-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em História e Literatura
 
Luisa Lessa

[ Luisa Lessa ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Uma estudiosa da vida, amante da ciência e dos bons textos.

 

As línguas indígenas amazônicas: salvá-las ou deixá-las morrer?

Fala-se, aqui, sobre a extinção daslínguas no mundo. Em particular, comentários sobre o desaparecimento de muitas línguas amazônicas. A argumentação está embasada na estatística de que, hoje, entre 50% e 90% das cerca de 6 mil línguas faladas ao redor do globo poderão desaparecer, ainda neste século, se nada for feito. É algo assustador para estudiosos e curiosos, mas uma verdade da qual ninguém pode fugir. As línguas amazônicas estão em rota de extinção. 

Mas por que isso aconteceria? Porque a humanidade caminha para um nivelamento cultural onde existe predomínio de culturas mais fortes de nações poderosas. Esse fato ocasionará uma transformação cultural dos costumes tradicionais para uma nova cultura, uma vez não existir língua sem cultura. Existirá, ao mesmo tempo, as duas culturas: a tradicional e a dominante. Aos poucos, esses povos tradicionais vão perder a identidade cultural, isso em decorrência da transformação na proposta de vida, psicológica, social e cultural. Mas observe o leitor que essa inquietação sobre a morte de muitos idiomas não vem de hoje. É uma das preocupações da ONU, especificamente por meio do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA). A ONU entende que a liberalização dos mercados do mundo é, talvez, a chave do crescimento econômico para países ricos e pobres, todavia isso não pode ser feito em detrimento de milhares de culturas indígenas e de suas tradições. É preciso, assim, cuidar e preservar as culturas do mundo que se traduzem pelas línguas. Logo, cuidar das línguas é um dever da humanidade. 

A UNESCO, também, preocupada com o desaparecimento de muitos idiomas, reuniu um grupo de "experts" para elaborar um plano de salvamento das línguas. Esse grupo tem como integrante a respeitável especialista Colete Grinevald, pesquisadora do Laboratório Dinâmica da Linguagem, da Universidade de Lyon. Sobre as medidas a serem tomadas, diz ela: "é preciso preservar o território das comunidades e proteger suas terras, para que elas possam continuar a viver no seu ambiente. 

Esse negócio de criar escolas e implantar cursos bilíngües é folclore da Walt Disney". Ela entende ser preciso lutar contra a aculturação e não deixar que as tribos indígenas se tornem monolíngües, abandonando sua cultura em prol daquela que seja dominante. Também a Inglaterra e a Alemanha, a exemplo de alguns países, têm despendido recursos em prol do ‘salvamento’ de muitos idiomas. Ressalta-se o Programa de Documentação de Línguas Ameaçadas, ligado à Universidade de Londres, que financia, com recursos do Lisbet Rausing Charitable Fund, 21 projetos, em todo o mundo, para o estudo de línguas em extinção. Na Alemanha, a Fundação Volkswagen financia projetos de documentação de línguas ameaçadas de extinção. Nesses países o Museu Emílio Goeldi foi apanhar dinheiro para o salvamento de cinco línguas do tronco Tupi. Vêm-se, então, haver recursos disponíveis ao salvamento de muitas línguas e culturas. O que falta, me parece, são instituições e pessoas interessadas em resgatar e preservar esses ambientes linguísticos e culturais. 

Por isso mesmo sugeri, tempos atrás, a criação de um “Centro Amazônico Cultural e Linguístico”, que abraçaria especialistas imbuídos na tarefa de armazenar banco de dados para o estudo e salvamento dessas culturas linguísticas em processo de extinção. Esse ‘Centro Amazônico Cultural e Linguístico’ teria a tarefa de estudar aspectos fundamentais da cultura linguística regional. 

A questão primeira seria a valorização das línguas nativas, pois ninguém gosta de falar uma língua que não tenha prestígio cultural. A partir de então seriam implementadas políticas para evitar o fenecimento desses idiomas. Aspecto essencial é o armazenamento de banco de dados capaz de responder indagações de natureza linguística, antropológica, social e cultural. Logicamente as pessoas devem estar imbuídas de boa vontade, com ações e interesses globais, pois atitudes particulares não conduzem ao sucesso. Então, assim como grande parte da população indígena foi exterminada no Brasil - Colônia, da mesma forma vem acontecendo a muitos idiomas nativos, ameaçados de extinção em curto prazo, devido ao número reduzido de falantes e baixa transmissão à nova geração.

Contribui à continuidade desse extermínio, a perda de territórios e a falta de documentação e registros escritos que possibilitem o estudo dessas culturas. E mesmo que uma língua ainda tenha um número razoável de falantes e pareça saudável, o declínio é inevitável caso seu status seja inferior ao do idioma competidor. Portanto, uma ação política se faz inadiável ao salvamento de muitas línguas amazônicas. É preciso fazer levantamento nacional para determinar os fatos relevantes sobre cada língua e a sua situação E essas ações devem ser vigorosas e rigorosas, sem a utopia de revitalização por meio de listas de palavras, pois uma língua é mais do que isso, uma língua traduz a alma e cultura de um povo. 





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Remanso da vida ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Ter bons amigos é ter mais saúde e felicidade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Um olhar sobre o ensino de português ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: O português é uma realidade monolítica no Brasil? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: História Cultural: o Rock n’ Roll brasileiro da década de 1980. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Década de 1970 – O contexto musical do Brasil: o Estrangeirismo. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: O que é a verdade? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Epiteto: Filósofo e escravo. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Apreciação literária: Paz Guerreira de Talal Husseini. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Ariano e sua eterna luta contra moinhos que não são de ventos. ( História e Literatura - José Flôr )

:: História das mentalidades: O Esperanto. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Coração da Mata ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: O redescobrimento do Heliocentrismo e da esfericidade da Terra. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Considerações literárias: diários, semanários e mensários...qual é a melhor escolha? ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Quinze de novembro de 1889 – O golpe da República e a interrupção do processo civilizatório. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A arte de viver só ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A desesperança em Wander Piroli ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: O mito da palavra Saudade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Cultura do hedonismo e o Vale+ Cultura ( História e Literatura - Mauro Moura )

:: Profissionais da História ( História e Literatura - Roberto Bastos )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo