-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em História e Literatura
 
Roberto Bastos

[ Roberto Bastos ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Historiador, professor de História, monarquista, budista, ex-músico e eterno estudante de artes marciais.

 

As Festas Juninas

Segundo alguns historiadores as origens destas comemorações são oriundas dos cultos pré-cristãos, que celebravam os ciclos lunares e solares, que estão ligados a vida agrícola, dos quais os homens daquela época estavam sintonizados.

Principalmente os períodos de colheitas e das mudanças das estações, em destaque os solstícios, que comemoravam as transições sazonais. Nestas comemorações que podemos observar as reminiscências do Culto ao Fogo, em que se acendiam as fogueiras e as saltavam por cima delas para celebrar o solstício de verão europeu e a vitória da luz sobre a escuridão.

Com o domínio do cristianismo, que em um primeiro momento perseguiu e recriminou, para depois adotar, pois esta manifestação cultural possui força e serão colocados nestas datas os santos /mártires da cristandade católica, principalmente a figura de São João Batista, antecessor de Jesus Cristo de Nazaré, que em virtude de seu nascimento.

São João Batista


Segundo o conto popular, Isabel, prima de Maria, mandou seu marido, Zacarias, acender a fogueira para avisar o nascimento de João, seis meses depois seria a vez de Jesus Cristo.

Como ocorreu uma assimilação dos cultos pagãos nas celebrações pode ser observado que durante o solstício de inverno (no hemisfério sul) realizam-se as comemorações referentes a São João Batista e outros santos, enquanto no solstício de verão (no mesmo hemisfério) é comemorado o nascimento de Jesus Cristo de Nazaré, que analogamente eram comemorações referentes às mudanças de estações.

Fogueira pagã

Embora tenham sido perseguidas, as comemorações e suas práticas, como a dança – quadrilha e dança de salão - recreações, comidas típicas, encenação de casamento caipira e adivinhações foram assimiladas pelas suas forças, em virtude disto as Festas Juninas perduram até os dias de hoje. E foram acrescentando hábitos e costumes dos povos no Brasil.

Casamento na roça

Apesar das danças terem sido uma prática originada pela nobreza, ocorreu assimilação e adaptação por parte da sociedade, que realiza em suas Festas Juninas a execução das danças, mas no lugar da fidalguia, com sua elegância, os executores da quadrilha junina são os caipiras, o sertanejo. Assim sendo, pode ser contemplado uma colaboração da nobreza e das classes altas na cultura. Portanto, esta é uma manifestação popular que ultrapassa o limite ou a idéia (ilusão) de classes.

Por isso as Festas Juninas são as mais populares de todas as festas, por sua força e tradição. Porém não só a Igreja Católica a assimilou como também foi adotada por outras linhas cristãs e outras religiões, com o objetivo de dialogar com a cultura vigente e com o povo.

Bandeiras de Festa Junina - Alfredo Volpi





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: A simbologia da Páscoa ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Mitologia e História: E os heróis míticos. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Pequeno Inventário das Línguas Africanas ( História e Literatura - Antonio Carlos )

:: As palavras comandam a vida ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Rumo ao Colaborativo ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: Fotografia: arte e documento histórico. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Por que as palavras mudam de sentido no correr do tempo? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Os bens modelares de uma pessoa diante da vida ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Adicional de Insalubridade/Periculosidade na Dinamarca de Shakespeare ( História e Literatura - Antonio Carlos )

:: Recomendo Martim Cererê ( História e Literatura - Marcelo Caetano )

:: O fim do cavalheirismo e a ascensão do feminismo radical. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Noções para adentrar na Tradição Oral em África ( História e Literatura - Antonio Carlos )

:: A importância da Linguagem no destino e na vida das pessoas ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Breve História da Língua Inglesa ( História e Literatura - Antonio Carlos )

:: Sobre as melhores coisas do mundo ( História e Literatura - Patrícia Cozer )

:: A presença francesa na língua portuguesa ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Independência!!!! Que independência?? ( História e Literatura - Wallace Moura )

:: Cultura, religiosidade e línguas africanas na Diáspora ( História e Literatura - Antonio Carlos )

:: Uma pequena revisão de literatura sobre a questão do negro no Brasil ( História e Literatura - Antonio Carlos )

:: Expressões discriminatórias relativas à afrodescendentes no Brasil ( História e Literatura - Antonio Carlos )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo