-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em História e Literatura
 
Roberto Bastos

[ Roberto Bastos ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Historiador, professor de História, monarquista, budista, ex-músico e eterno estudante de artes marciais.

 

História das mentalidades: O Esperanto.


 Durante o Séc. XIX foram expostas muitas idéias em concomitância com outros fenômenos históricos entre eles as fundações das seitas cristãs, do Espiritismo-cristão, de ordens de mistérios, descobertas científicas, invenções tecnológicas, segunda Revolução industrial, contato com o oriente, nascimento do nacionalismo, unificação da Alemanha e da Itália, processo de independência das Colônias espanholas e portuguesa nas Américas, o espectro da Revolução Francesa, a implementação do Poder Moderador na política e a defesa do abolicionismo.

Entre esta dinâmica ocorrência de fenômenos oitocentistas, que influenciaram fortemente o Séc. XX e a Idade Contemporânea1, surgiu a idéia de um jovem idealista de nacionalidade russa, Ludwig Lejzer Zamenhof2, que movido pelo sentimento de humanismo, compaixão e vontade de resolver os problemas do cotidiano de sua cidade, Bialystok, em que haviam diversos povos com línguas diferentes, que dificultava a compreensão naquele momento.


Tal dificuldade moveu o jovem Zamenhof a criar um língua auxiliar neutra para fins facilitar as comunicações e o cotidiano dos povos estrangeiros em outro país. Desta forma podemos observar que as dificuldades geraram necessidades que promoveram um movimento por parte do jovem Zamenhof para solucioná-las.

Lançando em 26 de julho de 1887 o primeiro livro - Lingvo Internacia – com suas próprias economias em virtude de não encontrar um editor para publicar a sua obra e apoiar a sua idéia3. Porém este não foi o primeiro obstáculo, pois seu pai na juventude o tentara demovê-lo desta idéia solicitando que ele fizesse o curso de medicina para depois retomar seu projeto. Sendo que ao retornar para casa o pai de Zamenhof havia jogado fora o seu trabalho. Mas este jovem idealista retomou com força maior o seu projeto.


Para os que não conhecem o Esperanto foi a união trabalhada de línguas indo-européias composto por um alfabeto latino modificado em que cada letra possui som, embora estivessem excluídas as letras q, w, x e y, se mostrou muito pragmático e funcional. Contudo, neste presente artigo não entraremos em detalhes gramaticais e lingüísticos. Mas, tem sido adotado largamente por grupos e foi aprovado pela ONU como uma língua neutra.

Entretanto não é muito utilizada em virtude da ocorrência de duas Guerras Mundiais que marcaram o planeta no Séc. XX e do impedimento de países e governos anglófonos, mais precisamente os E.U.A., a fim de manter a hegemonia cultural e sua influência política e comercial no mundo pós-guerra (Segunda Grande Guerra Mundial), sepultando desta forma o esforço para propagar esta Língua franca internacional – Lingvo Internacia4 -, pois poderá colaborar muito com a diplomacia.


Pois a proposta inicial e atual desta língua franca é manter as línguas originais de seus países respeitando suas nacionalidades e suas culturas respectivas, apenas utilizando uma língua neutra para a comunicação entre as pessoas de diversas nacionalidades a fim de se entenderem e derrubando o imperialismo cultural e a imposição lingüística de algum país que se considere melhor que o outro.

Mesmo assim, é pouco utilizada e pouco incentivada, embora ocorreu um reconhecimento pela UNESCO como uma Língua franca que contribui com a educação, cultura e ciência da humanidade e no governo brasileiro ocorre um incentivo para a adoção do Esperanto nas escolas, pois é uma língua neutra que se propõe a respeitar a língua nativa de outros países e a nacionalidade e patriotismo das pessoas promovendo um intercâmbio entre as pessoas. E atualmente tem ocorrido uma grande adesão de pessoas no movimento esperantista.

Desta forma podemos observar que as idéias e as pessoas que as sustentam escreveram mais uma página na História do mundo, além de colaborar com a sua mudança e tais idéias foram geradas em um passado que influenciou e construiu as gerações futuras.


Notas e referências bibliográficas:

1 N.A. (Nota do Autor) – A Idade contemporânea surgiu com o advento da Revolução Francesa, que influenciou e atingiu profundamente o mundo ocidental. Inaugurando uma era que rompia de forma violenta com as estruturas civilizatórias do ocidente.

2 N.A. - Ludwig Lejzer Zamenhof (Lázaro Luís Zamenhof) – nascido em 15 de dezembro de 1859 na cidade de Bialystok – antigo Império Russo, atual Polônia – falecido em 14 de abril de 1917 na cidade de Varsóvia. Foi oftalmologista e filólogo judeu polonês.

3 ZAMENHOF, L.L. – Esperanto Modelo – Federação Espírita do Brasil – Rio de Janeiro – R.J. – pág. 04.

4 Nome original do Esperanto.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: A arte barroca. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Remanso da vida ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Ter bons amigos é ter mais saúde e felicidade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Um olhar sobre o ensino de português ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: O português é uma realidade monolítica no Brasil? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: História Cultural: o Rock n’ Roll brasileiro da década de 1980. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Década de 1970 – O contexto musical do Brasil: o Estrangeirismo. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: O que é a verdade? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Epiteto: Filósofo e escravo. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Apreciação literária: Paz Guerreira de Talal Husseini. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Ariano e sua eterna luta contra moinhos que não são de ventos. ( História e Literatura - José Flôr )

:: História das mentalidades: O Esperanto. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Coração da Mata ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: O redescobrimento do Heliocentrismo e da esfericidade da Terra. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Considerações literárias: diários, semanários e mensários...qual é a melhor escolha? ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Quinze de novembro de 1889 – O golpe da República e a interrupção do processo civilizatório. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A arte de viver só ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A desesperança em Wander Piroli ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: O mito da palavra Saudade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Cultura do hedonismo e o Vale+ Cultura ( História e Literatura - Mauro Moura )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo