-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em História e Literatura
 
Roberto Bastos

[ Roberto Bastos ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Historiador, professor de História, monarquista, budista, ex-músico e eterno estudante de artes marciais.

 

História Cultural: o Rock n’ Roll brasileiro da década de 1980.


A década de 1980 no Brasil foi caracterizada pela transição dos governos militares para a “democracia”, medo e acirramento da Guerra Fria, resquícios da Revolução Sexual, consolidação do modelo capitalista, AIDS, Rock in Rio e o surgimento fortificado do Rock brasileiro.


Esta modalidade musical, o Rock n’ Roll, foi adotado pelos jovens brasileiros daquela época em virtude do processo de distensão do Regime Militar, que desejava desde as épocas do Marechal Castelo Branco, os Generais Ernesto Geisel e João Baptista Figueiredo, e da angústia juvenil perante as ameaças de ataque nuclear dos dois blocos vigentes na Guerra Fria – capitalismo e socialismo ou Mundo Livre e Cortina de Ferro -, o fim do Sonho Alternativo juvenil e o movimento Pós-Punk (Darks). Que consolidou a angustia e depressão da juventude, cujas expectativas eram quase nulas ou distópicas.

Contudo o Rock no Brasil possui em suas características a contestação, a rebeldia e a angústia, esta última era uma influência oriunda do Rock e da juventude estrangeiros.

Pois, tanto o Rock quanto os movimentos juvenis tiveram origem de fora do Brasil, que por sua vez recebeu e adaptou a sua realidade, embora, os movimentos e os participantes fossem vistos como alienígenas ou outsiders.

Este fenômeno ocorria em virtude do contato das classes médias altas e altas com o exterior, que traziam as informações e tendências da juventude. Como a juventude, geração do presente autor, estava no contexto da década de 1980, que recebeu toda a carga de informação e sentimentos do Pós-Punk e do recrudescimento da Guerra Fria, com o medo no coração do homem comum da ocorrência de uma 3ª Guerra Mundial e do uso de armas nucleares, que extinguiriam a vida no Planeta. É a partir desta conjuntura que gerou a juventude no Brasil que expressou a sua angústia através da música, especificamente o Rock n’ Roll, cantada na língua portuguesa.


Para que o (a) honrado (a) leitor (a) possa compreender o movimento Pós-punk, este surgiu na Inglaterra entre o final da década de 1970 e o início da década de 1980. Tal movimento juvenil se originou do movimento do fim do movimento Punk, cujo lema era “o princípio do fim”, pois a visão sobre a sociedade e da juventude eram pessimistas e distópicas e tudo era motivo de protesto e agressão, com o intuito de espelhar o que a sociedade realmente era. Mas, como eles mesmos, os punks, haviam dito era o princípio do fim, do qual chegou através da melancolia, da apatia, das expressões soturnas, do novo ultra-romantismo e da estética neo-gótica dos pós-punks – darks – que externavam as qualidades supra-citadas e das nulidades de esperanças e alegrias.

Cantavam suas angústias juvenis a fim de mostrar a realidade intimista da juventude daquela atualidade. Porém, como toda geração juvenil gera seu mártir a deles foi o cantor e compositor inglês Ian Curtis, da Banda Joy Division, que cometeu suicídio em sua casa em 18 de maio 1980. Suas obras deixaram legado para a juventude principalmente para as bandas de rock brasileiras.


Retornando ao nosso tema, o movimento pós-punk influenciou os grupos brasileiros de Rock n’ Roll, que mantiveram o Modus Operandi musical e temático cantando as angústias juvenis em um momento de abertura política no Brasil. Contudo, como nos afirma a farmacêutica Maristela Burti: “Saímos de uma ditadura para entrarmos em uma anarquia”. Tal declaração está coberta de coerência e recheada de razão.

Com relação ao Rock brasileiro este apresentava em seu conteúdo humor, vibração, e energia. Embora, cantava a as frustrações e angústias de nossa juventude das classes médias. Pois, muitas das bandas eram de origem social mais abastada e traziam as tendências musicais e juvenis de fora do país e eles conquistaram os jovens da década de 1980, que se identificavam com as estórias, poemas e fábulas cantadas por esses grupos musicais.


Atualmente as musicas daquela época são massivamente apresentadas nas “Festas Ploc”, que são tributos realizados por, hoje, homens e mulheres feitos, que um dia foram jovens na transição da 4ª para 5ª República, do surgimento do movimento pós-punk, da conjuntura do final da Guerra Fria, expressando suas nostalgias, memórias e alegrias através desses encontros supra-citados.

Portanto, a História também se faz com festas e músicas. Ficou saudoso (a) leitor (a)? então vá ouvir os discos ou CD’s das músicas de nossas épocas.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: A arte barroca. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Remanso da vida ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Ter bons amigos é ter mais saúde e felicidade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Um olhar sobre o ensino de português ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: O português é uma realidade monolítica no Brasil? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: História Cultural: o Rock n’ Roll brasileiro da década de 1980. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Década de 1970 – O contexto musical do Brasil: o Estrangeirismo. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: O que é a verdade? ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: Epiteto: Filósofo e escravo. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Apreciação literária: Paz Guerreira de Talal Husseini. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Ariano e sua eterna luta contra moinhos que não são de ventos. ( História e Literatura - José Flôr )

:: História das mentalidades: O Esperanto. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Coração da Mata ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: O redescobrimento do Heliocentrismo e da esfericidade da Terra. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Considerações literárias: diários, semanários e mensários...qual é a melhor escolha? ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: Quinze de novembro de 1889 – O golpe da República e a interrupção do processo civilizatório. ( História e Literatura - Roberto Bastos )

:: A arte de viver só ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A desesperança em Wander Piroli ( História e Literatura - Lecy Pereira )

:: O mito da palavra Saudade ( História e Literatura - Luisa Lessa )

:: A Cultura do hedonismo e o Vale+ Cultura ( História e Literatura - Mauro Moura )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo