-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Cidades
 
Albino Sobrinho

[ Albino Sobrinho ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Instrutor de Meteorologia Geral e Operacional, de inglês técnico e de Tráfego Aéreo Internacional (TAI). Diretor pedagógico da EESD na Base Aérea e do Insight English Center.

 

Um condomínio imenso chamado Brasil!

No conDOMíNIO Brasil tem vários meios de conVIVÊNCIA, segundo as posses de cada participe. À margem dele, vivem os “Roofless” em casebres, choupanas ou barracos, à deriva da própria sina que, para não conturbarem a ordem interna, recebem benefícios da Administração Central. No interior, há mansões suntuosas, moradias decentes e inúmeras torres de apartamentos e departamentos: Os de luxo são enormes e ficam no topo; os confortáveis são grandes e ficam no meio, mas para os menos aquinhoados, que são maioria, o que lhes sobram mesmo são os ditos “apertamentos“ que ficam nos andares inferiores, ou em torres diferenciadas.

Os condôminos dessa imensa estrutura social são os grã-finos do topo, os caras-suadas do meio, ou da base inferior de cada torre, e os flagelados que são nômades,  dispersos pela marginalidade sistêmica. Eles nem têm eira, beira ou tri beira, portanto são tutelados de alguma forma pela gestão central do condomínio. Para alguns,  isso não passa de “peixe sem pescar” e se deixam levar pelo ócio; para outros, um bem necessário para os pobres desvalidos e sem meio de subsistência e condição de saúde para trabalhar.
 
Mesmo que todos, de uma maneira ou de outra, estejam sujeitos às taxas e às regras estabelecidas pelos condôminos e nômades, supervisionadas por síndicos ou “sínicos” escolhidos por eles democraticamente, sob a égide de um Regimento Interno excessivamente romântico, o benefício social dessas taxas não chega à proporção correta. Por isso, a situação caótica que está gradualmente tomando corpo no âmbito do condomínio vem se alastrando cada vez mais entre dominantes e dominados,  levando-o ao precipício da anarquia generalizada.
 
O ConDOMÍNIO Brasil, que deveria ser de luxo para todos,  está virando um cortiço desajeitado. Cada um tem sua colméia... Poucos vivem em favos de mel e muitos em favos de fel! O mel desses, produzido com muito suor e lagrimas na lida do dia-a-dia, escoa todo para os toneis dos síndicos, “sínicos” e da Administração Central para se fazer cumprir as normas do Condomínio através das assembléias gerais. Então com isso a vida está cada vez mais dura para os “caras suadas”! Eles têm que conVIVER com  Saúde em coma,  Segurança insegura, Educação mal educada, Ética mascarada (...)  Isso sem falar na Ordem-sem-ordem  dos “HAVE ALL”, desordeiros ou não, e na severidade da ordem  dos “HAVE NOTS” ou de pouca posse ordeiros. Pão para uns e Pau para outros!
 
Do jeito que a coisa anda, ou desanda, o que se pensava ser o Condomínio da Harmonia, da Prosperidade interna, do Respeito e da Esperança para índios, negros e mestiços - fossem eles caras suadas ou caras pálidas - pode vir a se tornar um Manicômio de desamparados pela falta de serviços essenciais, de justiça social,  de ordem e de progresso para todos. Os pomposos de colarinho branco, de toga preta, de tailler, de terno grã-fino ou de griffin estrangeiras que levam vida fácil em detrimento do sacrifício alheio, detentores  de salários exagerados ou de vultoso capital acumulado, bem como outros que se investem vaidosamente do abuso do poder, que se cuidem!...
 
A história se repete quando o pêndulo oscila, de acordo com uma situação adversa, entre os extremos no ciclo da vida. Num passado não muito remoto foram os sans-culottes; depois vieram os bolcheviques; no presente, são os descamisados, os sem-terra, os sem-trabalho e os sem-tetos que podem virar a banca e fazer uma nova história. Quem por ventura não está enxergando o rumo que a “Revolução dos turbantes” está tomando?!... Quem viver verá! Isso já é o sinal da “Novus ordo Seclorum”! Não precisa ser um visionário illuminatus para vislumbrar que o Annuit Coeptis já prenuncia o destino incerto do grande condomínio global que irradia suas manifestações perigosas para os demais pontos do planeta.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                         “PAZ NA TERRA AOS HOMENS DE BOA VONTADE”...   
                                                                                                                                                                    IN  GOD I TRUST!






Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Ariano Suassuna, Ouro Preto e a Cadela Branquinha ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: Exemplo a ser seguido pensando na segurança dos usuários de bancos ( Cidades - Wallace Moura )

:: Participe bella do 40º Festival de Inverno de Itabira ( Cidades - Mauro Moura )

:: Ouro Preto, Trânsito e a Casa da Mãe Joana ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: Segundas-Feiras em Ouro Preto: desmotivação para turistas e perda imensa de receitas a partir do turismo ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: Pra frente, Brasil. ( Cidades - Mauro Moura )

:: Viver em Ouro Preto ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: A Sociedade do Espetáculo II ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: PAC das Cidades Históricas, Itabira continua em esforço de guerra ad eternum ( Cidades - Mauro Moura )

:: Duplicação da BR 381, remendo em pano velho ( Cidades - Mauro Moura )

:: Itabira em esforço de guerra ad eternum ( Cidades - Mauro Moura )

:: Recife e Salvador são as cidades mais difíceis de conseguir emprego ( Cidades - Isis Nogueira )

:: O grande baile, as princesas e o príncipe da paz ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: Ouro Preto - A Cidade sem Semáforos ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: A SMACON e seus paradigmas ( Cidades - Mauro Moura )

:: Presente de final de ano ( Cidades - Mauro Moura )

:: Incêndios em Ouro Preto ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: Jardim de plástico ( Cidades - Mauro Moura )

:: Itabira precisa de dias melhores para sua Cultura ( Cidades - Mauro Moura )

:: O transito das grandes cidades é como a sala de nossa casa ( Cidades - Jorge Azevedo )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo