-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Política
 
Jorge Azevedo

[ Jorge Azevedo ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Paisagista, Decorador, Professor e Poeta

 

Confissão de culpa

Uma democracia sem novidades tem duas opções... Ou está tudo bem, ou está tudo mal. Não há meio termo quando a democracia amanhece sem novidades. A democracia brasileira está vivendo, amanhecendo, sem novidades e isso não é um bom sinal. Isso representa que tudo permanece igual à noite anterior, hoje tudo está igual a ontem e não há perspectiva de estar diferente amanhã.

O momento político brasileiro vive uma rotina ameaçadora. Não há projeto para solução dos crônicos problemas. O que fazer para conter a violência nas grandes cidades? Como equacionalizar a educação pública dando a ela a qualidade da educação privada? A saúde está com pires na mão, não somente pedindo investimento, está suplicando responsabilidades daqueles que geram a saúde. Os hospitais estão abarrotados de noticias ruins e não há luz no fim do túnel. Os planos de saúde mandam e desmandam, fazem o que querem, cobram o que desejam e não são punidos pelo mau atendimento e tudo por causa da conveniência com o poder público. Dorme-se e acorda sabendo que a saúde não mudou na madrugada. Médicos escolhem quem salvará da morte e quem condenará à morte. Os pobres estão mais pobres e os ricos estão mais ricos. O desemprego fixa raiz em cada uma das residências e hoje é difícil encontrar no Brasil uma residência, onde, dentro dela não tenha alguém que já foi assaltado.

O governo no Brasil está desgovernado. A democracia brasileira não cria fatos novos fora dos perímetros dos fatos velhos. A política se divorcia dos políticos e os políticos se casam com a corrupção. Dorme o brasileiro com a certeza de que seu presidente é culpado de todos os crimes a ele imputado e acorda o brasileiro com o seu presidente fazendo uma confissão de culpa, ao se negar ser investigado. Se há o temor é por haver motivos.

Não há novidades na democracia e quando a democracia não fabrica novidades ou está muito bem, ou está muito mal. Há novidade na primeira condenação do ex-presidente Lula? Todos, inclusive ele, inclusive os seus aliados, inclusive a sua banca de advogados de defesa sabiam que não era uma possibilidade, era uma certeza. Lula traiu quem pensou que um nordestino saído do meio do povo faria um governo para o povo do meio miserável. Não houve surpresa.

No Congresso Nacional, onde se acreditava existir a moral, a decência, o pensamento cívico, está ocorrendo a maior troca de favores e ameaças. O presidente da república ameaça com fortes retaliações quem votar contra o seu desejo de não ser investigado e paga alto. Está assinando liberação de verbas para tudo que é emenda parlamentar com a promessa de que o agraciado vote para ele não ser desmascarado, o presidente sabe muito bem, se for investigado não será somente os seus pés que estarão na lama, a lama lhe cobrirá até a alma. Agindo como está agindo, o presidente Temer não está se defendendo, está realizando a confissão de culpa mais honesta que esse país democrático já viu, já presenciou.

O Brasil amarga a angustia de quase 14 milhões de desempregados em uma país, segundo o presidente da república, sem crise, sendo governado como se navegasse em mar de tranquilidade, voando em céu de brigadeiro. São quase 14 milhões de famílias que dormem com a esperança de acordar com novidades e acordam com a certeza que tudo será a mesma rotina. Culpados se dizem inocentes e os inocentes vivendo em casas cercadas por grades como se fossem eles, os culpados.

Todos os expoentes da política democrática hoje se encontram, de alguma forma enrabichados com anéis da justiça. Os ministérios na república brasileira estão servindo para salvaguardar amigos dos presidentes, lhes diplomando com o certificado de intocáveis, de distantes do alcance da lei... O foro privilegiado não é nada mais, nada menos que um corrupto ofertando seu ombro a outro. Não há novidades. O Brasil não acorda com a notícia de que investigados ganharam carta de alforria para se defenderem com dignidade, pelo contrário, o brasileiro acorda com a notícia de que mais um investigado foi empossado para votar contra a investigação dos crimes cometidos pelo presidente e o presidente finge não saber, finge somente, não saber que apenas confirma a sua confissão de culpa.

E sonham os brasileiros despertar com manchetes dizendo que filhos e parentelas de políticos são obrigados a estudar em escolas públicas, ser atendidos exclusivamente pelo SUS, como trabalhador brasileiro, pagar do seu bolso suas despesas de água, luz, telefone, celular, transporte, vestimentas, engraxates, manicuras, refrigerantes, comida do cachorro, comida do papagaio, motel com a amante... Ora, isso seria novidade e mostraria que a democracia no Brasil funciona. Noticiar que o presidente Temer para se livrar do processo acaba de liberar mais de 1,8 bilhão de reais, comprando votos não é novidade, isso em um país em crise é a melhor confissão de culpa que o presidente Temer poderia ofertar ao povo brasileiro.

Como eu disse no inicio, uma democracia sem novidades vive uma, entre duas realidades. Ou está muito bem, ou está muito mal. A democracia brasileira não tem novidades porque está muito mal e a tendência não é melhorar, a tendência é, a cada dia mergulhar em um mar de lama sem precedente na história de todas as democracias, desde que os gregos criaram o pensamento democrático. Deus queira que não esteja perto a manchete/novidade...

"Brasil acorda com os militares no poder".






Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: A crise no Rio de Janeiro. ( Política - Roberto Bastos )

:: PSDB, o partido que não sabe o que quer ( Política - Jorge Azevedo )

:: Sobre as terceirizações ( Política - Roberto Bastos )

:: As mentiras de um governo ( Política - Jorge Azevedo )

:: Presídios lotados ( Política - Roberto Bastos )

:: Confissão de culpa ( Política - Jorge Azevedo )

:: Toalhas de prato ( Política - Jorge Azevedo )

:: Provas e evidências ( Política - Jorge Azevedo )

:: Encontro de exércitos ( Política - Jorge Azevedo )

:: Se todos são inocentes, quem são os culpados? ( Política - Jorge Azevedo )

:: Céus da Síria ( Política - Jorge Azevedo )

:: O valor do meu voto ( Política - Jorge Azevedo )

:: O pesadelo era sonho ( Política - Jorge Azevedo )

:: O poder da vergonha II ( Política - Manoel Tupyara )

:: O Poder da Vergonha I ( Política - Manoel Tupyara )

:: A democracia não merece isto. ( Política - Manoel Tupyara )

:: O Brasil político e seus políticos ( Política - Jorge Azevedo )

:: O processo de impeachment da presidente Dilma ( Política - Jorge Azevedo )

:: Faltou cimento, a casa caiu ( Política - Jorge Azevedo )

:: Constrói-se nova mentalidade nacional ( Política - Nylton Batista )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo