-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Política
 
Nylton Batista

[ Nylton Batista ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Redator de jornal há cerca de vinte anos. Também escreve contos, alguns dos quais publicados em antologias.

 

Por que se é contra a cpmf

No meio de todo o caos político-social-econômico, armado pelo próprio governo, refregam-se políticos de um lado e de outro, em busca de uma solução para tirar o país do buraco em que foi lançado, graças a um projeto subliminar de continuísmo no poder, mediante soluções popularescas. No debate, acima de ataques e ofensas próprios do meio político, salta como peteca o aumento da carga tributária, única forma que encontram para cobrir o rombo das contas públicas. É sempre assim: governantes fazem a festa com o dinheiro que não têm e depois mandam a conta para o povo pagar. O que o cidadão, cá fora, já paga de impostos é um absurdo, mas quem está do lado de dentro do balcão assim não pensa, bastando a despesa crescer além do que manda o orçamento, o que sempre acontece com a irresponsabilidade reinante, para que se cogite o aumento de impostos. 

E a cavalgar o imbróglio do aumento pretendido, ressurge a CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), cobrada durante treze anos e extinta em 2007. Instituída com destinação à Saúde, a CPMF até que foi bem aceita, mas a falta de seriedade, desviando-a do propósito original levou a sociedade a repudiá-la. Os recursos arrecadados, na “maior moleza”, via rede bancária, em descontos nas contas a cada débito efetuado, serviram para tudo menos para a saúde. A tolerância, então, deu lugar à antipatia e revolta, embora a arraia-miúda não cliente dos bancos fosse isenta da contribuição, criando-se até a compensação para depósitos dos “benefícios” previdenciários. O próprio governo dizia que quarenta bilhões de reais eram arrecadados com a contribuição de 0,38% a cada débito. 

Entretanto, a maior perda para o governo com a queda da contribuição não estava na cifra, porque o verdadeiro objetivo da CPMF era o cruzamento de dados, que permitia detectar onde, quando e quanto poderia haver de sonegação fiscal. A CPMF serviu ainda para provar que o grande número de impostos, de alíquotas variáveis e incidentes sobre todas as atividades econômicas, pode ser substituído por apenas um, o chamado Imposto Único, do qual não escaparia nada, ninguém, se aplicado o mesmo sistema de arrecadação. 

Arma-se uma celeuma contra sua volta, exorcizam-na como se fosse o próprio diabo, mas a sociedade se, mais consciente, perceberia haver outras razões por trás dessa resistência. Os que fincam pé contra ela, se estivessem contra apenas o aumento da carga tributária, poderiam apresentar proposta alternativa, CPMF e equivalente redução de impostos, por exemplo, nos alimentos. Por meio da CPMF poder-se-ia arrecadar mais, uma vez que, teoricamente, com ela não há sonegação, e ter produtos mais baratos. 

A verdade é que a CPMF pode ser a porta de entrada para o Imposto Único, mais justo, que alcançaria a todos equanimemente, eliminando a economia informal, soltando os pontos que formam a rede da corrupção e da “indústria” da sonegação.Está claro que os que se fartam, valendo-se das brechas que o atual sistema tributário lhes proporciona, não querem perder a “bocada”! Acabaria de uma vez por todas com o carnaval da anistia fiscal, que premia inadimplentes e sonegadores em detrimento do contribuinte consciente e cumpridor de seus deveres. O trabalho do governo se reduziria, eliminando-se até os repasses aos estados e municípios, uma vez que o próprio sistema de arrecadação os fariam, diariamente, se quisesse, permitindo maior concentração de esforços em eficiente aplicação do tributo arrecadado. E a incidência do Imposto Único sobre toda a economia acompanharia a tendência de desaparecimento, ou circulação em volume mínimo, do dinheiro em espécie (cédulas e moedas), substituído por cartões recarregáveis na rede bancária, para uso em transações de pequena monta. 

A CPMF, reimplantada com correspondente redução de outros impostos, seria o início da mudança do sistema, mas além da sonegação e da corrupção, pesa contra ela e o Imposto Único o corporativismo, a começar pela indústria do papel. Mesmo com a crescente adoção da nota fiscal eletrônica, o consumo de papel na fiscalização é gigantesco. Há formulários criados, impressos e distribuídos às papelarias, que não chegam a ser aplicados, porque regras são mudadas entre sua criação e efetiva utilização. E a lidar com essa papelada, que não se esqueça da imensa rede de prestadores de serviços na área contábil e o correspondente exército de fiscais a conferir, se tudo está conforme a lei. 

Tudo isso seria gradativamente eliminado, gerando enorme economia no setor produtivo e na administração pública. Mas aos que ganham com o atual sistema não interessa a mudança.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Sobre as terceirizações ( Política - Roberto Bastos )

:: As mentiras de um governo ( Política - Jorge Azevedo )

:: Presídios lotados ( Política - Roberto Bastos )

:: Confissão de culpa ( Política - Jorge Azevedo )

:: Toalhas de prato ( Política - Jorge Azevedo )

:: Provas e evidências ( Política - Jorge Azevedo )

:: Encontro de exércitos ( Política - Jorge Azevedo )

:: Se todos são inocentes, quem são os culpados? ( Política - Jorge Azevedo )

:: Céus da Síria ( Política - Jorge Azevedo )

:: O valor do meu voto ( Política - Jorge Azevedo )

:: O pesadelo era sonho ( Política - Jorge Azevedo )

:: O poder da vergonha II ( Política - Manoel Tupyara )

:: O Poder da Vergonha I ( Política - Manoel Tupyara )

:: A democracia não merece isto. ( Política - Manoel Tupyara )

:: O Brasil político e seus políticos ( Política - Jorge Azevedo )

:: O processo de impeachment da presidente Dilma ( Política - Jorge Azevedo )

:: Faltou cimento, a casa caiu ( Política - Jorge Azevedo )

:: Constrói-se nova mentalidade nacional ( Política - Nylton Batista )

:: Brasil - Crise de Identidade 1 ( Política - Elisabeth Camilo )

:: Acordo da polêmica II ( Política - Nylton Batista )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo