-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em História e Literatura
 
Sivaldo Venerando

[ Sivaldo Venerando ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Incentivador e contribuinte das atividades culturais da União Carpinense de Escritores e Artistas.

 

O reencontro com a prosa de Osman Lins

O trato simétrico com as palavras no romance, no conto, nos ensaios e nas peças, fez de Osman Lins um grande nome da literatura na língua portuguesa. Como um artífice das frases, Osman procurou ser, acima de tudo, escritor. Não se conformava com o acaso, mas executava seu trabalho árduo na briga com as palavras, até obter delas o sulco meticuloso das letras.

É o autor de um dos mais belos romances de amor já editado na Língua Portuguesa. Avalovara traz um tema ecumênico e universal, em que os personagens se deixam reconhecer, sendo comparáveis a pessoas de qualquer parte do mundo.

Seus livros foram editados em idiomas como espanhol, inglês, francês, polanês, alemão e húngaro. Mas o autor ainda precisa ser redescoberto, principalmente em seu Estado de origem, Pernambuco. A prosa de Osman Lins está no mesmo patamar de Guimarães Rosa, Machado de Assis e do argentino Júlio Cortázar.

O consagrado escritor argentino chegou a escrever sobre o romance Avalovara do pernambucano: “Se eu tivesse escrito esse livro, poderia passar mais 20 anos sem fazer mais nada”, rendendo-lhe os maiores elogios. Aliás, essa parece ter sido a tônica das críticas feitas à obra de Osman Lins.

Osman se entregou completamente à tarefa da escrita. Atribuía isso a sua própria existência. “Eu já tive a oportunidade de dizer que a morte de minha mãe formou a minha vida como escritor, porque, metaforicamente, ser escritor é construir um rosto que não existe, um rosto imaginário”..., chegou a anotar.

O escritor nasceu em 05 de julho de 1924 em Vitória de Santo Antão. Aos dezesseis dias de vida, perdeu a mãe, Maria da Paz de Mello Lins, em decorrência de complicações do parto.  Frequentemente, Osman Lins mencionava desconhecer o rosto de sua mão, porque ela não deixou fotografia.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Ariano e sua eterna luta contra moinhos que não são de ventos. ( História e Literatura - José Flôr )

:: História das mentalidades: O Esperanto. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Coração da Mata ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: O redescobrimento do Heliocentrismo e da esfericidade da Terra. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Considerações literárias: diários, semanários e mensários...qual é a melhor escolha? ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Quinze de novembro de 1889 – O golpe da República e a interrupção do processo civilizatório. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A arte de viver só ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A desesperança em Wander Piroli ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: O mito da palavra Saudade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Cultura do hedonismo e o Vale+ Cultura ( História e Literatura - Mauro Moura )

:: Profissionais da História ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A riqueza dos hipônimos e dos hiperônimos ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Fábrica de Robôs ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: Da Família Imperial aos funcionários públicos: a destruição das imagens na História. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A simbologia da Páscoa ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: As línguas indígenas amazônicas: salvá-las ou deixá-las morrer? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Mitologia e História: E os heróis míticos. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Pequeno Inventário das Línguas Africanas ( História e Literatura - Antonio Carlos )

:: As palavras comandam a vida ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Rumo ao Colaborativo ( História e Literatura - Lecy Pereira )