-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Crônicas e Poesias
 
Jorge Azevedo

[ Jorge Azevedo ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Paisagista, Decorador, Professor e Poeta

 

Serei professor

Está decidido, serei professor. De escola pública, preferencialmente. Serei sacerdote do saber, serei ícone do ensinar.

Quero meu nome em praça pública, em nome de rua, busto na principal praça da cidade. Quero ser ovacionado por onde passar, então... Tenho que ser professor, de preferencia, de escola pública.

Serei santo quando morrer, serei sacramentado pelo papa, serei imagem nas igrejas, santinho em carteiras. Serei professor. Estarei em livros de catecismos, eu aulas de religião, serei exemplo de boa conduta e de vasto saber. Serei professor.

Preferencialmente de escola pública. Serei respeitado nas comunidades, serei ovacionada nos programas de rádio e televisão e quando eu passar nas ruas, serei chuviscado com pétalas de rosas, para mim serão estendidos tapetes de flores e todos os grandes homens se curvarão diante de mim.

Serei professor quando eu crescer. Casarei! Minha mulher frequentará os melhores salões de beleza e meus filhos usarão roupas das grifes mais importantes. Eu serei importante, serei professor. Morarei no melhor lugar da cidade e beberei os melhores vinhos. Minha mesa farta terá as melhores iguarias e meu carro será o melhor carro dos importados.

Não hei de querer outra profissão quando eu crescer, serei professor. serei sábio. terei todas as respostas e serei todas as pesquisas. Serei apontado orgulhosamente quando passar, pais estenderão abraços quando eu chegar e filhos se curvarão com humildade. O gerente do banco quando eu chegar, virá ao meu encontro, sorriso aberto de orelha a orelha. Braços esticados para me receber e serei recebido com xícaras de cafezinho, chocolate quente, taças de vinho, de champagne, cálice de licor. Eu sou professor, como professor, um mito, o semideus da cidade.

Os cargos mais importantes da politica serão exercidos por quem também é professor. Professor é rei e imperador em todas as terras, é o marco, é o monumento maior, é o maior tesouro, tão importante que imperadores se curvam e ele ereto ver a cabeça do imperador curvada.

Serei professor! Na próxima encarnação não posso nascer no Brasil, pois na próxima encarnação quero ser professor.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Palco ou plateia ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O amor é um sentimento interino ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Minha derradeira roupa ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: A morte dos Três Patetas ( Crônicas e Poesias - Manoel Tupyara )

:: O homem na praça ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Eu, você, nós ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Desabrigo ( Crônicas e Poesias - Ana Fabyely Kams )

:: Fábrica de pirulitos ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Sal ou mel ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O viajante solitário ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Labirinto da felicidade ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Folhas sem escolhas ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: A morte do prisioneiro ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Ensurdecedor grito do silêncio... ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: A obra poética ( Crônicas e Poesias - Luisa Lessa )

:: Finalidade de vida ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Adeus maledeta ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Com todo o meu amor ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Borras de café ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Mãe, não me espere para jantar ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo