-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em História e Literatura
 
Mauro Moura

[ Mauro Moura ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Produtor Cultural

 

O 25 de Abril e a triste primavera de 2012

Ao completar 38 anos, este 25 de Abril será comemorado com uma tremenda dor no coração por aqueles que participaram da Revolução dos Cravos.

Passando um ano da tomada da situação econômica de Portugal pelo FMI, revendo o passado já não há muita coisa a comemorar em função de todas as perdas sociais que os portugas vêm perdendo ou sendo alijados pela precária situação econômica.

Feriados já caíram pela metade, cairão mais alguns e nem o 1º de Maio, Dia Mundial do Trabalhador, está resistindo à pressão. Abono/subsídio de férias só para 2015 e até a rescisão trabalhista, para os poucos empregos que há, está caindo pelas tabelas das médias ponderadas que não ponderam o bom senso da humanidade em favor da relevância do poder monetário.

MAC não significa muito a chumbar, apesar de está-lo acontecendo, e sim Maternidade Alfredo da Costa. A Maternidade Alfredo da Costa já está declarada morta, coitado do Dr. Alfredo da Costa, já não será mais lembrado pelos novos que há de virem à luz do mundo naquela casa hospitalar.

Dizem que lá deveria nascer mais 7.000 cidadãos por ano, porém os portugas não estão dando conta do recado ou não o querem. Ficando claro que as pessoas estão perdendo os empregos e muitos trabalham sem registro, os tais recibos verdes, além de a taxa moderadora social para atendimento na rede pública hospitalar ter subido no início do ano, ao ponto de ter reduzido em 50.000 usuários dos serviços de saúde.

Barcos para travessia do Tejo foram suprimidos vários horários, autocarros/ônibus até as 23:59 horas e o metrô somente até 1 da madrugada, forçando os alfacinhas a transitarem cada vez mais de carro particular e quem bate palmas com isto são os revendedores de combustíveis, que na ânsia de aproveitar da situação de outrem aumentam os preços nas bombas e nem dão satisfação a respeito, sem contar que o abastecimento é autoserviço, pois na Europa não há mais a função do bombeiro que trabalha com a bomba de combustível como acontece com o Brasil.

Estão prevendo mais cortes, tudo em nome da estabilidade financeira, principalmente a dos bancos privados, e na contramão da história e de todos os avanços sociais alcançados pelos portugas a partir do 25 de Abril de 1974.

Em minha vida já assisti a este filme por diversas vezes nos planos econômicos impostos ao Brasil pelo FMI entre os anos 1980 e 2000. Foram muitas vidas esfaceladas, famílias inteiras constrangidas com os desempregos ou subempregos dos chefes de família, Falta de investimento na infraestrutura básica do país por todo aquele período ocasionou o atual reflexo que sentimos nestes dias. Estradas “mau” conservadas provocando acidentes fatais, hospitais em estados deploráveis e superlotados, aeroportos congestionados e principalmente a falta de instrução dos brasileiros, que por conta disto amargam os piores empregos e ficando os melhores com os gringos, principalmente os portugas que até o presente momento têm realmente escola pública superior para todos.

A história está aí para todos que quiserem enxergá-la, principalmente estudá-la e perceberem que neste vai e vem dos apupos financeiros do mundo unicamente quem leva vantagem são somente os famigerados donos de Bancos, notadamente quando afirmam que dinheiro não tem alma.

Relembrando o Zeca e parafraseando-o, que venham mais cinco primaveras.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Ariano e sua eterna luta contra moinhos que não são de ventos. ( História e Literatura - José Flôr )

:: História das mentalidades: O Esperanto. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Coração da Mata ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: O redescobrimento do Heliocentrismo e da esfericidade da Terra. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Considerações literárias: diários, semanários e mensários...qual é a melhor escolha? ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Quinze de novembro de 1889 – O golpe da República e a interrupção do processo civilizatório. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A arte de viver só ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A desesperança em Wander Piroli ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: O mito da palavra Saudade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Cultura do hedonismo e o Vale+ Cultura ( História e Literatura - Mauro Moura )

:: Profissionais da História ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A riqueza dos hipônimos e dos hiperônimos ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Fábrica de Robôs ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: Da Família Imperial aos funcionários públicos: a destruição das imagens na História. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A simbologia da Páscoa ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: As línguas indígenas amazônicas: salvá-las ou deixá-las morrer? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Mitologia e História: E os heróis míticos. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Pequeno Inventário das Línguas Africanas ( História e Literatura - Antonio Carlos )

:: As palavras comandam a vida ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Rumo ao Colaborativo ( História e Literatura - Lecy Pereira )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo