-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Religião Outras
 
Jorge Hessen

[ Jorge Hessen ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Jornalista, professor e historiador (licenciado pela Unb) articulista e palestrante.

 

O orador espírita deve rejeitar plágios e ribaltas circenses

Acessando diversos vídeos do You Tube somos convidados a reconhecer que há no Brasil, de maneira especial, em Brasília, alguns palestrantes que plagiam os gestos, a dicção (entonação) verbal e trechos de palestras produzidas pelo Divaldo Franco. Há, (pasmem!) os que não se refreiam na incontida autopromoção e montam (nos salões de palestras) uma superprodução de filmagens, visando posteriormente comercializarem os Dvd’s da “monumental” palestra gravada e logicamente espalharem (ao vivo) pela Internet seus discursos “prestigiosos”.

É evidente que tais confrades não têm o menor senso de ridículo ao apoderarem-se da identidade alheia, sem o menor constrangimento, Ao imitarem Divaldo, esquecem-se de que tal atitude não passa de uma comédia. Sabemos daqueles que permanecem “horas a fio” em frente ao espelho para treinarem os gestos ou entoação de voz do imitado, que invariavelmente é sempre Divaldo Franco.

Como se não bastasse, oferecem-se (mendigam fazer palestras) em todas casas espíritas do Brasil (afinal são notáveis na oratória). Para isso, entram em contato de forma insistente com os escaladores e oferecem, "gentilmente", o seu “famoso” nome para serem designados, a fim de palestrar no Centro Espírita.

Confeccionam cartazes coloridos e divulgam nas redes sociais e em tudo que é canto da Internet, afinal sua palestra é evento especial (ainda que seja uma data de palestras rotineiras do centro).

A esses irmãos “oradores”, candidatos ao estrelismo no movimento espírita, relembramos que cabe-nos a tarefa de construirmos um discurso próprio e original do Espiritismo. Imitar é horroroso, pois a imitação não consegue reproduzir o verdadeiro conteúdo. Pode-se, até mesmo, imitar o estilo divaldista, mas nunca recriar a profundidade ou a beleza que caracterizam as produções do Divaldo que reaparecem de forma, perfeitamente, reconhecíveis através da legítima oratória.

Recomendamos usarem a linguagem simples e de bom gosto, lembrando que estamos na tribuna  a serviço do Cristo para explicar e fazer o público entender a mensagem do Espiritismo, não para autopromoção e exaltação da vaidade. Pois quando alguém se propõe a ouvir um orador Espírita, o faz no pressuposto de que ele sabe o que está falando e lhe oferece, silenciosamente, um voto de credibilidade, capaz de mudar, metodicamente, ideias ou conceitos errôneos que nele estavam arraigados, podendo transformar, até mesmo, toda uma vida!

Jamais julgar-se imprescindível ou privilegiado, criando exigências ou solicitando considerações especiais. Há aqueles palestrantes que abusam da insensatez ao narrarem casos chistosos para fazer público rir durante boa parte da palestra. Usam a tribuna como se fosse um palco de teatro para humoristas. Ora, se o palestrante tem o dom da hilaridade, sem desdouro, que frequente o teatro e exerça a profissão de ator. É muito mais honesto.

Tais oradores, via de regra, além de plagiarem, são artificiais; não mantêm ordenamento do raciocínio, com começo meio e fim do tema proposto; desconsideram as características da plateia e falam como se todos os ouvintes fossem iguais; apresentam pouco conteúdo e despreparo intelectual; fazem, não raramente,  defesas de ideias que vão "de encontro" ao interesse do ouvinte. Recordemos que  por mais modesto e simples que seja o orador, em sendo ele mesmo, terá êxito. Se imitar o Divaldo, por melhor que seja a imitação, não terá credibilidade e vira circo.

Em suma, os oradores precisamos palestrar com simplicidade, impedir os próprios arroubos lúdicos, fugir do azedume, controlar a inquietação, posto que a palavra revela o nosso bom senso ou a insensatez. Devemos, portanto, silenciar qualquer finalidade de evidência, calando ostentações de conhecimentos. Todos os oradores somos responsáveis pelas imagens que sugerimos nas mentes dos ouvintes.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: O Evangelho é e sempre será a ferramenta definitiva da paz ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: Compreendendo o Politeísmo. ( Religião Outras - Roberto Bastos )

:: Eu não sou mais espírita! “Ex-espírita” será imaginável? ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: As bebidas alcoólicas são tóxicos fatais ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: “Sim” ou “não”, eis a questão ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: O suicido ante a cordilheira de apelos vazios na mente dos jovens ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: Acatemos a dor física como educadora da alma ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: “Andar com fé eu vou...” ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: As expressões “Kardecismo” e/ou “kardecista” não devem ser desestimadas ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: Intersexualidade, o ser humano não se reduz à morfologia de “macho” ou “fêmea” ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: O orador espírita deve rejeitar plágios e ribaltas circenses ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: A prece ( Religião Outras - Jorge Azevedo )

:: Tatuagens estigmatizam a alma? ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: Coerência da Lei Divina ante a reencarnação ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: “Fogo fátuo” e “duplo etérico” - o que é isso ? ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: Algumas ideias que Einstein fazia sobre Deus ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: “Mediúnica” aberta ou fechada? ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: Destino e a opção pelo caminho certo ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: Caiu do avião, do paraquedas, do arranha céu e não faleceu – “milagre”? ( Religião Outras - Jorge Hessen )

:: Sempre pela conservação da vida ante a moléstia delongada ( Religião Outras - Jorge Hessen )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo