-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Pais e Filhos
 
Roberto Bastos

[ Roberto Bastos ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Historiador, professor de História, monarquista, budista, ex-músico e eterno estudante de artes marciais.

 

O exemplo dos pais e os fabricantes de vagabundos.

Pai e filho na oficina

Quando somos pequenos, nos inspiramos em nossos pais, que eram nossos heróis de infância, principalmente, quando realizavam atividades laborais: manutenções, culinárias e etc.

Sempre queríamos ajudá-los, porque a atividade é algo atrativo para uma criança, às vezes, atrapalhávamos e, conseqüentemente, nossos pais brigavam conosco e pediam para que nos afastássemos. Às vezes nos ensinavam a tarefa e este era o momento mais importante, porque dava significado as nossas vidas, além de despertar o sentimento de utilidade, ou seja, nos sentíamos úteis

 

Filho ajudando a mãe na tarefa doméstica.

Porém, com as décadas de 1990 e as iniciais deste Séc.XXI, ocorreu um incentivo a não realização das tarefas domésticas e a repulsa ao mundo do trabalho. O que foi um grande erro, na criação de nossas crianças – uma verdadeira tolice.

Com pena de nossos filhos e pela “falta de tempo” não os incentivamos a realizar tarefas e nem despertamos neles a responsabilidade. Depois, “intelectuais”, Poder Judiciário, pedagogos e a televisão passaram a discursar que “a tarefa doméstica era exploração do trabalho infantil”. Com isso, retirou-se o propósito e desestabilizou a família.

 

Oclocracia

Os adolescentes passaram a exigir, arrogantemente, direitos excessivos, a culpabilizar os pais e o mundo pelas angústias sofridas e a se esquivarem de seus deveres e responsabilidades.

Não contentes, legislativo (deputados, vereadores e senadores), judiciário (Vara de Infância e Adolescência), “intelectuais” e pais pilantras esforçaram-se para tirar os jovens do mercado de trabalho, incentivando-os a serem sustentados infinitamente por seus pais e a viverem dentro das escolas, sem fazerem esforços para conquistar seus méritos.

O ócio é a oficina da mente maldosa, que os setores acima citados se esforçaram em construir. Assim como, a promulgação do E.C.A. (Estatuto da Criança e Adolescente), trouxe o sentimento de impunidade e arrogância, se achando acima da Lei de Causa e Efeito, acima da própria vida e acima do Bem e do Mal.

Hoje com a lei da palmada, tenta retirar o poder de correção dos pais, com isto teremos futuros meliantes, com as “bênçãos” e “proteções” do Estado/Governo e Judiciário.

 Trabalhar é uma obrigação, que dignifica as pessoas. O ócio é o verdadeiro crime, que fomenta a angústia, a ansiedade, a preguiça e leva aos descaminhos da vida (crime, caráter incorreto, vandalismo, ilusões, pensamentos errôneos, ações tortuosas, meios de vida incorretos e vicissitudes).

 

Preguiça

Por isso nossos filhos precisam de incentivo ao trabalho (serviço). Os motivos são:

1° - Filho de pobre precisa trabalhar para não cair na vida de crimes;

2° - Filho de rico precisa trabalhar para aprender a valorizar o que tem e a administrar o patrimônio, gerado pelos ancestrais;

3° - Filho de classe média precisa trabalhar para evitar a vida de crimes, administrarem seus recursos e a ser humilde.

 

Carteira de trabalho
Carteira do Patriarca





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Videogames: a consolidação do hedonismo. ( Pais e Filhos - Roberto Bastos )

:: E quando os filhos crescem o que a mãe faz ? ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: Quando a perda alheia nos modifica ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: Maldita Revolução Sexual – Parte 2 – O mal institucionalizado. ( Pais e Filhos - Roberto Bastos )

:: A diferença entre satisfação e felicidade ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: Casais sem filhos ou o momento históricos para tê-los. ( Pais e Filhos - Roberto Bastos )

:: O que dizer aos filhos quando eles atingirem a maturidade? ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: Conciliando o trabalho e a maternidade... ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: O consumismo na adolescência... ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: A juventude atual sabe lutar por espaço na vida? ( Pais e Filhos - Luisa Lessa )

:: Laços de ternura ( Pais e Filhos - Tom Coelho )

:: A etiqueta e nossos filhos ( Pais e Filhos - Roberto Bastos )

:: Aproveitando melhor o tempo ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: O preço do caráter ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: Pequenos Cidadãos? ( Pais e Filhos - Roberto Bastos )

:: O exemplo dos pais e os fabricantes de vagabundos. ( Pais e Filhos - Roberto Bastos )

:: Sofrimento de filho ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: Pais ensinam filhos a desrespeitar leis e éticas ( Pais e Filhos - Jorge Azevedo )

:: Família e o uso da genealogia (as raízes das sequóias). ( Pais e Filhos - Roberto Bastos )

:: As influências recebidas no convívio diário ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo