-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Crônicas e Poesias
 
Almir Moreira

[ Almir Moreira ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Politicamente Correto, eis a questão.

 

Andei

Andei. Eu andei por muito tempo. Conheci pessoas, animais, árvores. Conheci amores, ilusoes, enganei e fui enganado. Andei como nunca ninguém jamais andou. Amei um amor não amado, amei um amor enganado. Amei um amor cego. Amei a mim, amei a ti, amei eles.Eu andei na estrada de poeira, de chão batido, de esfalto ralo, de areia quente... mas andei. Andei sem pressa, sem tempo, com vontade. Andei até chegar, olhei pra trás e decidi não voltar. Eu andei na tua vida, fiz uma casa, um lar meu e teu. Saí. Plantei semente na vida de outros, colhi os frutos amargos da vida. Aprendi!Eu andei por aí, com vontade de ser alguém, que nessa vontade aprendi que sou apenas um querer, porque quem sempre quer, nada se é. Eu aprendi que o amor não é fruta doce, nem tão pouco amargo... Ele é do tanto que você deseja, do tanto que você o faz, do tanto que você prepara.Eu aprendi que nao sei nada, e quem diz saber muito... ... Voltamos ao começo.

Olhando nos olhos, a tristeza sempre é bela. Aprendemos só com ela, apenas com ela, o quanto é bom um pouco de alegria. Aprendemos a fartura de nossos risos, na humildade de poucas ações.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Quê?! ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Desmoralização do Brasil ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Pena, piedade, comiseração ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Um pequeno príncipe sonhador ( Crônicas e Poesias - Fabiana Barros )

:: Tanto lá como cá ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Quero ser alguém na vida ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Tecido Social ( Crônicas e Poesias - Fabiana Barros )

:: Para onde vão as flores mortas ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Frutas podres na feira ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Decadências ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Forte, fortaleza ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Vida é algo que ainda nem sei. ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Crisálida ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Borboletas e poesia ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Bonecas de carne ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: A minha arte de lidar com o mundo ( Crônicas e Poesias - Fabiana Barros )

:: Eu, um privilegiado ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O rótulo da garrafa de vinho ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Não me provoquem depressão ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Eu quero ser adotado, por favor, me adote... ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo