-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Internacional
 
Jorge Azevedo

[ Jorge Azevedo ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Paisagista, Decorador, Professor e Poeta

 

Sem Kadafi, o mundo fica melhor?

A sociedade civilizada reclama a forma brutal como foi executado o líder líbio. Os direitos humanos exigem investigação. Não é possível que, em pleno século XXI um homem seja arrastado pelas ruas e sumariamente "assassinado" sem direito a plena defesa. Mesmo quando este homem executou e assassinou milhares sem nenhuma chance de defesa.

Kadafi construiu sua trajetória politica e humana em cima do ódio, do revanchismo. Criou inimizades dentro e fora das fronteiras do seu país. Massacrou pensamentos, ideias e ideais. Enlutou nações e famílias com seus atos e atitudes tresloucadas, insanas e torpes. E tudo isto para que? Poder ele tinha. Dinheiro tinha. Tinha um povo que o endeusava. O mundo o recebia como estadista. Era bajulado. O que mais poderia querer?

Contentasse em ser líder de uma nação rica e hoje estaria inscrito nos anais da história como o grande revolucionário da paz, mas não. Kadafi sonhava mais. Queria ser forte, além de valente. Queria ser dominador além de possessivo.

A Líbia conheceu o progresso na era de Kadafi. A Líbia modernizou-se, embelezou-se, conheceu o apogeu e o respeito do mundo externo às suas. A Líbia mergulhou no limbo da maldade humana na era Kadafi. Sonhando em ser dominador, mais temido que respeitado, começou a apoiar grupos terroristas. O solo sagrado da grande nação se vê de repente como lar de facínoras abraçados por um déspota alucinado que se veste orgiacamente de panos se vendo belo, admirado, amado e temido.

Ser temido antes de respeitado. Talvez esteja aí o grande erro de Kadafi enquanto líder e estadista aplaudido.

Kadafi armou um exército de guerrilheiros espalhando-os pelo mundo. O que fazer desta mílicia agora? A morte do grande chefe provocará o desarmamento sumário destas milícias ou o novo governo líbio requisitará esta força paramilitar para se integrar ao seu Exército? A Líbia viveu longo período sob o jugo de uma ditadura orquestrada por um tirano.

O grande trunfo para que a Líbia não se despedace é a educação do seu povo, a identidade de sua gente. Kadafi morreu. Ponto final. Se foi brutamente assassinado, se foi executado, a responsabilidade de julgamento será da história. Muitos líderes, falsos líderes que impõem sua autoridade pela força têm o fim buscado. A união e sociedade destes homens  com homens adeptos ao derramamento de sangue provoca iras e raivas. Cria inimizades egocêntricas e dinamiza o desejo de vingança.

Os grupos defensores dos direitos humanos estão fazendo o seu papel. Gritar, reclamar, exigir investigação sob os aplausos daqueles que defendiam bucolicamente o julgamento imparcial, por um tribunal parcial, de Kadafi. Os exemplos atuais da história moderna mostra que isto é fantasia. Hussein foi julgado e condenado por um tribunal imparcial? Sua morte foi injusta? O mundo ficou melhor após a era Hussein? 

Outro exemplo é Bin Laden, se é que ele foi morto realmente como a história quer contar. Assassinado ou executado por forças norte-americanas ele foi sumariamente julgado? Teve direito a ampla defesa? Balela de quem não tem palavras para serem ditas e nem voz para ser ouvidos. Kadafi buscou seu fim desta forma, pois, desta forma ele criou fim para muitas famílias, que, mesmo enlutada ainda, foram às ruas festejar a morte do grande tirano.

Poupem munições, defensores utópicos dos direitos humanos. Poupem munições e deixem Kadafi descansar em paz, se pode ter paz um espirito que provocou tantas guerras.

Morreu Kadafi, que viva plena uma nova Líbia, livre do jugo derrotista da ditadura  e mergulhada nos braços de uma democracia, quiçá, progressista e humanitária.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: A Propriedade Privada Intelectual e a Crise do Sistema Capitalista ( Internacional - Diego Grossi )

:: What to fight for? ( Internacional - Ana Paula Lisboa )

:: A morte de Kadafi foi o auge da Revolução Árabe? ( Internacional - Diego Grossi )

:: Sem Kadafi, o mundo fica melhor? ( Internacional - Jorge Azevedo )

:: Cadê honduras? ( Internacional - Nylton Batista )

:: 10 anos do 11 de setembro ( Internacional - Mauro Souza )

:: Tecnologia militar e soberania política: O exemplo da Líbia ( Internacional - Diego Grossi )

:: O direito de Gadhafi de governar ( Internacional - Sivaldo Venerando )

:: AAA/AA+ ( Internacional - Mario Villas Boas )

:: Xenofobia e humanidade não combinam ( Internacional - Paiva Netto )

:: Capitão América. ( Internacional - Isis Nogueira )

:: Pax Sinica ( Internacional - Mario Villas Boas )

:: O que a comunicação social não fala sobre Kaddafi. ( Internacional - Isis Nogueira )

:: Bin Laden Merecia Viver! ( Internacional - Jurandir Araguaia )

:: Osama Bin Laden, morto ou vivo? ( Internacional - Liana Herculano )

:: Será que Bin Laden morreu mesmo? ( Internacional - Jorge Azevedo )

:: O primeiro abril – a Revolução ( Internacional - Mauro Moura )

:: Muçulmana responde à questões polêmicas ( Internacional - Isis Nogueira )

:: Um Ato Trágico e Criminoso ( Internacional - José Ednaldo )

:: Um bom Exemplo ( Internacional - Mario Villas Boas )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo