-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Crônicas e Poesias
 
Jorge Azevedo

[ Jorge Azevedo ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Paisagista, Decorador, Professor e Poeta

 

O valor de um ponto

Um ponto, nada mais que um ponto para mudar, para definir, para marcar... O que é um ponto? Um sinal gramatical, uma referência geográfica? Somente uma avaliação pedagógica, uma escala científica? Na culinária pode ser o cozimento perfeito; na mecânica, aprovação técnica da máquina. Na Física, uma porção do átomo; no espaço o local exato do encontro das galáxias.

Nada é tão determinante quanto o ponto e quanto ao ponto nada é tão efêmero...

O amor é marcado por pontos. Há tantos pontos no amor... Amor e gramática se confundem e se entendem, se completam. As convergências de um e de outra se complementam e se afastam, desgastam-se e se unem, se digladiam e se compreendem. São pontos de vistas e de percepções.

Não há vida sem ponto, não há ponto sem vida.

A costureira não exerce sua profissão sem os pontos no tecido; o engenheiro não constrói a reta, diminuindo distâncias, sem a interferência dos pontos. O médico precisa dos pontos para concluir a operação. Como o campeão se fará sem o acúmulo de pontos? O agricultor tem que saber as medidas exatas de sementes, de adubo e de irrigação para alcançar o momento certo da colheita.

E passa despercebido de tanta gente, os pontos. Não se ligam com a forma filosófica de cada interpretação.

O ponto parágrafo na vida não é a interrupção de uma caminhada para início de outra. É começo e recomeço, na mesma angulação. É o cansaço e a energia. Tudo pode ser novo como pode ser continuidade. Na vida, no amor e na gramática. O ponto parágrafo é a reflexão da alma. O guerreiro sabe o exato momento de atacar e quando a derrota chega, ele sabe exatamente o que não alcançou. É o momento da reflexão. Na guerra o hiato entre a vitória e a derrota está justamente na sabedoria de implementar o ponto parágrafo na luta. O recuo pode fortalecer a tropa. Assim é no amor. Quando as incompreensões chegam, um ponto parágrafo pode ser o caminho para eliminar as possibilidades do ponto final.

O corredor para, quando sente exaurir suas forças. Falta-lhe oxigênio e ainda há montanha para subir. As pernas pesam, dói-lhe os músculos, o peito parece que explodirá. Ele para, uma parada breve, não é desistência e nem se desestimulo, sabe que precisa seguir, ele para e respira, oxigena o sangue e segue. O pai desempregado sabe que em casa suas crianças esperam pelo pão, sem dinheiro no bolso ele para e se senta. Precisa pensar para seguir. Há uma possibilidade não vislumbrada, onde está a próxima citação? Um ponto de seguimento é que ele precisa agora em sua vida. Seguimento e continuidade. Seguimento e retomada. O ponto de seguimento é a continuidade refletida depois de um momento breve de estagnação. Estagnar para desenvolver.

Nada é eterno além do que há acima dos nossos conhecimentos, e acima dos nossos saberes, somente Deus. Somente Deus é eterno. Um dia tudo acaba, rasgam-se os livros e as folhas rotas se transformam em cinzas que a terra absorve. Nada é eterno, a vida é passageiro de um momento, um lapso no tempo e o tempo é implacável, não esquece. Um dia ele chega e toma o que lhe pertence. A vida é propriedade do tempo. Outro ponto determinante. O ponto final, que na gramática é o ápice do escritor. O ponto final de uma obra, o último sinal do poema. O soneto mergulha em êxtase quando o poeta conclui sua inspiração. Arrebentam-se dentro da mãe rasgos de sua carne e o filho chega pondo final à uma espera amante e ansiosa. Torna-se doutor o graduado. O ponto final pode ser um ponto de exclamação, ou mais sábio ele cria dentro de si, além do ponto final, uma interrogação? O mestre de obra olha para o alto quando o último caminhão sai da obra levando os últimos resquícios do seu suor. O ponto final de mais um projeto realizado. O filho joga a flor sobre o caixão do velho pai. Ponto final de uma existência, ou será um ponto parágrafo?

O saber é um ponto ainda não escrito. Um ponto. Uma figura tão minúscula, tão imensa... Tão imensa que torna o universo nada mais que um simples ponto quando o colocamos sobre a mão direita de Deus... Afinal, o que é um ponto? Um grão de areia jogado no meio do oceano é um ponto invisível? Somos um ponto invisível no universo? Na verdade, não passamos de um ponto, nunca seremos mais que um ponto e poucas vezes eu pensei como o ponto é tão importante, tão especial, tão majestoso... Eu sou um ponto!





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Eu quero ser adotado, por favor, me adote... ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Eu pensando em você ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Quando a tarde parece que dorme ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Canto a um momento de melancolia ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O nascer do amor ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Tentações ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Lágrimas e lágrimas ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Violência contra a mulher não é somente o murro que transfigura ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O valor de um ponto ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Xis da questão ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Saudade de quem amo ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: A ultima pedra ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Já vi anjos ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Palavras de um Anjo ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Saudade dos olhares ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Uma das minhas namoradas ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Aposentando a aposentadoria ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Você, o amor de minha vida ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: A energia do chão ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Palco ou plateia ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo