-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em História e Literatura
 
Rejane de Souza

[ Rejane de Souza ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Revisora e supervisora de textos jornalísticos da Tribuna do Norte durante 10 anos.

 

Nisia Floresta: Alvissareira

Em pleno século XXI, e os ideais plantados pela escritora Nísia Floresta, desde o século XIX, são tão atuais e cristalinas como a água. Nísia viveu em uma época onde cabia somente ao gênero masculino o direito à educação e outros bens sociais e culturais. O papel dispensado à mulher era o de cuidar dos filhos, especializar-se em serviços domésticos e zelar pelo bem-estar da família e do marido. Entretanto, Nísia Floresta, nascida no povoado Floresta, antiga Vila Papary- RN, em 1810, quebrou com todos esses paradigmas.

De início, tentou seguir a tradição casando aos 13 anos de idade com jovem de conceituada tradição familiar, todavia o traço peculiar de sua personalidade já despontava, nessa fase, quando ela resolve se separar, com pouco tempo de casada, e retorna à casa de seus pais. Após a perda do pai, assassinado por motivação política em Olinda- PE, em 1828, ela conhece seu segundo e único amor Manuel Augusto, com quem tem dois filhos Lívia e Augusto. Nísia Floresta dedicou-se a maior parte de seu tempo à educação, às causas sociais e emancipação da mulher. Essa última sempre foi uma de suas principais preocupações, tendo em vista que, aos 22 anos, publica seu primeiro livro Direito das Mulheres e Injustiças dos Homens, em 1832. Ela era inconformada com a ausência de direitos para a mulher, conforme citação: “Certamente Deus criou as mulheres para um melhor fim, que para trabalhar em vão toda sai vida” (1832).

O livro aborda a situação em que as mulheres viviam, em seu tempo, praticamente enclausuradas e recebendo um nível de educação bem diferente ao dos homens. Essa publicação foi marcante para a trajetória de Nísia Floresta na luta pelos direitos das mulheres. Fruto, na verdade, de uma tradução de uma obra inglesa intitulada Vindication of the Rights of Woman, de Mary Wollstonecraft, cuja leitura teve grande influência no pensamento feminista da escritora potiguar. O livro publicado por Nísia constituiu-se em uma obra pioneira no Brasil no que se refere à abordagem do direito das mulheres ao estudo e ao trabalho, além da exigência de que fossem consideradas seres inteligentes e merecedoras de respeito na sociedade.

É importante, ainda, destacar que o livro Direito das Mulheres e Injustiças dos Homens elevou a escritora ilustre ao papel de primeira mulher a publicar, no Brasil, uma obra de cunho feminista. Diante disso, jogando um olhar sobre a situação atual da mulher, que além de ter acesso livre à educação em todos os níveis, tem assumido cargos de grande relevância nas áreas legislativas, jurídicas, executivas e privadas, e, mais recentemente, um fato inédito: a entrega do Prêmio Nobel da Paz a três mulheres que lutam pela paz e desigualdades sociais em seus países, não há como deixar de exaltar que os direitos e conquistas sociais que hoje o gênero feminino experimenta se devem à ousadia, à coragem, ao pioneirismo e ao espírito de luta de mulheres como nossa Nísia Floresta Brasileira Augusta.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Considerações literárias: diários, semanários e mensários...qual é a melhor escolha? ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Quinze de novembro de 1889 – O golpe da República e a interrupção do processo civilizatório. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A arte de viver só ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A desesperança em Wander Piroli ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: O mito da palavra Saudade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Cultura do hedonismo e o Vale+ Cultura ( História e Literatura - Mauro Moura )

:: Profissionais da História ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A riqueza dos hipônimos e dos hiperônimos ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Fábrica de Robôs ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: Da Família Imperial aos funcionários públicos: a destruição das imagens na História. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A simbologia da Páscoa ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: As línguas indígenas amazônicas: salvá-las ou deixá-las morrer? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Mitologia e História: E os heróis míticos. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Pequeno Inventário das Línguas Africanas ( História e Literatura - Antonio Carlos )

:: As palavras comandam a vida ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Rumo ao Colaborativo ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: Fotografia: arte e documento histórico. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Por que as palavras mudam de sentido no correr do tempo? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Os bens modelares de uma pessoa diante da vida ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Adicional de Insalubridade/Periculosidade na Dinamarca de Shakespeare ( História e Literatura - Antonio Carlos )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo