-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Crônicas e Poesias
 
Jorge Azevedo

[ Jorge Azevedo ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Paisagista, Decorador, Professor e Poeta

 

No mundo de papelão


Havia sobre a cama de papelão
a mancha rubra de sangue
esmaecida pela ação da urina,
em lugar de travesseiros, garrafas
e latas de cachaça embriagadora.

O corpo frágil anda tremia,
cabeça enterrada entre mãos,
mãos sujas entre os joelhos
escondendo o rosto envergonhado
para não mostrar os olhos tristes
aterrorizados pelo pavor do ato.

Havia, no outro lado da praça,
homens sentados diante do carteado,
cercados por garrafas e latas vazias,
grudados em suas mãos, copos cheios
de cachaça e rodelas de limão e caju...

Em um deles a mancha de sangue,
esmaecida pela ação da urina,
manchando sua bermuda sem zíper.

Havia uma cama de papelão,
a mulher chegando com outro filho
encangado na cintura como um estorvo,
olha a menina, a roupa rota, grita,
larga o filho, carrega a filha, chora,
olha o homem que sorri sem dentes,
e leva à boca o copo com cachaça.

A filha ainda menina, nem sete anos tem,
encangada como se não fosse um estorvo,
atravessa a rua para onde estão os homens,
a faca surge em sua mão, cartas voam,
homens pulam e correm, menos um...

Esse não tem tempo, o sangue jorra,
sua garganta está aberta e ele se mija
esmaecendo seu sangue ensopando
a bermuda sem zíper para fechar,
sobre a cadeira de papelão.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: A morte dos Três Patetas ( Crônicas e Poesias - Manoel Tupyara )

:: O homem na praça ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Eu, você, nós ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Desabrigo ( Crônicas e Poesias - Ana Fabyely Kams )

:: Fábrica de pirulitos ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Sal ou mel ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O viajante solitário ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Labirinto da felicidade ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Folhas sem escolhas ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: A morte do prisioneiro ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Ensurdecedor grito do silêncio... ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: A obra poética ( Crônicas e Poesias - Luisa Lessa )

:: Finalidade de vida ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Adeus maledeta ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Com todo o meu amor ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Borras de café ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Mãe, não me espere para jantar ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Qual o Deus que lhe acompanha? ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Meu Céu ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Morena doce ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo