-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Política
 
Elisabeth Camilo

[ Elisabeth Camilo ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Tradutora, jornalista e mestra em Letras - Linguagem e Memória Cultural.

 

Brasil - Crise de Identidade 1


Pensei durante vários dias sobre o título que daria a uma série de textos que eu vou escrever a partir de hoje e o acima foi escolhido e você, que me lê sem preguiça e com crítica, talvez compreenda a fragmentação.

Sempre ouvimos dizer que o bom exemplo vem de casa. Eu diria que o exemplo vem, sendo ele bom ou mau. Desde a pré-história, o menino fazia o que o pai ou a mãe faziam. Ele pegava, por exemplo, um bicho no mato e trazia para o lar porque o pai caçava dinossauros... Isso ainda ocorre com os bebês ultra contemporâneos, que já nascem com babás eletrônicas que imitam vozes das mães enquanto dormem...

O Brasil é nosso amado pai, nossa amada mãe. O que nossas autoridades fazem, nós, os filhos, pelo menos na grande maioria (toda família tem o do contra), nós também queremos fazer... Se um prefeito ou vereador, deputado, governador ou presidente da república faz, passa a ser parâmetro a ser seguido. Talvez por isso sejamos pessoas tão corruptas, tão deficientes de caráter, tão malandras (como o próprio Chico Buarque já retratou em sua famosa “Ópera do Malandro”). Talvez isso explique porque nossos antepassados eram mil vezes melhores do que nós, porque as autoridades eram reis e rainhas, príncipes e princesas, poetas e trovadores, escritores e jornalistas... A partir do momento que por birra, partidarismo ou porque “meu vizinho prefere aquele”, eu passo a escolher qualquer um para me representar no trono de nossa nação, nossos parâmetros caem de qualidade. E não falo que autoridades precisam ser intelectuais ou de sangue azul como no passado - precisam ser honestos.

O velho jeitinho brasileiro sempre existiu e nunca vai deixar de existir. Gostaria que se mantivesse apenas um lado desse jeitinho: o amável, o brincalhão, o cortês. Mas, pelo retrato de nossa triste realidade presente, o que predomina é o lado genético ruim, canceroso, da corrupção, da falsidade, do “passar a perna” em que nos confiou tão grandes responsabilidades...Somos hoje imaginados como povo sem vergonha, nação corrupta e pervertida, lugar onde qualquer ladrão é bem-vindo e louvado. Querem exemplos? Vou discriminar alguns:

O índio ganancioso traiu toda a sua tribo, dando mais ouro do que o devido pelo vidro colorido quando Cabral chegou aqui... enquanto a maioria oferecia cocares lindos, frutas da floresta, alguém teve que ostentar riqueza para os recém-chegados. Deu no que deu e não é à toa que moro em uma cidade com o nome de Ouro Preto e que já se chamou “Vila Rica” porque aqui jorrou sangue por causa do ato indígena original.

Um segundo exemplo é fácil de ser detectado. Trata-se do fato de o brasileiro ser naturalmente uma pessoa que não cumpre suas promessas. Mas cumprir para quê, se nossas autoridades, nossos ídolos, nunca cumprem o que prometem? Se minha mãe me promete uma bicicleta se eu tirar dez em matemática, eu tiro o dez e não tenho a bicicleta. Então, quando eu prometer que vou fazer as comprar para ela, eu também deixo de fazer e ainda chantageio a criatura sem piedade porque ela falhou comigo...às vezes, a falha não é nossa culpa, mas não queremos saber disso: estamos com ira.

Um terceiro exemplo é o fato de combatermos a corrupção latente brasileira com o latente jeitinho brasileiro que propõe que pimenta só arde nos olhos do vizinho. Que diremos a nossos filhos menores e netos que saberão pelas páginas da história, que nossa suprema autoridade política entrou em conflito com país asiático porque alguns brasileiros hipócritas estavam com droga naquele país? Quando o moleque usar o primeiro baseado, ele nos dirá que até o papa pediu clemência pelo demente brasileiro que levou para aquele país uma identidade negativa. Ficaremos mudos quando o menino nos disser que se houve embaixador rejeitado porque no país dele quem vendia ou usava droga era criminoso, mas no nosso não o é. Ele será de alguma forma protegido, terá cela de luxo com celular, frigobar e computador, receberá visitas íntimas...

Então, como somos sábios copiadores, seremos todos corruptos, porque, mesmo na iminência de pagarmos nosso crime, seremos tornados autoridades por autoridades que nos induziram ao erro e teremos foro privilegiado, seremos livres dos crimes e riremos das trouxas que nos ironizaram ou denunciaram. Mandaremos nossos professores tomarem naquele lugar porque um ex-presidente fez isso também com um magistrado. Bateremos no amigo gay porque nossas autoridades eram homofóbicas também.

O Brasil talvez nunca mais volte a ser um bom Brasil porque já está tão contaminado pelo câncer da corrupção que não há mais remédio que cure. Assim, quando vir o bebê em um carrinho roubando o pirulito do bebê em outro carrinho, apenas sorria e diga: é assim que criamos um brasileiro ...





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: A crise no Rio de Janeiro. ( Política - Roberto Bastos )

:: PSDB, o partido que não sabe o que quer ( Política - Jorge Azevedo )

:: Sobre as terceirizações ( Política - Roberto Bastos )

:: As mentiras de um governo ( Política - Jorge Azevedo )

:: Presídios lotados ( Política - Roberto Bastos )

:: Confissão de culpa ( Política - Jorge Azevedo )

:: Toalhas de prato ( Política - Jorge Azevedo )

:: Provas e evidências ( Política - Jorge Azevedo )

:: Encontro de exércitos ( Política - Jorge Azevedo )

:: Se todos são inocentes, quem são os culpados? ( Política - Jorge Azevedo )

:: Céus da Síria ( Política - Jorge Azevedo )

:: O valor do meu voto ( Política - Jorge Azevedo )

:: O pesadelo era sonho ( Política - Jorge Azevedo )

:: O poder da vergonha II ( Política - Manoel Tupyara )

:: O Poder da Vergonha I ( Política - Manoel Tupyara )

:: A democracia não merece isto. ( Política - Manoel Tupyara )

:: O Brasil político e seus políticos ( Política - Jorge Azevedo )

:: O processo de impeachment da presidente Dilma ( Política - Jorge Azevedo )

:: Faltou cimento, a casa caiu ( Política - Jorge Azevedo )

:: Constrói-se nova mentalidade nacional ( Política - Nylton Batista )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo