-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Educacao
 
Luisa Lessa

[ Luisa Lessa ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Uma estudiosa da vida, amante da ciência e dos bons textos.

 

A língua é obra do ser humano em sociedade

Observa-se que para a existência da sociedade há a necessidade de os seres humanos se comunicarem. Essa comunicação assenta-se na existência de um código. Por isso, o ser humano, predestinado a viver em sociedade, criou e desenvolveu sistemas de comunicação entre os quais está a língua. Nesse sentido, pode-se dizer, com o  linguista Eugênio Coseriu (1989), que a língua é um bem pessoal, na medida em que é um bem coletivo. A língua, portanto, não é propriedade de gramáticos ou linguistas, professores ou escritores. Desse modo, cada falante tem o direito de proclamar que a língua é sua. A língua, como sistema, segundo Ferdinand de Saussure (1987), é a parte da linguagem que existe na consciência de todos os membros da comunidade linguística, é a soma das marcas depositadas pela prática social de inúmeros atos de fala concretos.

No caso da língua portuguesa, sirva como elemento de reflexão o fato de que a grande maioria do seu léxico é latina, seja de modo direto, seja de modo indireto. Língua falada pelos mercadores, legionários, povoadores da Península, desconhecia os neologismos de Roma e continuava empregando aquelas palavras, que, na capital do mundo, já não eram mais correntes. Enquanto o latim escrito era difundido como um modo de preservação das instituições romanas, o latim falado, aberto às inovações, continuava paralelamente o seu desenvolvimento, diversificando-se numa multiplicidade de outras línguas que só guardaram uma parte do léxico do latim clássico, aquelas que chamamos as línguas neolatinas, ou as línguas românicas, produtos de sociedades diferentes que criaram essas línguas para a comunicação.

De acordo com Celso Pedro Luft (2001, p.68), a língua é como é, e não como deveria ser. A esse fato, Luft denomina realismo linguístico. Em sociedades econômicas, social e culturalmente heterogêneas, é inevitável a heterogeneidade linguística, mesmo com a existência de uma preocupação das instituições no sentido de tornar homogênea a variante linguística culta. A língua é uma questão de uso. Vale o que a comunidade de falantes tacitamente (raro explicitamente) determina que vale. A língua é auto-determinada pelos seus usuários. A língua constitui-se numa norma consuetudinária. Portanto, critérios como origem, lógica, autoridade não funcionam linguisticamente.

Justificando essa questão que envolve o uso da língua, o professor Celso Pedro Luft apresenta, como exemplo, um novo princípio, isto é, uma nova regra criada pelo modo brasileiro de dizer, no que se refere à sintaxe do verbo custar (no sentido de ser difícil): Algo custa a alguém é uma "questão de princípio" lógico-semântico: Custa à gente suportar o desemprego, o que equivale a Suportar o desemprego custa à gente. (Suportar o desemprego seria sujeito do verbo custar.) O brasileiro, no entanto, em relação a essa frase, diz: A gente custa a suportar o desemprego.

Ensinam as gramáticas que o verbo custar (no sentido de ser difícil) deve ser empregado na terceira pessoa do singular, tendo por sujeito uma oração reduzida de infinitivo. Tal verbo exige objeto indireto com a preposição a). Verifiquem que na realidade essa forma de dizer é muito mais comum do que a forma que tem um critério e um princípio lógico-semântico, que é a frase algo custa a alguém. Segundo o professor Celso Pedro Luft, essa questão é uma forma brasileira de dizer e é uma questão de uso. Encontramos, até mesmo em textos formais, a construção, digamos assim, brasileira de tratar em relação a esse verbo. Poderíamos encontrar várias situações semelhantes a essa construção. Pois é fato que a língua camoniana ganhou, no Brasil, um colorido muito especial.

 

DICAS DE GRAMÁTICA

LIMPO OU LIMPADO?

- A regra é clara. Usa-se limpo com os verbos ser e estar: estava limpo, será limpo. Usa-se limpado com os verbos ter e haver: havia limpado, terei limpado.

STRESS À BRASILEIRA

- Antigamente falava-se em estafa. Hoje temos a palavra inglesa stress que, porém, já está abrasileirada (ou aportuguesada, se preferirem). Quem quiser ficar estressado agora, sinta-se à vontade.

AH! AH-AH! AH...

A interjeição Ah pode expressar vários sentimentos. Surpresa: Ah, você veio! Duplicada, pode expressar confirmação de uma previsão: Ah-ah, eu sabia que você não viria! E também decepção: Ah... se você tivesse vindo...





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Última Flor do Lácio - Coma Profundo ( Educacao - Elisabeth Camilo )

:: A verdade que procuramos ( Educacao - Luisa Lessa )

:: O Brasil quer Educação de qualidade ( Educacao - Cristiana Passinato )

:: Como seria um mundo mudo? ( Educacao - Luisa Lessa )

:: Dever de casa ( Educacao - Roberto Bastos )

:: Acorda Universidade federal do Acre ( Educacao - Luisa Lessa )

:: As armadilhas da linguagem política ( Educacao - Luisa Lessa )

:: As Inteligências. ( Educacao - Roberto Bastos )

:: A leitura não é atividade gratuita de advinhações ( Educacao - Luisa Lessa )

:: Os Ensinos Médio e Superior não são o MOBRAL. ( Educacao - Roberto Bastos )

:: Grandes desafios para a educação do século XXI ( Educacao - Luisa Lessa )

:: Formação de bolhas sócio-culturais ( Educacao - Cristiana Passinato )

:: Questões de um começo cheio de esperanças ( Educacao - Cristiana Passinato )

:: O Brasil está fechando 8 escolas rurais por dia. Quem se importa? ( Educacao - Wallace Moura )

:: Preciosismo didático ( Educacao - Elisabeth Camilo )

:: Há uma única verdade ou múltiplas verdades? ( Educacao - Luisa Lessa )

:: O Rolesinho ( Educacao - José Roberto Pinto )

:: Ensinar a Língua Materna ( Educacao - José Roberto Pinto )

:: A educação e os concursos públicos. ( Educacao - Roberto Bastos )

:: Um dia, na infância, me ensinaram a saudade ( Educacao - Elisabeth Camilo )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo