-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em História e Literatura
 
Lecy Pereira

[ Lecy Pereira ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Performer, agitador cultural, auxiliar de biblioteca e escriba nas horas vagas...

 

A Fábrica de Robôs

Confesso que saí meio autômato de "A fábrica de robôs"(1920), livro de Karel  Tchapek, renomado autor tcheco que criou a palavra "robô", tão conhecida ao redor do mundo. O livro é traduzido por Vera Machac, tradutora juramentada da Junta Comercia de São Paulo.

Então, devemos temer os robôs? Ao ler essa peça teatral de Karel, nada mais shakespereano, penso que sim. É um livro de fácil leitura? Hmmm, deixe-me ver, depende do nosso conceito de dificuldade. E onde eu falo "nosso", estou me referindo à individualidade da mônada como bem abordou o grego Platão, pelos idos de Antes de Cristo(não confundir com anticristo, please).

Sinceramente, não é nada confortável saber que estamos superados pela inteligência artificial, mesmo antes do nosso ritualístico fim biológico. Mas se o problema é comparar, basta lançarmos um olhar para o que se passa no universo. Pronto. Estaremos definitivamente humilhados e feridos em nosso orgulho de seres "superiores". O universo desmistifica qualquer conceito de grandeza individual.

Tchapek nos assombra com seu estilo de teatro do absurdo semelhante a Edward Albee com o seu, inesquecível, "Quem tem medo de Virgínia Woolf". O  mundo onde máquinas e homens vivem felizes para sempre  parece não caber no planeta Terra. A substituição do trabalho humano pelo trabalho robótico, aos poucos se transformando numa substituição full time. Está criado o cenário (tudo a ver com teatro) para calorosas discussões existencialistas. Os robôs proporcionarão um mundo melhor de se viver para todos, sem distinção? E, uma vez, fazendo tudo que caberia aos humanos, o que mais eles reivindicarão ao superar qualquer inteligência mamífera? Seríamos todos meio personagens de Tchapek? Todos saídos da fábrica Robôs Universais Rossum?

Como uma das piores coisas que um mesorresenhista pode fazer é dar o spoiler completo de um livro, fica a quem se aventurar a ler, a esperança ou o elemento que, de alguma maneira, poderá nos salvar de nós mesmos, segundo o autor. Medo...





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: A arte barroca. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Remanso da vida ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Ter bons amigos é ter mais saúde e felicidade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Um olhar sobre o ensino de português ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: O português é uma realidade monolítica no Brasil? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: História Cultural: o Rock n’ Roll brasileiro da década de 1980. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Década de 1970 – O contexto musical do Brasil: o Estrangeirismo. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: O que é a verdade? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Epiteto: Filósofo e escravo. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Apreciação literária: Paz Guerreira de Talal Husseini. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Ariano e sua eterna luta contra moinhos que não são de ventos. ( História e Literatura - José Flôr )

:: História das mentalidades: O Esperanto. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Coração da Mata ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: O redescobrimento do Heliocentrismo e da esfericidade da Terra. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Considerações literárias: diários, semanários e mensários...qual é a melhor escolha? ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Quinze de novembro de 1889 – O golpe da República e a interrupção do processo civilizatório. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A arte de viver só ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A desesperança em Wander Piroli ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: O mito da palavra Saudade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Cultura do hedonismo e o Vale+ Cultura ( História e Literatura - Mauro Moura )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo