-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Jovens
 
Ana Paula Lisboa

[ Ana Paula Lisboa ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Estuda Comunicação Social, adora escrever e acredita na comunicação como formuladora de conceitos.

 

Educação financeira para crianças

Dinheiro não dá em árvore, mas se você souber guardar, planejar e usar com cuidado, dá para fazer notas e moedas frutificarem. Mas também é preciso gastar para comprar coisas que você gosta ou precisa, por isso, não é possível guardar tudo no cofrinho. Confira as dicas de alunos do ensino fundamental no Distrito Federal que fazem aulas de educação financeira para usar o dinheiro direitinho!


Perfil de consumidor: 6º ano do Centro de Ensino Fundamental I da Estrutural

Ezequiel Barboza, o caridoso
12 anos - Semanada: R$ 20
Dos R$ 20 que ganha de semanada, Ezequiel separa R$ 2 para dar para um amigo da rua dele que não tem muito dinheiro. Ele se identificou com alguns conselhos de Versinhos de prosperidade, de Álvaro Modernell:
— O livro fala que temos que economizar para ter um bom futuro e também para ajudar os que precisam. E é o que eu faço. Os pais do meu amigo não podem dar nada para ele. Eu me sinto bem de ajudar e ele também fica feliz.
Avaliação: O mais indicado é comprar uma coisa, como chocolate ou sorvete, em vez de dar o valor em dinheiro. Tome cuidado para que a pessoa não pense que é obrigação sua dar esse dinheiro.

Nicoly Macedo, a obsessiva por moda
11 anos - Mesada: R$ 20
Cofres de porquinho não duram muito com Nicoly. Ela já quebrou muitos, porque não consegue segurar o desejo de comprar coisas que estão na moda. Ela queria muito um tênis All Star e teve de juntar três mesadas para comprar.
— Quando quero comprar alguma coisa, fico pensando naquilo o tempo todo até dar um jeito de comprar. Sou gastadora como minha mãe. Sei que devia guardar mais, mas não consigo.
Avaliação: Nicoly tem o direito de satisfazer seus desejos e está certa de comprar. Ela não consegue juntar dinheiro porque a mesada dela não é grande. Negociar um aumento com os pais pode ajudar.

Alexander Pereira, o comedido

11 anos - não ganha mesada
Alexander só ganha dinheiro dos pais quando pede e só pede quando precisa. Da última vez, precisou comprar luvas de goleiro de R$ 50. Os pais deram o dinheiro. Quando ele pediu um videogame, teve que esperar um ano para ganhar.
— Quando peço dinheiro para comprar alguma coisa, sobra. Do que sobra, metade eu guardo no cofre, metade separo para alguma necessidade. Sou diferente da minha irmã, Joyce. Ela gasta tudo e pede muito mais dinheiro a nossos pais.
Avaliação: O ideal seria que os pais dessem uma mesada para o Alexander, para que ele não fique à mercê do "sim" ou do "não" deles na hora de comprar. Uma conversa com os dois para negociar uma mesada pode ser a solução.

Ketley Tayná Paiva, a dona de um tesouro
11 anos - não ganha mesada
Ketley queria ganhar mesada, mas não pode. Mesmo assim, consegue poupar com o pouco que consegue, de vez em quando, com os pais. Ela ficou encantanda pelo livro O tesouro do vovô:
— No livro, Dudu acha que o vô dele tem um tesouro porque ele não trabalha, mas tem dinheiro. No fim, o vô ensina que a receita é a aposentadoria e o dinheiro que ele guarda. Eu pareço com o vô, pois guardo muito dinheiro.
Avaliação: É ruim apenas gastar e é ruim apenas poupar. Gaste dinheiro com coisas que você gosta também. Quanto à mesada, explique aos pais o quanto é importante ter uma para aprender a administrar seu dinheiro.

Hildeberto Sampaio, o passado para trás
12 anos - Semanada: de R$ 10 a R$ 20
Hildeberto gosta de juntar dinheiro num cofre para comprar o que quer. A última aquisição foi um caderno de Os Vingadores, de R$ 35, e a próxima meta é um relógio. Nem todas as compras dele, porém, foram bem-sucedidas: gastou R$ 120 num celular falsificado que não funcionava:
- Foi horrível! Eu comprei com meu pai e quando voltamos lá para reclamar, o vendedor tinha sumido. Perdemos nosso dinheiro.
Avaliação: Bem-vindo ao mundo real, Hildeberto! Infelizmente, há muitos golpistas por aí. A experiência fica de lição: comprar coisas falsificadas é um barato que sai caro. Compre apenas em lojas autorizadas e que emitam nota fiscal.

Márcia Carmélia Barros, a seguidora dos pais
12 anos - Mesada: R$ 10
Apesar de dizer que não gosta de gastar, a mesada de Márcia sempre acaba antes do fim do mês. Ela sabe que deveria poupar, mas diz agir como os pais:
— Quando meus pais querem uma coisa, eles vão lá e compram. Não se importam muito se vão ficar apertados depois. Eu devia guardar mais para ter dinheiro no futuro, mas acabo gastando, pois sempre tem algo que eu quero comprar.
Avaliação: Quando se ganha pouco é difícil poupar, então, garanta que você compre apenas coisas que valem a pena. Também seria bom negociar um aumentinho de mesada de R$ 5 ou R$ 10 com os pais.

Perfil de consumidor: 5º ano do Colégio Presbiteriano Mackenzie

Sabrina Braga, a consumidora arrependida

10 anos - Mesada: R$ 20
Sabrina Braga costuma comprar brinquedos com o dinheiro que ganha todo mês e guarda a maior parte para comprar um carro no futuro. Mas, quando gasta além da conta, bate o peso na consciência:
— Eu me arrependo de ter comprado algumas coisas, pois nem uso mais, e poderia ter guardado aquele dinheiro.
Avaliação: Para não ficar com a consciência pesada, o jeito é pensar duas vezes antes de comprar. Também vale conversar com os amigos ou com os pais e esperar alguns dias para ver se o desejo de comprar permanece.

Leonardo Muhammad, o precavido
10 anos - Não ganha mesada
Quando precisa de dinheiro, Leonardo pede para algum dos oito familiares que moram com ele. Depois de ler Quem quer dinheiro?, ele se considera um bom tipo de consumidor:
— Meu sistema é parecido com o do livro, que indica que as pessoas guardem, no mínimo, uma quantia igual a que vão gastar. Tem que usar o dinheiro com cuidado. As pessoas não podem só gastar, tem que poupar também.
Avaliação: Leonardo é um exemplo nato de boa educação financeira. O ideal a ser feito é realmente guardar o mesmo tanto de dinheiro que vai gastar.

Arthur de Menezes, o consumista

10 anos - Mesada: R$ 100
Arthur de Menezes admite que gosta de comprar. Com a mesada de R$ 100 que recebe do avô e os R$ 20 que ganha do pai para comprar lanche toda semana, ele realizou sonhos de consumo.
— Ano passado, juntei a mesada de todos os meses e comprei um iPad. Normalmente, eu sempre compro alguma coisa que eu quero no fim do ano. Este ano fiz diferente, estou pagando um iPhone à prestação.
Avaliação: Arthur está de parabéns por ter conseguido juntar a mesada por um ano inteiro! Fica o conselho de que não vale a pena comprar à prestação por causa dos juros. Quem paga à vista, sempre paga mais barato.

Luna Sampaio, a negociadora
10 anos - Mesada: R$ 400
A mesada de Luna é beeeem gorda: R$ 400 por mês. É tanto dinheiro que ela não sabe com o que gastar e costuma apenas guardar. Depois de ler A árvore dos sonhos, ela viu que é importante gastar também. Uma das habilidades de Luna é pechinchar:
— Aprendi com minha mãe, que é empresária, a barganhar. Quando fui à praia consegui comprar um cachorro de brinquedo que custava R$ 15 por apenas R$ 5.
Avaliação: Pechinchar é uma forma de fazer o dinheiro render. Pesquise preços, compare e negocie antes de comprar. Não precisa ter vergonha de pedir desconto, tem que ter vergonha é de não saber usar bem o dinheiro.

Henrique Telles, o avaliador
10 anos - Semanada: R$ 20
Henrique adora estudar matemática e sabe administrar bem seu dinheiro. Para economizar, prefere levar lanche de casa para a escola, em vez de comprar comida na cantina:
— Eu comprei até uma televisão com meu dinheiro, e nem ganho tanto assim. A dica é não gastar sem pensar, tem que avaliar bem antes de comprar alguma coisa.
Avaliação: É muito inteligente levar o lanche de casa em vez de comprar na cantina: pode ser tão gostoso quanto e ainda economiza. Parabéns Henrique!

Beatriz Lustosa, a sem limites
10 anos - Não ganha mesada
Beatriz ganha dinheiro para comprar lanche na escola todo dia. E não tem mesada porque não quer. Guarda todo o dinheiro que ganha em quatro cofrinhos no quarto dela:
— Prefiro não ganhar mesada porque aí posso pedir para meus pais comprarem coisas para mim na hora que eu quiser.
Avaliação: Não ganhar mesada é muito cômodo, porque a Beatriz ganha tudo que quer, não tem limites. Só recebendo mesada a criança aprende a administrar o dinheiro e a ter limites.

Avaliações feitas por Álvaro Modernell

10 dicas de como gastar bem

O consultor financeiro Álvaro Modernell começou a se interessar pela educação financeira para crianças em 2002, com o nascimento do primeiro filho. De lá para cá, escreveu dez livros sobre o tema. Confira dicas dele para fazer a mesada e outras economias renderem:

1 - O maior segredo é ter dinheiro de reserva. Sempre guarde uma parte para aproveitar oportunidades.

2 - Seja esperto na hora das compras. Pesquise, compare e peça desconto.

3 - Gaste bem. Evite comprar por impulso coisas como brinquedos caros e descartáveis.

4 - Cuidado com álbuns, coleções e outros papa-mesadas. Nada de exageros.

5 - Compartilhe brinquedos e eletrônicos com seus irmãos. Desse jeitoambos aproveitam mais.

6 - Cuide bem de brinquedos, material escolar e roupas. Assim dá para negociar aumento de mesada.

7 - Cofrinho e conta de poupança: quem não tem ainda, está perdendo tempo.

8 - Para trocar moedinhas por notas, vá a padarias e mercados. Negocie um chocolate a mais pelas moedas.

9 - Quer aprender brincando? Jogue com os pais o Jogo da Vida, Banco Imobiliário, Jogo da Mesada.
10 - Livros e fábulas são ótimos professores. Aprende-se muito no virar de páginas.

 

Matéria publicada no Super! (suplemento infantil do Correio Braziliense) em 8 de setembro de 2012.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: A Internet e a infância ( Jovens - Jorge Hessen )

:: A linguagem do caipira brasileiro ( Jovens - Carlo Dionei )

:: Perseguindo suas metas pessoais ( Jovens - Carlo Dionei )

:: Mantendo os pratos em movimento... ( Jovens - Carlo Dionei )

:: Educação financeira para crianças ( Jovens - Ana Paula Lisboa )

:: Amigos de verdade ( Jovens - Carlo Dionei )

:: Escolhas e renuncias na juventude ( Jovens - Julio de Azevedo )

:: A evolução do conhecimento na linha do tempo ( Jovens - Carlo Dionei )

:: Em busca do Super-Homem ( Jovens - Igor Matos )

:: A desculpa da tradição e a praxe em Coimbra ( Jovens - Patrícia Cozer )

:: Intercâmbio forçado ( Jovens - Ana Paula Lisboa )

:: Cursos de gastronomia ganham popularidade entre os jovens ( Jovens - Ana Paula Lisboa )

:: Julgando os erros alheios... ( Jovens - Carlo Dionei )

:: Experiências longe de casa ( Jovens - Patrícia Cozer )

:: Drogas ( Jovens - Abilio Machado )

:: Conduta induzida ( Jovens - Carlo Dionei )

:: Palavra ao pé de orelha aos meninos adolescentes ( Jovens - Abilio Machado )

:: Mentoring e a formação da próxima geração ( Jovens - Ivan Postigo )

:: Construir pontes entre alunos e professores ( Jovens - Cíntia Vilani )

:: L, o tipo que continua mau ( Jovens - Mauro Moura )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo