-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Crônicas e Poesias
 
Jorge Azevedo

[ Jorge Azevedo ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Paisagista, Decorador, Professor e Poeta

 

Canto a um momento de melancolia

Um pouco de melancolia faz bem à alma, faz bem à mente, faz bem ao espírito. Um pouco de melancolia ajuda-me a fortalecer o corpo, deslumbrar luzes e caminhos. Um pouco de melancolia me fortalece e inspira...

Não é que eu esteja melancólico, raramente fico, a vida fortaleceu-me e ensinou-me os atalhos para eu evitar ficar melancólico. Estava pensando em meus pais agora. Pensando como deve ter sido a cabeça deles enquanto viviam nesta dimensão... Não tivemos oportunidades para troca de carinhos, cedo nos perdemos de nós, e nos perdemos vivos, muito tempo depois nos perdemos com a morte.

Estava pensando agora em meus pais, como foi a cabeça deles sabendo que eu existia sem existir para eles? Acho que em alguns momentos eles sofreram, acho até que em alguns momentos eles choraram. Eu queria saber como seria a voz deles em momento de carinho, nunca soube, nunca saberei.

A falta que me faz não me faz falta.

Eu tenho vontade de saber um pouco da vida deles, curiosidade passageira, eu sei. Um dos meus momentos de melancolia em vez de tornar-me triste, faz-me escrever, me inspira, as vezes, agradeço eles terem me tratado como me trataram... Será que eu seria tão desapegado a certas coisas como sou e teria a consciência de necessidades que eu tenho? Será que eu compreenderia as dores como eu compreendo se tudo fosse diferente?

Não sei como era, para os meus pais, deitar numa cama, sobre um travesseiro, sem saber como eu me deitava, como eu me escondia do frio, da chuva, das tormentas do inverno e das loucuras do verão. Nunca tive oportunidade de conversar com eles e nunca terei, não sei se quando eu chegar do outro lado teremos vontade de conversar ou nos lembraremos quem fomos nós nesta dimensão... Nem sei se existe o outro lado.

Gosto desse meus momentos que eu não gosto.

Foram esses momentos que me tornaram forte. Eu gostaria de saber deles tantas coisas e de todas as coisas que eu gostaria de saber deles, a principal jamais saberei, jamais saberei "por que"... Jamais saberei o porquê teve que ser assim, nem sei se me interessa saber, foi apenas um momento de curiosidade. De repente fiquei curioso em saber... Será que meus pais também sentiram vontade de conversar comigo, algum dia?

Um pouco de melancolia faz bem à alma. Pelo menos à minha alma faz bem. Não preciso agradecer aos meus pais minhas conquistas e nem culpá-los das minhas perdas. Não preciso creditar às minhas dívidas os seus sacrifícios por mim. Não preciso me condenar por jamais ter dito "amo você" e por jamais ter ouvido deles "amo você". Nesse quesito estamos quites, não nos devemos declarações de carinho.

Não quero saber o que eu quero saber.

Sigo em frente sem saber se um dia meus pais sentiram vontade de ter sido meus pais ou eles se acostumaram com a ideia de que jamais foram meus pais, que jamais fui seu filho. Esse é um momento de melancolia fazendo nascer uma reflexão, somente.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: O rótulo da garrafa de vinho ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Não me provoquem depressão ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Eu quero ser adotado, por favor, me adote... ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Eu pensando em você ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Quando a tarde parece que dorme ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Canto a um momento de melancolia ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O nascer do amor ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Tentações ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Lágrimas e lágrimas ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Violência contra a mulher não é somente o murro que transfigura ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O valor de um ponto ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Xis da questão ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Saudade de quem amo ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: A ultima pedra ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Já vi anjos ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Palavras de um Anjo ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Saudade dos olhares ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Uma das minhas namoradas ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Aposentando a aposentadoria ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Você, o amor de minha vida ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo