-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Atualidades
 
Jorge Azevedo

[ Jorge Azevedo ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Paisagista, Decorador, Professor e Poeta

 

Serei criminoso, o crime compensa

Chega ao final mais uma novela da Rede Globo de Televisão. E como de regra, a Globo deixa no ar a impressão de que desdenha da justiça no Brasil. Não é a primeira vez que os vilões das novelas da citada emissora, ou fogem, ou são mortos, ou simplesmente retornam zombateiramente "zoando" dos telespectadores que aguardavam, pelo menos na ficção, punição para os malfeitores.

Já vive a juventude do país sem exemplos positivos para espelhar-se. O que tem por aí? Corruptos, assaltantes se dando bem, traficantes desfilando sob áspide da justiça. A pirataria enriquecendo e dando status. A politica do Brasil está mesclada de maus elementos. A ficha suja é requisito para alguns alcançarem o apogeu profissional e financeiro.

A Rede Globo de Televisão é uma entidade formadora de opinião. Tem força suficiente para ditar a moda, vícios e costumes. Houve um tempo em que o adolescente colocava "X" em muitas palavras, pois, uma apresentadora "goxtava" de falar "axim" e isto influenciou de tal forma a gurizada que em muitas áreas da sociedade houve clamor contra "exte" mau exemplo.

Em Natal, uma criança de 6 anos, pesquisada sobre profissões, ao ser inquirida sobre o que sonhava ser quando crescesse, simplesmente respondeu "quero ser traficante". Pasma, a pesquisadora quis saber o motivo de tal escolha e a criança naturalmente respondeu que "traficante tem carrão, mora em casa bonita e namora com mulher de bunda grande". São estes os ícones que estão sendo criados pela sociedade moderna. São estas mentes que estão sendo formadas para amanhã dirigir o destino desta nação.

A Rede Globo de Televisão tem obrigação de mostrar discernimento na conclusão de suas estórias, responsavel que é pelos exemplos que dá. É inadmissível que crimes sejam colocados sem importancia e que a apreciação de vidas ceifadas não mereça uma punição exemplar para mostrar que a justiça existe e mesmo diante de tantos obstáculos e dificuldades atua sem importar-se com a classe social, cultural e financeira dos infratores.

Mais uma novela chega ao fim. Falcatruas e mais falcatruas foram praticadas. Estelionatos, falsificações, roubos, assaltos, promiscuidades entre outras infrações. Todos foram perdoados ou simplesmente a lei tornou-se cega diante de crimes claros e explicitos? Ser desonesto é predicado. É isto mesmo que a poderosa rede de televisão quer externar não punindo em suas ficções bárbaries provocadas?

O que foi mostrado na referida novela, em relação à atuação da policia foi uma critica ou uma constatação? Não houve prisão em todo o desenrolar da trama. A novela mostrou claramente o despreparo da força policial para enfrentar um problema, e a propria novela deixou claros para a policia não deixar acontecer muitos dos casos, como exemplo, a liberdade exarcebada da dupla Tereza Cristina/Ferdinando. Se a Globo não quisesse zombar da inoperancia policial, não seria o caso de, pelo menos um agente vigiar, fazer campana para acompanhar os passos da dupla?

O brasileiro não precisa de mais exemplos para o descumprimento das leis. Já têm, os brasileiros exemplos demais. Pastores de igrejas evangélicas agem impunemente, padres de sociedade católica agem impunemente, politicos e empresários agem impunimente. Policiais com a incumbencia de deter crimes cometem os crimes imcumbidos de evitar. Uma delegacia em Recife acaba de ser fechada pela justiça, pois, os seus policiais cometiam, exatamente, os crimes que a delegacia devia combater.

Quem tem a mídia, formadora de opinião nas mãos, tem a obrigação moral de exemplificar exemplos. Tem que ter força moral para mostrar aos jovens em desenvolvimento que o crime não compensa. Matar é feio, ardilar contra os bons costumes é pecaminoso e vil.

É tácito mostrar que a recuperação é viável e possível, quando se entra no submundo do crime, mas, não é preciso contaminar a lei com a certeza de impunidade. Já temos, os brasileiros, exemplos demais para levar nossa juventude às drogas, formação de quadrilha, prevaricação, prostituição, promiscuidade. Não é preciso novos exemplos.

Mais uma novela chega ao fim e o que está dizendo mentes em formação neste instante? O crime compensa, serei criminoso quando crescer.

 





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Everybody, macacada, very good, macacada ( Atualidades - Elisabeth Camilo )

:: Redução da maioridade Penal ( Atualidades - Gizelle Saraiva )

:: Chamar de macaco é racismo? ( Atualidades - Gizelle Saraiva )

:: Uma questão de Segurança Nacional ( Atualidades - Manoel Tupyara )

:: Projeto Criança Esperança: Um ato de amor ou de incompetência? ( Atualidades - Jorge Azevedo )

:: A prematuridade de um adeus ( Atualidades - Jorge Azevedo )

:: Deus é brasileiro ( Atualidades - Manoel Tupyara )

:: Decadência cultural ( Atualidades - Nylton Batista )

:: Segurança Pública no Brasil ( Atualidades - Gizelle Saraiva )

:: Voo MH17 - Quando a insensatez gera morte ( Atualidades - Wallace Moura )

:: Vade retro, Satanás ( Atualidades - Nylton Batista )

:: A morte de DG, do Esquenta, e ações “pacificadoras” das UPP, no Rio ( Atualidades - Cristiana Passinato )

:: Desapropriados da favela da Telerj no Rio, na Catedral ( Atualidades - Cristiana Passinato )

:: Páscoa: mero comércio? ( Atualidades - Cristiana Passinato )

:: Nós não merecemos ser estuprados, abusados, desrespeitados 01 ( Atualidades - Elisabeth Camilo )

:: Maré sitiada ( Atualidades - Cristiana Passinato )

:: Incultura como base ( Atualidades - Nylton Batista )

:: Mais austeridade ( Atualidades - Manoel Tupyara )

:: Credibilidade em estado de coma ( Atualidades - Manoel Tupyara )

:: 14 de Março: Dia Nacional da Poesia ( Atualidades - x - Contribuições )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo