-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Crônicas e Poesias
 
Fabiana Barros

[ Fabiana Barros ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Jornalista, contista, escritora e palestrante. Escreveu roteiros para televisão e cinema, além de musicais infantis. Autora de diversos livros.

 

Tecido Social


    Quem saberia definir a palavra felicidade num mundo tão globalizado e repleto de modelos a serem copiados? Antigamente ser feliz era mais simples, não dependia de marcas, de curtidas e flashes. Era ter coragem de ser... E ter não valia tanto. Os poetas cresciam e nasciam nas calçadas, na beira do mar. E as estrelas tinham o papel de guiar os viajantes e aventureiros, os mesmos que venciam o medo em nome de um grande amor ou aventura.

  O progresso chegou e com ele as distâncias parecem mais curtas, mas na realidade ficaram mais longas. As caminhadas se resumem a viagens virtuais e a felicidade em algo a ser atingido e conquistado num futuro distante. Os sonhos são deixados para trás dentro de gavetas e manuscritos. É mais importante ter dinheiro para gastar, coisas para comprar e amigos no Instagram e no Facebook. Twittar toda hora e postar tudo que pensa, faz ou vê, mas esquecem de tentar enxergar o próprio modo de viver. A vida passa rapidamente e o tempo carrega com ele as oportunidades de sorrir, de abraçar um amigo, de recordar memórias de um passado bom, de ler um livro e tirar retratos com seres humanos que exercem a humanidade, sendo quem são...HOMENS.

  A felicidade pode ter várias cores e tamanhos. Cada um tem um conceito e segue padrões ou não se curva a modelos, simplesmente cria a sua própria maneira de ser feliz. Cultivar novas amizades, focar no que é realmente importante, não reclamar, cultivar a gratidão e o entusiasmo, meditar, praticar exercícios físicos, ser solidário, sentir empatia e compaixão, nutrir uma nova paixão, abraçar mais, sorrir, mesmo diante das dificuldades, estar sempre entusiasmado, criar sonhos e novas metas e ter fé na vida e em si mesmo. Na verdade não existe uma fórmula eficaz e única, um padrão para alcançar a felicidade. Você precisa apenas ter coragem de sair da sua zona de conforto e encontrar motivos para continuar caminhando e vivendo, um objetivo na vida, costurar sonhos e uma liberdade de ser e sonhar. 

  O tecido social somente será construído quando houver um empenho de cada ser humano em olhar para o outro e não somente para si mesmo. Derrubar fronteiras, muros, preconceitos e maneiras engessadas de pintar o mundo com as suas próprias cores. A vida e a felicidade de todo homem depende dele e da união das raças em nome de um sentimento que está sendo banalizado a cada dia: o amor. Falta amor nas ruas, nas famílias, nas cidades e nas mentes. Vamos transformar o mundo num lugar mais solidário, mais verdadeiramente humano e pacífico. Costurar um tecido social mais resistente, onde as pessoas sejam respeitadas em todos os lugares independentemente da raça e credo e das preferências. Somos todos seres humanos e a nossa humanidade e sobrevivência depende das relações sociais e da boa convivência entre os homens. Vamos compartilhar amor, paz, compaixão, ternura e gentileza diariamente... O planeta está pedindo socorro.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Quê?! ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Desmoralização do Brasil ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Pena, piedade, comiseração ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Um pequeno príncipe sonhador ( Crônicas e Poesias - Fabiana Barros )

:: Tanto lá como cá ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Quero ser alguém na vida ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Tecido Social ( Crônicas e Poesias - Fabiana Barros )

:: Para onde vão as flores mortas ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Frutas podres na feira ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Decadências ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Forte, fortaleza ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Vida é algo que ainda nem sei. ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Crisálida ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Borboletas e poesia ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Bonecas de carne ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: A minha arte de lidar com o mundo ( Crônicas e Poesias - Fabiana Barros )

:: Eu, um privilegiado ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O rótulo da garrafa de vinho ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Não me provoquem depressão ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Eu quero ser adotado, por favor, me adote... ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo