-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Crônicas e Poesias
 
Jorge Azevedo

[ Jorge Azevedo ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Paisagista, Decorador, Professor e Poeta

 

Sal ou mel

Feliz domingo! Domingo é um dia com mais tempo. Aproveitemos esse tempo para refletir sobre nossas atitudes.

Vivemos uma era onde o individualismo impera sobre a coletividade. O que estamos fazendo para tornar nosso mundo mais humano? Estamos exercitando o que falamos? Estamos exercitando a palavra dita por Ele sobre o amor ou estamos nos isolando em nossas aquisições materiais, procurando guardar pães que não teremos como come-los sozinhos?

O tempo de frio há de chegar porque não estamos nos agasalhando. O tempo de fome há de chegar porque não estamos nos alimentando. O tempo de solidão há de chegar porque não estamos nos cercando de almas. Estamos mais preocupados em nos cercarmos de corpos e enquanto isso não olhamos para os nossos lados para ver quem não possui corpos para lhe exercitar o amor. Enquanto isso nossos filhos buscam alimento para suas almas nas drogas e se matam e nos matam.

O que estamos fazendo pelo nosso mundo? Por nossa gente? Haverá um tempo que buscaremos quem nos ouça e não encontraremos. Haverá um tempo que precisaremos quem nos fale e não encontraremos. Ainda é tempo de reconstruirmos o amanhã. O amanhã está sendo destruído por nós.

Não estamos plantando sementes boas para colhermos bons frutos. Estamos plantando sementes estragadas e muitas não germinarão, apodrecerão antes. Muitas germinarão e frutificarão frutos podres, doentes. E faltará alimento no mundo, muitos morrerão de fome, muitos morrerão de frio, muitos morrerão defendendo seus grãos. É esse o futuro que desejamos para nossos filhos? É esse o futuro que desejamos para nossa humanidade? É esse o fim que desejamos para o nosso planeta?

Podemos criar um novo tempo, se quisermos de verdade podemos começar hoje, nesse dia, nesse domingo. Aproveitar que domingo é um dia com mais tempo. Vamos criar um novo tempo. Chega de permitir a individualidade ser mais forte que a coletividade.

Pão guardado se estraga, se sobra um pedaço de pão em sua mesa, doe para quem tem fome e seu semelhante não morrerá de fome. Se sobra um roupa em seu armário, não guarde, ela sairá de moda e você não vestirá, doe para quem não tem roupa e sofre de frio sobre a marquise de sua rua. Se você precisa abrir sua torneira para liberar água por ter demais em sua caixa, doe a quem vive com sede pelas ruas, procurando uma poça de água no chão para saciar sua sede. Não guarde livros que jamais relerá, doe a quem tem sede de saber e não tem onde buscar sabedoria.

O mundo não está estático, está se movimentando e ele possui dois caminhos, ou segue para cima onde encontrará a luz do amor e da compreensão ou seguirá para baixo onde encontrará as trevas e os gritos de dores e sofrimentos.

Nós somos o futuro do mundo, o futuro dos nossos filhos, nós somos a diferença, os arquitetos que projetam o mundo de amanhã e que mundo queremos projetar? Ainda viveremos parte do amanhã, ainda viveremos parte do futuro. Que parte do futuro queremos encontrar para viver?

O momento é de reflexão, o momento é de introspecção, pense dentro de você e olhe dentro de você. Busque dentro de você o que há de melhor para ofertar à construção do novo mundo.

Não devemos ser o sal que queimará a terra, devemos ser o mel que adoçará a vida.

Nesse domingo, paremos alguns minutos para refletir e refletindo vamos pensar no futuro que queremos que nossos filhos e netos encontrem quando eles chegarem no futuro que estamos construindo a partir desse domingo.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: A morte dos Três Patetas ( Crônicas e Poesias - Manoel Tupyara )

:: O homem na praça ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Eu, você, nós ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Desabrigo ( Crônicas e Poesias - Ana Fabyely Kams )

:: Fábrica de pirulitos ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Sal ou mel ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O viajante solitário ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Labirinto da felicidade ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Folhas sem escolhas ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: A morte do prisioneiro ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Ensurdecedor grito do silêncio... ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: A obra poética ( Crônicas e Poesias - Luisa Lessa )

:: Finalidade de vida ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Adeus maledeta ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Com todo o meu amor ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Borras de café ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Mãe, não me espere para jantar ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Qual o Deus que lhe acompanha? ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Meu Céu ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Morena doce ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo