-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em História e Literatura
 
Marcelo Caetano

[ Marcelo Caetano ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Escritor, pianista clássico, jornalista. 12 livros publicados. Professor, filólogo e tradutor.

 

Todo (o) sentimento em todo (o) tempo

Todo o sentimento
(Bastos e Buarque, 2012)


Preciso não dormir
Até se consumar
O tempo da gente.

Preciso conduzir
Um tempo de te amar,
Te amando devagar e urgentemente.

Pretendo descobrir
No último momento
Um tempo que refaz o que desfez,
Que recolhe todo sentimento
E bota no corpo uma outra vez.

Prometo te querer
Até o amor cair
Doente, doente...

Prefiro, então, partir
A tempo de poder
A gente se desvencilhar da gente.

Depois de te perder,
Te encontro, com certeza,
Talvez num tempo da delicadeza,
Onde não diremos nada;
Nada aconteceu.
Apenas seguirei
Como encantado ao lado teu.

Depois de te perder,
Te encontro, com certeza,
Talvez num tempo da delicadeza,
Onde não diremos nada;
Nada aconteceu.
Apenas seguirei
Como encantado ao lado teu.

-


A poesia “Todo o sentimento”, escrita por Chico Buarque e Cristóvão Bastos, será encarada, nesta crítica, pela perspectiva imanente (cf. Todorov, 2009) do texto. Com isso, quero dizer que não observarei o chamado “sujeito intencional”, encarecido na estilística, nem a crítica biológica ou ontogenética da tessitura, nem buscarei intertextos (cf. Kristeva, 1977) ou dialogismos (cf. Bakhtin, 2000). Em outros termos, a análise aqui levada a cabo privilegia a captação de implícitos inconscientes do material poético e subjacentes a este, calcados, entretanto, numa pura materialidade composicional. Trata-se de, como na psicanálise discursiva (cf. Benveniste, 1991), chegar-se ao interior da realidade intersubjetiva (id. ib.) por meio da (e através da) concretude da inverossimilhança externa (cf. Aristóteles, 1974).


Farei, aqui, uma primeira análise, muito superficial, do corpus desse texto rico em significantes e significações. Não tenho a pretensão de esgotar o material estético aí presente, uma vez que minha análise ocorrerá tão somente na procura de significados e significações por meio do campo lexical articulado à sua semântica criada-criadora. Não observarei, quero dizer, filigranas tais como as antíteses, os paradoxos, as metáforas e outras figuras de linguagem, uma vez que, à minha proposição aqui, elas não tornariam mais claro o que tenciono demonstrar.


Iniciando, pois, a empreitada a que me propus, observo que o tema (horizonte, cf. Iser, 1980) da poesia não é o sentimento, como sugeriria, à primeira vista, seu título. O tema do poema é, antes de tudo, o tempo. Além do levantamento vocabular prolífico que me levou a essa conclusão, como mostrarei abaixo, há, no poema, até como causa e consequência do aludido levantamento, uma circularidade temporal que justifica minha escolha de eixo temático centrada no tempo.


Uma espécie de objeção que poderia surgir, aqui, diz respeito ao fato de que, por ser uma narrativa, o poema tem, necessariamente, o tempo como pano de fundo. Pretendo eu defender que, muito além de, neste poema, o tempo ser mero pano de fundo constitutivo inevitável das narrativas, é ele, sim, o protagonista de sua própria narrativa, um meta-tempo, portanto, sendo o Tempo e o Sentimento-EU+TU os personagens (respectivamente protagonista e antagonista) da trama ou narrativa poética. Aqui, sim, justifica-se (embora sem necessidade de justificativas...) o título da poesia: "Todo o sentimento": o título remete não ao personagem protagonista, mas ao antagonista (sentimento+EU+TU).


Um suprapersonagem ou suprapessoa, o "acontecimento", o "não-tempo" ou "supratempo", será uma espécie de "fada" (uso a etimologia do latim, "fata", feminino de "fato" ou "fado", o feminino que resolve os descaminhos do destino, a famosa "ironia do destino"; é ainda mais verossímil a presença mágica da fada no vocábulo "encantado", dos versos 24 e 31), que resolverá os deslizes que todo sentimento de EU+TU ocasionam a si mesmos, talvez com o fito último de retornarem a si mesmos e, enfim, redimirem-se de si mesmos.


Sobre o levantamento lexical supracitado, há muito mais palavras relacionadas à enunciação semântica de temporalidade do que à de um sentimento integral (ou à de sentimentos vários); seguindo-se da primeira à última estrofe, tem-se (repetirei vocábulos que o foram no texto):


“consumar”,
“tempo”,
“conduzir”,
“tempo”,
“devagar”,
“urgentemente”,
“último momento”,
“tempo”,
“refaz”,
"desfez",
“recolhe”,
“guarda”,
“outra vez”,
“até”,
“então”,
“depois”,
“tempo”,
“onde” (mostrarei abaixo como esse “onde” é temporal, num processo de gramaticalização),
“depois”,
“tempo”,
“onde”.


Outro passo, ainda no campo lexical, se dá com a gama vasta no paradigma de conjugações verbais presentes no texto. Além das três formas verbo-nominais (os infinitivos “dormir”, “consumar”, “conduzir”, “amar”, “descobrir”, “querer”, “cair”, “partir”, “poder”, “desvencilhar”, “perder”; o gerúndio “amando” e o particípio “encantado”), há o presente do indicativo (“preciso”, “pretendo”, “refaz”, “recolhe”, “bota”, “prometo”, “prefiro”, “encontro”), o pretérito perfeito do indicativo (“desfez”, “aconteceu”) e o futuro do presente do indicativo (“diremos”, “seguirei”). Com isso, o poema possui presente, passado e futuro, explicitados em suas respectivas conjugações gramaticais. Outra marca inexorável da temporalidade como fonte motriz do texto.



Sobre as "pessoas", há três delas dentro do poema (depois surgirá uma quarta, a fada, como disse eu acima, desdobramento/fato feminino de outra já existente; ver-se-á, também, uma quinta pessoa). Dessas três, por assim dizer, prOeminentes (mas não prEeminentes), duas se expressam por suas ações: as expressas pelo presente do indicativo, que são 1) o sujeito poético (EU, que também se expressa por um futuro; cf. "seguirei") e 2) o TEMPO (que também se expressa por um passado; cf. "desfez"): observe-se que tudo o que se FAZ é feito ou por um EU ou por um TEMPO.



A terceira pessoa é 3) o amante, que, em vez de ação, apenas diz algo, juntamente com o sujeito poético: cf. “diremos”. E, ainda mais, “não diremos nada”. Ou seja, o ser amado/amante, quando participa como pessoa do poema, não participa em ação, mas em discurso, e, ainda por cima, num discurso de ausência e silêncio: “não diremos nada”. Os únicos sujeitos do poema que realmente agem, que fazem ações, são o sujeito poético e o tempo (além, naturalmente, da mágica do supratempo).


(Há, também, como eu dizia, uma 4) suprapessoa do próprio tempo, a aludida quarta pessoa, a fada, expressa em “nada ACONTECEU”, que é um verbo impessoal, indicando, pois, temporalidade. Esta sim a fada do texto, uma vez que, como mágica de um feminino etimológico de fato ou fado, a fada/fata vem para resolver os ruídos perpetrados entre EU e TU.)


Ainda uma outra pessoa que surge no poema, uma quinta pessoa, é 5) o "amor", porém, um personagem que Oswald Ducrot (2012) chamaria de personagem do "discurso narrado", pois que só aparece inserido na narrativa do sujeito poético EU: é uma daquelas intravozes que Goethe, por exemplo em seu célebre "O rei dos elfos", tanto tecia e entretecia. Esse "amor", o mais passivo de todos os personagens, aparece narrado pelo sujeito poético, EU, quando cai "doente, doente", gerando, naquele sujeito poético, personagem que, no texto, só encontra correlato ativo com o tempo, como vimos, a necessidade e a consecução de "então [EU] partir / a tempo", conflito que tornará necessária a solução, cujo "encontro com certeza" (v.19) é o retorno.


Além desses fatores, outro, de cunho estrutural mais profundo, fez-me ver que o tema horizontal do texto é o tempo, e não o sentimento. O sentimento, nele, é, agora na perspectiva dos analistas do discurso franceses (AD), um cenário para o personagem principal, que é o tempo, repito. Esse fator é a percepção de que há, na poesia, três (ou dois) por assim dizer tempos de decorrência:


O primeiro, que vai de “Preciso não dormir” até “uma outra vez”. Podemos chamar a este momento de T1.


Em seguida, há um breve tempo, um segundo tempo, que vai de “Prometo te querer” até “desvencilhar da gente”, nessas duas pequenas estrofes intermediárias, onde, como numa sonata, a ambiência de alegria se nubla. Trata-se de T2.


Por fim, há o tempo que se dá de “Depois de te perder” até “ao lado teu”, o T3.


Disse eu, há pouco, que oscilo entre chamar de três ou dois tempos, uma vez que T1 e T3 são, na verdade, voltas ao mesmo ponto, e, numa circularidade cronológica, espiralada, que o pensamento grego, por exemplo, tanto enfatizava e amava, tudo retorna ao seu início, após a intercessão crua/curativa de T2.


O poema segue, portanto, uma forma circular, que os clássicos e neoclássicos tanto usaram em suas formas de sonata, e que José Lins do Rego, assumidamente, usou em seus romances: um allegro, um andante, e um rondó. T1, T2, T3. Também os contos de fada usam essa estrutura, quando tudo se inicia em relativa paz (porém já com prenúncios de conflito), seguindo-se a isso o conflito propriamente dito e, em seguida, a resolução (sempre por intermédio de forças mágicas) daquele conflito, restabelecendo-se a paz e a harmonia iniciais. Outra não é, aliás, a constituição dicotômica entre a Ilíada e a Odisseia: a saída de casa, a guerra (catábase ou hamartía, cf. Aristóteles, op. cit.) e o retorno a casa.


Esse início/retorno (T1) vinha profetizado com palavras na primeira estrofe, como “até se consumar / o tempo”, e "o tempo que refaz / o que desfez", o que prefigura que a perda e o desvencilhar da complicação de T2 se refarão, pela ação do tempo, no que o próprio tempo desfizera, constituindo-se, pois, a sua consumação final. Por essa razão é que T3 pode ser, na verdade, um retorno a T1, e que T1, portanto, não é o início do poema, mas sim o seu fim e a sua finalidade: um tempo de espera(nça) pelo retorno do que se tem a “certeza” (v. 26) de que “talvez” (v. 27) ocorra no “tempo da delicadeza” (talvez esse sim o tempo de fusão entre T1 e T3). Esse sim, o tempo da delicadeza, o lugar e o tempo “onde” (eis a gramaticalização a que me referi) início e fim se reencontram para sempre, após a catábase (ou hamartía) trágica da separação momentânea (e imperativa categórica, cf. Kant, 2011) de T2.


O tempo da delicadeza é um tempo sem complicações, ou, se as houver, um tempo onde as cinco pessoas, essas sim, todas e "todo/totalmente sentimento", preeminentes, ou seja, 1) o sujeito poético, 2) o tempo, 3) o amante e 4) o supratempo, além do próprio 5) amor convalescente/curado se fundem no tempo perfeito, o "tempo da delicadeza" (uma possível sexta pessoa e a terceira pessoa do Tempo), ao expressarem:


depois de [EU] TE perder
TE encontro com certeza
talvez no TEMPO
da delicadeza
[a sexta pessoa? terceira pessoa do Tempo]
onde [EU E TU] não diremos nada
nada [SUPRATEMPO] ACONTECEU [o amor não está mais doente]
apenas [EU] seguirei
como ENCANTADO [outro índice da mágica ocasionada pela fada do SUPRATEMPO]
ao lado TEU.

Pergunto eu, derradeiramente: esse TEU final seria a fusão de TU + EU = TEU?







REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ARISTÓTELES. Περ&8054; Ποιητικ&8134;ς. Madrid, Gredos, 1974

BAKHTIN, Mikhail. Dialogismo e construção de sentido. Campinas: Editora Unicamp, 2000

BASTOS, Cristóvão e BUARQUE, Chico. “Todo sentimento”, In: http://letras.mus.br/chico-buarque/45181/

BENVENISTE, E. Problemas de Linguística Geral I. 3 ed. São Paulo: Pontes, 1991.

DUCROT, Oswald. Le dire et le dit. Paris: Les editions de Minuit, 2012

ISER, Wolfgang. The Act of Reading: A Theory of Aesthetic Response. Johns Hopkins University Press, 1980

KANT, Immanuel. Kritik der reinen Vernunft. Berlin: Reclam, 2011

KRISTEVA, Julia. Polylogue. Paris, Seuil, 1977

TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Rio de janeiro: DIFEL, 2009.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Ariano e sua eterna luta contra moinhos que não são de ventos. ( História e Literatura - José Flôr )

:: História das mentalidades: O Esperanto. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Coração da Mata ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: O redescobrimento do Heliocentrismo e da esfericidade da Terra. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Considerações literárias: diários, semanários e mensários...qual é a melhor escolha? ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Quinze de novembro de 1889 – O golpe da República e a interrupção do processo civilizatório. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A arte de viver só ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A desesperança em Wander Piroli ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: O mito da palavra Saudade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Cultura do hedonismo e o Vale+ Cultura ( História e Literatura - Mauro Moura )

:: Profissionais da História ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A riqueza dos hipônimos e dos hiperônimos ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Fábrica de Robôs ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: Da Família Imperial aos funcionários públicos: a destruição das imagens na História. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A simbologia da Páscoa ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: As línguas indígenas amazônicas: salvá-las ou deixá-las morrer? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Mitologia e História: E os heróis míticos. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Pequeno Inventário das Línguas Africanas ( História e Literatura - Antonio Carlos )

:: As palavras comandam a vida ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Rumo ao Colaborativo ( História e Literatura - Lecy Pereira )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo