-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em História e Literatura
 
Patrícia Cozer

[ Patrícia Cozer ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Professora de Inglês. Atualmente se prepara para obter o título de especialista em Literatura Latino-Americana.

 

Sexismo na Turma da Mônica

Não é nenhuma novidade ler ou ouvir sobre a repercurssão da Turma da Mônica na nossa sociedade. Nem hoje, nem ontem. É fato consumadíssimo que Mônica e sua turma acompanham gerações. Mauricio de Sousa é um gênio. Olha os parques de diversão, as banquinhas, a criançada rindo e se divertindo. Olha a expansão dos personagens, o alcance, a transformação. E da cultura de massas, ninguém quer falar? 

Como boa leitora dos gibis, tenho algumas propostas para apresentar. Descobertas que antes não pareciam realmente tentadoras, ou que, por comodismo, tradicionalismo ou qualquer outro "ismo" tenham sido abandonadas.  

Já reparou como, através dos quadrinhos de Mônica, podemos perceber modelos identitários que contribuem para a socialização de uma criança? Ou seja, as normas estão implícitas nas histórias e são absorvidas durante a leitura.

Chama a atenção algo aparentemente simples: a separação de cores. Uma marca divisória. As personagens femininas gostam de brincar de casinha, de rosa, de flor, de varrer a casa. Os meninos que fiquem com as brincadeiras ao ar livre, com as pancadas, os bermudões, os palavreados e, claro, a cor azul.

Não se sabe até que ponto as histórias da Turma podem influenciar de fato, ou se será preciso, quando adulta, uma estudante ler sobre feminismo para perceber o sexismo nos quadrinhos. O que importa é que ele se faz presente, às vezes até muito discretamente.

É preciso olho clínico e uma dose de descontração. Afinal, se fosse pra passar lição de moral ninguém leria gibi, não é mesmo? Chego a uma quase conclusão, sem ofensas: talvez Mauricio de Sousa não queria mesmo problemas. Desmistificar é tarefa complicada. Tão mais fácil manter os mitos! Pois lidar com as diferenças pode ser sinônimo de tudo, menos de diversão.     





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Considerações literárias: diários, semanários e mensários...qual é a melhor escolha? ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Quinze de novembro de 1889 – O golpe da República e a interrupção do processo civilizatório. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A arte de viver só ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A desesperança em Wander Piroli ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: O mito da palavra Saudade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Cultura do hedonismo e o Vale+ Cultura ( História e Literatura - Mauro Moura )

:: Profissionais da História ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A riqueza dos hipônimos e dos hiperônimos ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Fábrica de Robôs ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: Da Família Imperial aos funcionários públicos: a destruição das imagens na História. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A simbologia da Páscoa ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: As línguas indígenas amazônicas: salvá-las ou deixá-las morrer? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Mitologia e História: E os heróis míticos. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Pequeno Inventário das Línguas Africanas ( História e Literatura - Antonio Carlos )

:: As palavras comandam a vida ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Rumo ao Colaborativo ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: Fotografia: arte e documento histórico. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Por que as palavras mudam de sentido no correr do tempo? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Os bens modelares de uma pessoa diante da vida ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Adicional de Insalubridade/Periculosidade na Dinamarca de Shakespeare ( História e Literatura - Antonio Carlos )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo