-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Meio Ambiente
 
Fabiana Barros

[ Fabiana Barros ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Jornalista, contista, escritora e palestrante. Escreveu roteiros para televisão e cinema, além de musicais infantis. Autora de diversos livros.

 

O Desequilíbrio Ambiental

O desequilíbrio ecológico é um tema que faz parte do cotidiano de todo cidadão. A escassez de matérias-primas, a extinção de espécies da fauna e da flora são também motivos de preocupação para a sobrevivência do planeta. A poluição produzida pelo homem e a ganância dele por poder e exploração dos recursos da Terra estão esgotando o planeta.  Ao longo dos anos, o crescimento do progresso humano está diretamente relacionado à exploração e devastação do planeta.

O homem está transformando e danificando as paisagens naturais, desmatando as florestas e, com isso, destruindo o habitat de muitos animais, modificando e influenciando no clima e nas estações, além de comprometer a sua própria sobrevivência na Terra. Um exemplo disto é a destilação do petróleo, responsável pela riqueza e prosperidade de alguns exploradores. Ela multiplica a emissão de gás carbônico e outros gases na atmosfera terrestre comprometendo a qualidade do ar e provocando uma série de outros problemas e danos ao planeta.  O crescimento populacional é outro problema que precisa ser controlado.

A China, por exemplo, foi obrigada a controlar a taxa de natalidade para não colocar a sobrevivência do país em risco. Quanto mais pessoas nascem, maiores são as áreas para cultivo de alimentos, maior a quantidade de fertilizantes e inseticidas para acelerar a produção e a “qualidade” de frutas e verduras para abastecer a população, maior quantidade de água para matar a sede das pessoa. Os rios e lagos são contaminados pelos resíduos e lixo produzidos pelos homens, um maior número de bichos são domesticados e consumidos, favorecendo a extinção de algumas espécies e modificando todo o ecossistema natural. A quebra na cadeia natural de reprodução modifica completamente o equilíbrio ecológico. 

O desperdício é outro fator de grande contribuição para o desequilíbrio natural. Os produtos produzidos atualmente são geralmente descartáveis ou feitos para durarem pouco, para estimular o consumismo e alimentar as leis do capitalismo selvagem. E para onde vai todo este lixo? O ser humano produz, mas não reflete sobre o que fazer com os resíduos produzidos e, desta maneira, vai sobrecarregando o planeta de lixo e poluição. Os mares, lagos e rios estão virando depósitos de detritos. As doenças respiratórias estão aumentando, a cada ano, crianças nascendo com problemas pulmonares e ficando doentes com facilidade.

Os alimentos são produzidos com muitos conservantes, pesticidas, gerando doenças, alergias e diversos problemas de saúde para adultos e crianças que os consomem. Muitos agrotóxicos para manterem os insetos e as pragas longe das frutas e verduras, mas a saúde do homem é colocada em risco, em todo momento.  E os valores humanos? E a fé e a moral? Onde ficam? A falta de limites para devastar o meio ambiente também se reflete na ausência de respeito à vida humana, ao próximo. Muitos desperdiçam comida enquanto outros morrem de fome e de sede em diversas partes do planeta. O homem está abandonando sua veste humana e está se transformando no seu pior predador. Destruindo sua própria espécie em nome de uma ganância desmedida. Produz carros dos mais modernos e luxuosos modelos, roupas para enfrentar qualquer baixa temperatura e calor, mas não parece se importar em transformar o clima do planeta, comprometendo milhões de vidas.   O crescimento demográfico não caminha junto com o saneamento básico, com a infraestrutura, promovendo o aparecimento de comunidades que vivem com o esgoto a céu aberto. Periperi, Lobato e em bairros mais nobres como o Costa Azul, entre outros que sofrem com este grave problema de urbanismo. Não precisamos ir muito longe para detectarmos outros vários problemas.

Aqui em Salvador, um problema que está tomando grande proporção com pouca atuação dos governantes é a questão dos grandes engarrafamentos, do trânsito caótico e, consequentemente, provocando o aumento da produção de gás carbônico e a redução da qualidade do ar que respiramos. Os donos das concessionárias e o próprio Governo estimularam o consumo, a compra de veículos pelo cidadão baiano, mas esqueceram de tomar providências sobre as consequências que estas “facilidades de consumo” iriam provocar. Ruas esburacadas, asfalto de péssima qualidade que podem provocar acidentes, muitos carros para uma cidade que não comporta tanto movimento e número de veículos.  

Outro ponto que deve ser destacado é o crescimento do mercado mobiliário. Os donos das construtoras começaram a construir muitos prédios e condomínios em vários locais da cidade, principalmente na Paralela, devastando muitas áreas, derrubando árvores, modificando, transformando o ecossistema do local, o que trouxe problemas como o aumento do número de insetos como o barbeiro que invadiram edifícios no luxuoso condomínio de Alphaville. O trânsito na Avenida Paralela está cada vez pior e, mais movimentado, causando uma série de transtornos para quem transita por lá. Imaginem quando todos os novos moradores destes inúmeros prédios ocuparem seus novos lares? Depois dizem que o inferno é em outro lugar. O ser humano já está vivendo, vivenciando o caos do seu próprio egoísmo e crescimento econômico desenfreado. O progresso pode e deve andar de mãos dadas com a sustentabilidade do planeta, com medidas inteligentes que não destruam a arte de viver.

Está sobrando ambição e faltando inteligência emocional para lidar com problemas que poderiam não existir.  Não existe uma única fórmula para solucionar os diversos problemas ambientais que hoje a Terra sofre, padece, mas o primeiro passo para que a realidade se transforme em algo mais favorável para o próprio ser humano é ele, o homem, começar a exercer, de verdade, sua HUMANIDADE. Preocupando-se com o próximo, cuidando de si e do planeta, das espécies que são seres vivos, como qualquer um dos seus familiares. A compaixão e a solidariedade são outros importantes pilares para a reconstrução de um novo lar, de um novo planeta Terra e de uma cidade, de uma Salvador, mais bonita, mais limpa e com habitantes mais felizes e comprometidos com a qualidade de suas próprias vidas e com as vidas alheias também.

Não jogar lixo nas ruas, não jogar lixo nos rios para não provocar enchentes, consumir com inteligência e responsabilidade, ser prudente no trânsito para não provocar mortes e acidentes, não deixar a torneira aberta, enquanto escova os dentes, não demorar no banho, apagar as lâmpadas e equipamentos quando não os está usando. É assim que podemos fazer, construir um mundo, uma cidade, um lar melhor, nos comprometendo com o nosso cotidiano, sendo responsáveis pelo mundo que nos cerca... Somos uma espécie e não seres que nasceram sozinhos neste planeta chamado Terra.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Dia Universal da Água – 22/03 ( Meio Ambiente - Cristiana Passinato )

:: Escola Fisk inova ao converter material didático físico para ambiente virtual ( Meio Ambiente - Isis Nogueira )

:: Educação e Sustentabilidade ( Meio Ambiente - Antonio Carlos )

:: Ajude na preservação do meio ambiente ( Meio Ambiente - Sônia Jordão )

:: O Desequilíbrio Ambiental ( Meio Ambiente - Fabiana Barros )

:: O Período Quente Medieval ( Meio Ambiente - Mario Villas Boas )

:: Tietê, que te quero limpo ( Meio Ambiente - Pedro Cardoso )

:: Dá-me um copo d’agua, eu tenho sede ( Meio Ambiente - Mauro Moura )

:: Mudanças climáticas, breves comentários ( Meio Ambiente - Jorge Hessen )

:: Água: a matéria-prima para o consumismo capitalista ( Meio Ambiente - Igor Matos )

:: Acidente Ambiental em São José de Mipibu ( Meio Ambiente - Wallace Moura )

:: Haja saco! ( Meio Ambiente - Mauro Moura )

:: Desejo e Fome ( Meio Ambiente - Débora Paiva )

:: Derrame de petróleo Tristão da Cunha ( Meio Ambiente - Renan Alves )

:: Solidariedade ao Planeta Terra ( Meio Ambiente - Farid Houssein )

:: A vida de antigamente e o lixo ( Meio Ambiente - Sílvia Sena )

:: A casa de todos nós ( Meio Ambiente - Ana Paula Lisboa )

:: Herança Maldita - Usinas Nucleares ( Meio Ambiente - Mario Villas Boas )

:: Extinção em massa ( Meio Ambiente - Lecy Pereira )

:: Direito social ao meio ambiente ecologicamente equilibrado ( Meio Ambiente - Eliana Frantz )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo