
Rodrigo Gaudard:
Foi quase um ano de planejamento, fizemos grupos focais para teste e lançamos o Advicemee no dia 10 de dezembro de 2010, exatamente uma semana depois do lançamento do filme “A rede social”, que conta a história do Facebook. Há similaridades porque as duas redes começaram no ambiente universitário e ficou parecendo que estávamos copiando, mas são propostas totalmente diferentes. Primeiramente, lançamos o site em inglês, por ser uma língua universal, mas agora há opção de usar o português.

CO: Qual a diferença com relação às outras redes sociais?
Augusto Fontana:
Enquanto a maioria das outras redes é focada na publicação e troca de informações em geral, o Advicemee é focado em algo muito mais específico e que não existe o tempo todo: o conselho. O fluxo de informações é menor, então.

CO: Qual a vantagem de uma rede de conselhos?
Rodrigo:
Muitas vezes é complicado dar um conselho, pois pode ser sobre assuntos indelicados e complicados de falar pessoalmente. Há também a timidez, a vergonha e o medo de magoar o outro. O Advicemee é uma ferramenta pra ajudar as pessoas. E a principal vantagem é estar inserido num ambiente de crescimento e evolução pessoal. O usuário pode adquirir conhecimento sobre ele mesmo e sobre a visão que os outros têm dele por essa troca de conselhos.
Diego: O brasileiro é menos direto com críticas do que outros povos: somos muito polidos com essas coisas, complicamos coisas simples. O bom é que, no Advicemee, as pessoas podem trocar críticas e sugestões sobre qualquer tema. Pode ser usado até mesmo para declarações amorosas e para relacionamento de empresas e organizações com clientes.

CO: Qual o público alvo da rede?
Augusto:
Não há limite mínimo nem máximo de idade para participar. Focamos num público jovem e que tenha bastante convivência, como estudantes de universidades e escolas, já que não há conselho a dar para alguém que é distante de você e não há conselho para dar o tempo todo.

CO: Como é e como funciona a equipe?
Rodrigo:
Somos uma equipe de três sócios-fundadores que fazem toda gestão e planejamento. Contamos com a colaboração de quatro programadores que são estudantes de Engenharia de Redes.
Diego: Somos todos interessados por tecnologia e internet, mas mais do que isso, gostamos de negócios. Vimos no mercado da web um ambiente dinâmico e uma grande oportunidade de empreender.
Augusto: Cada um investe cerca de R$80 por mês e trabalha uma média de 20 horas por semana só no Advicemee. Os programadores não são pagos, mas têm participação garantida nos lucros futuros do site.

CO: Quais os resultados e as metas do Advicemee?
Rodrigo:
Temos uma média de 1,5 mil usuários, mesmo sem nunca termos feito divulgação do projeto. Vamos divulgar na UnB a partir de junho. Até o resto do ano, temos planos de atingir todas as escolas e faculdades do Distrito Federal.
Diego: Pretendemos futuramente alcançar ou superar o número de usuários e a projeção do Facebook (risos) e lucrar com o que obtivermos. Já recebemos propostas de anunciantes e vamos implementar espaço para publicidade na rede.

CO: Como participar?
Rodrigo:
Basta entrar no site do Advicemee, se cadastrar, encontrar amigos e começar a enviar e receber conselhos.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Estado de graça ( Informática - Lecy Pereira )

:: Expansão das lojas virtuais ( Informática - Isis Nogueira )

:: Internet dependência ( Informática - Jorge Hessen )

:: Arrogância internética ( Informática - Patrícia Cozer )

:: A Internet e a fábrica de apedeutas ( Informática - Luiz Phelipe )

:: Corrente do bem ( Informática - Pedro Cardoso )

:: A praga das redes sociais - parte III ( Informática - Patrícia Cozer )

:: Quando não tínhamos mídias sociais ( Informática - Ana Paula Lisboa )

:: Orkut ou Facebook? Por trás dos mitos ( Informática - Diego Grossi )

:: A praga das redes sociais - parte II ( Informática - Patrícia Cozer )

:: A praga das redes sociais ( Informática - Patrícia Cozer )

:: Lições do FISL 2011 ( Informática - Klaibson Ribeiro )

:: Lançado Linux Fedora 15 ( Informática - Klaibson Ribeiro )

:: Redes sociais e cia ( Informática - Sivaldo Venerando )

:: LibreOffice Para Leigos ( Informática - Klaibson Ribeiro )

:: Advicemee, a rede social criada por alunos da UnB ( Informática - Ana Paula Lisboa )

:: O declínio do Orkut ( Informática - Jéssica Cavalcante )

:: A internet como fenômeno de globalização e de solidão ( Informática - Luisa Lessa )

:: Em qu@l mundo você vive? ( Informática - Rocheli Camargo )

:: Mil e uma utilidades da internet ( Informática - Pedro Cardoso )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo