-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Política
 
Nylton Batista

[ Nylton Batista ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Redator de jornal há cerca de vinte anos. Também escreve contos, alguns dos quais publicados em antologias.

 

O bem-te-vi frustrado

Viii! Viii!! Bem te vi! Assim soa aos ouvidos humanos o canto que, por razões óbvias, dá nome ao pássaro dos mais conhecidos de quem vive em localidade ainda bem arborizada. Antes de surgirem os primeiros raios do sol, o bem-te-vi já está a emitir seu alarme. Parece ser testemunha de atos inescrupulosos a merecer censura de sua parte. A propósito, conta-se anedota na qual um lusitano que - ainda não conhecia o bem-te-vi - ao embolsar uma carteira recheada de dinheiro, encontrada sobre uma ponte, e ouvir o brado do pássaro, assim reagiu: Viste? E queres que contigo eu reparta? Pois então, nem pra mim e nem pra ti! Em seguida lançou o achado no rio.

O grito do bem-te-vi leva a considerar certos denunciantes que, nos muitos escândalos vividos por este país, têm obtido notoriedade por abrirem caixas de segredos; segredos que se revelam chaves para abrir mais caixas, as da corrupção, algumas recheadas há longo tempo em proveito pessoal de agentes políticos sem compromisso com a ética e a moral. Entretanto, esses eventuais “bem-te-vis” são desprovidos da imparcialidade original, a começar pela intimidade que têm com o denunciado, na qualidade de parentes próximos, “ amigos” ou funcionários subservientes. Tais figuras comportam-se como cúmplices do autor, alguns com medo de perder o emprego ou posição, outros por puro oportunismo, prontos para cobrar pelo silêncio no momento mais conveniente. Confiante no poder que tem nas mãos, ao qual credita a aparente fidelidade dos que o cercam, o corrupto não percebe o que está para acontecer ao contrariar interesses, nem de longe suspeitados. De repente, o “bem-te-vi” abre o bico. Aos olhos do público surge um patriota, alguém não pactuado com a imoralidade, que se arrisca na denúncia da corrupção. Mas somente Deus sabe o que lhe vai na cabeça! O “herói” não passa de oportunista frustrado. Enquanto nutrido de esperanças de poder participar dos resultados escusos, ele bajula e defende o patrão ou parente, sem abrir o bico quanto às falcatruas conhecidas. Somente ao perceber que nenhum proveito conseguiu tirar é que ele se infla de indignação e, de dedo em riste, aponta o corrupto à plateia admirada.  A hipocrisia de que se reveste impede ao público a percepção da verdadeira natureza do dedo acusador. Frustrado em suas pretensões junto ao alvo da denúncia, o “bem-te-vi”, anunciador da corrupção, exibe na passarela, sob os holofotes da notoriedade, a falsa honestidade à sombra da qual ainda poderá seduzir incautos para projetos seus mais ambiciosos no mundo da política. Aí então ele terá a oportunidade de fazer,  ter o que não conseguiu antes e, quem sabe, ser denunciado por outro “bem-te-vi”. Punição igual à do denunciado está claro que não caberia, uma vez que não se envolveu diretamente, mas, se provado que o retardamento da denúncia foi motivado por interesse em vantagem pessoal, de alguma forma ela deveria recair  também sobre o dedo acusador. Ser honesto por falta de ocasião para a prática da desonestidade não constitui nenhum mérito. E esta é a situação de alguns eventuais denunciantes, que têm levantado nuvens de poeira em rumorosos casos de corrupção. Apresentam-se como puros diante do público quando, na verdade, são também corruptos, em potencial e frustrados, a lançar mão da vingança porque não conseguiram seu quinhão na roda da corrupção. 

Se a lei não os alcança, porque culpa formal não têm, cabe à sociedade vigiá-los e impedir que a falsa honestidade se coroe de patriotismo!






Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: O poder da vergonha II ( Política - Manoel Tupyara )

:: O Poder da Vergonha I ( Política - Manoel Tupyara )

:: A democracia não merece isto. ( Política - Manoel Tupyara )

:: O Brasil político e seus políticos ( Política - Jorge Azevedo )

:: O processo de impeachment da presidente Dilma ( Política - Jorge Azevedo )

:: Faltou cimento, a casa caiu ( Política - Jorge Azevedo )

:: Constrói-se nova mentalidade nacional ( Política - Nylton Batista )

:: Brasil - Crise de Identidade 1 ( Política - Elisabeth Camilo )

:: Acordo da polêmica II ( Política - Nylton Batista )

:: Quem não tem cão, caça com gato - ou o Brasil que não queremos ( Política - Elisabeth Camilo )

:: As Mil Palavras ou Eu preciso me comunicar ( Política - Elisabeth Camilo )

:: A sociedade que eu quero viver ( Política - Jorge Azevedo )

:: Concepção negativa de pobreza ( Política - Luisa Lessa )

:: Por que se é contra a cpmf ( Política - Nylton Batista )

:: Os males da democracia ( Política - Roberto Bastos )

:: Abrace um bandido! ( Política - Manoel Tupyara )

:: Transporte público. ( Política - Roberto Bastos )

:: Lei, de fato, ou para inglês ver ( Política - Nylton Batista )

:: A verdade sobre a política educacional brasileira ( Política - Luisa Lessa )

:: Lama político-empresarial ( Política - Nylton Batista )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo