-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Atualidades
 
Sivaldo Venerando

[ Sivaldo Venerando ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Incentivador e contribuinte das atividades culturais da União Carpinense de Escritores e Artistas.

 

Vítimas de clichês importados

Vladimir Maiakóvski pressentiu, já no século XIX, a necessidade de despertar contra as injustiças sociais. O poeta russo não foi o primeiro a pensar nisso, mas é preferível citá-lo, ante os pensadores marxistas, por seu desinteresse em controlar as massas através de discursos demagógicos.

Quase um século e meio depois, o comodismo é o anestésico na veia da sociedade brasileira, que não foi a da análise de Maiakóvski. Pouco importa se, “na primeira noite eles colherem uma flor do jardim”, ou se na “segunda noite”, mais atrevidos, “pisarem as flores, matarem o nosso cão”; o fato é que, como disse o poeta, “não dizemos nada”.

Nada dizemos (só pelos cantos das paredes) quando vemos os assassinos de nossos filhos em liberdade. Nada protestamos quando mentes doentias atentam violentamente contra um feto na barriga de uma mãe, como foi o caso de Rafinha Bastos contra a gestante Vanessa Camargo. Pelo contrário, nosso povo acha que ele é humorista...

Nossos “heróis” são superstars e até patrocinam a cracolândia. Esses promotores recebem aplausos delirantes do público pelos palcos do Brasil. Depois, qualquer programinha exibe uma defesa desses artistas, exímios patrocinadores do crime, e o povo aceita comovido; afinal são “grandes artistas”, ainda que cantem meras justaposições de palavras.

Em contrapartida, o protecionismo exagerado proíbe pais de educarem os filhos. Com a aprovação da Lei da Palmada, fica proibido qualquer tipo de castigo físico a crianças. Óbvio que o diálogo é a melhor opção para ensinar. Mas resta saber como serão educados os filhos quando necessitarem de uma advertência mais rígida.

 

aceitamos vários tipos de interferência no seio familiar e cada vez mais, nossos jovens e adolescentes têm suas vidas ceifadas. Como entenderemos que palmada é crime, se atentar contra o pudor é piada pra divertir?

 

O que vale mais, as dores nossas de cada dia, ou os malabarismos midiáticos? O fato é que, cada vez mais rimos de nossas tragédias e, em alguns casos, até sentimos certo alívio por ela não ter ocorrido conosco ou com nossos familiares.

Neste país se faz piada com tudo. A lei do “milagre da ascensão econômica” tapou ainda mais a visão da sociedade. Será que é tão atraente pagar duplamente para ter um pouco de educação ou saúde?

Por que tanta tendência em amar, apegar-se ao facilitarismo, ao imediatismo, quando há falência dos direitos básicos? O modismo exacerbado, seja no consumismo ou nos humores sem graça, puxa a sociedade para o caos.

As promoções da mudança cultural nos deixam sem fôlego. Somos conformados ao extremo: tardios para pensar e precipitados para aplaudir o besteirol dos hipócritas. Os clichês decadentes da imoralidade do velho mundo caem nas mentes impúberes, e encaixam-se como uma luva, um veneno mortífero, exterminador da ética.

 

 

Na verdade, o nosso povo tem uma queda pela desordem. Não demora muito e, um dia, um breve dia, “o mais frágil deles entra sozinho em nossa casa, rouba-nos a lua e, conhecendo o nosso medo, arranca-nos a voz da garganta. E porque não dissemos nada, já não podemos dizer” coisa alguma. E aí surge a pergunta: quando seremos nós mesmos?





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Tristen Kurilla, assassino de 10 anos de idade, pode ser condenado como adulto ( Atualidades - Wallace Moura )

:: A lei do cão ( Atualidades - Manoel Tupyara )

:: Everybody, macacada, very good, macacada ( Atualidades - Elisabeth Camilo )

:: Redução da maioridade Penal ( Atualidades - Gizelle Saraiva )

:: Chamar de macaco é racismo? ( Atualidades - Gizelle Saraiva )

:: Uma questão de Segurança Nacional ( Atualidades - Manoel Tupyara )

:: Projeto Criança Esperança: Um ato de amor ou de incompetência? ( Atualidades - Jorge Azevedo )

:: A prematuridade de um adeus ( Atualidades - Jorge Azevedo )

:: Deus é brasileiro ( Atualidades - Manoel Tupyara )

:: Decadência cultural ( Atualidades - Nylton Batista )

:: Segurança Pública no Brasil ( Atualidades - Gizelle Saraiva )

:: Voo MH17 - Quando a insensatez gera morte ( Atualidades - Wallace Moura )

:: Vade retro, Satanás ( Atualidades - Nylton Batista )

:: A morte de DG, do Esquenta, e ações “pacificadoras” das UPP, no Rio ( Atualidades - Cristiana Passinato )

:: Desapropriados da favela da Telerj no Rio, na Catedral ( Atualidades - Cristiana Passinato )

:: Páscoa: mero comércio? ( Atualidades - Cristiana Passinato )

:: Nós não merecemos ser estuprados, abusados, desrespeitados 01 ( Atualidades - Elisabeth Camilo )

:: Maré sitiada ( Atualidades - Cristiana Passinato )

:: Incultura como base ( Atualidades - Nylton Batista )

:: Mais austeridade ( Atualidades - Manoel Tupyara )