-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em X Diversos
 
Nylton Batista

[ Nylton Batista ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Redator de jornal há cerca de vinte anos. Também escreve contos, alguns dos quais publicados em antologias.

 

Arma mortífera

Dizem  que Deus é brasileiro, e deve ser mesmo porque para um país continuar de pé em meio a tantas adversidades, só mesmo com proteção extra-divina, mas, ao que parece, o diabo dá plantão nas ruas, avenidas, rodovias e redobra sua ação, insuflando mais imprudência e irresponsabilidade, especialmente durante os feriados prolongados. Como não consegue derrubar o país com a politicalha, má-administração pública e corrupção, impõe pesados tributos sob a forma de vidas, inocentes, honestas, produtivas e com grande potencial de contribuição ao bem coletivo.
Só mesmo sob influência contrária à vida, jovem de vinte e dois anos, alcoolizado, assume a condução de veículo e, em alta velocidade, passa trafegar na contramão de movimentada avenida. A tragédia que vitimou empresário, pai de família, na madrugada da primeira sexta-feira de fevereiro, em movimentada avenida de Belo Horizonte, não é fato isolado e, se ao seu causador, não pesar a conseqüência do ato, também não será o primeiro a ser privilegiado com a impunidade.
Irresponsabilidade semelhante é comum desde que o automóvel, extrapolando sua função de transportar, converteu-se em símbolo de força e poder nas mãos de cidadãos imaturos, motoristas herdeiros do despreparo com o qual se fez a transição da sela, charrete, carroça e carro-de –bois para o automóvel. Ironicamente, a tragédia aconteceu quando acabava de ser proibida a venda de bebidas alcoólicas, nas rodovias federais, e apresentada pelo governo proposta de endurecimento do Código Brasileiro de Trânsito. A persistência da violência no trânsito tem como causa, a falta de preparo (educação) da população - conforme dito antes - a falta de autoridade na coibição dos abusos, a aplicação da lei conforme qualificação do causador, e a impunidade. A venda de bebida alcoólica já foi proibida às margens das estradas, mas por óbvias razões não funcionou e, a julgar pelas exceções que surgem desde a recente proibição, também não vai funcionar desta vez. É oito ou oitenta; proíbe-se ou não se proíbe!
 É claro que não se bebe somente em estabelecimentos à beira da estrada, mas faltando bebidas nesses locais, boa redução nas ocorrências de embriaguês ao volante pode ser conseguida. E aqui, antes de fiscalização severa, requer-se consciência cidadã e solidariedade humana de quem se estabelece à margem de rodovia porque, indiretamente, uma simples dose de bebida pode estar por trás de grandes tragédias. Não é só questão de burlar a lei, mas de causar mortes, invalidez e muito sofrimento.
Quanto ao volume máximo de bebida, desse ou daquilo tipo, que pode ser ingerida sem comprometer as reações do indivíduo, considero temerária a fixação de limites. Cada pessoa tem seu nível de tolerância à bebida alcoólica e há quem, ficando dentro dos limites considerados seguros, pode ter seus reflexos comprometidos. E essa tolerância pode variar também no mesmo indivíduo, em momentos diversos, conforme a disposição de seu organismo. A lei deve ser de tolerância zero à bebida alcoólica diante do volante! Para provocar grande tragédia no trânsito nem é preciso embriaguês visível, e não se sabe de antemão quais serão as conseqüências da embriaguês, provocada seja pelo máximo ou mínimo de álcool no sangue. E muito menos se pode fixar os danos mínimos de um acidente.
Veículo nas mãos de alguém sob efeito do álcool não é meio de transporte! É arma mortífera!





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: A finitude humana ( X Diversos - Fabiana Barros )

:: O apocalipse nas mãos dos homens? ( X Diversos - Jorge Azevedo )

:: Aprendizado ( X Diversos - Luiz Martins )

:: Ensaio sobre a surdez ( X Diversos - Elisabeth Camilo )

:: Metas ( X Diversos - Luiz Martins )

:: O que é mais importante, ser inteligente ou ser esforçado? (II) ( X Diversos - José Menegatti )

:: Algumas explicações ( X Diversos - Sivaldo Venerando )

:: Feliz Ano Novo Ano Novo: Happy New Year ( X Diversos - Luisa Lessa )

:: Sociedade secreta para o emprego ideal ( X Diversos - Sílvia Sena )

:: Você está criando ou adiando o futuro? ( X Diversos - Ivan Postigo )

:: Descrição do amor ( X Diversos - Patrícia Cozer )

:: Um dia bom para falar de sacanagem ( X Diversos - Jorge Azevedo )

:: os apreciadores da cachaça e os hipócritas de plantão. ( X Diversos - Pedro Agostinho )

:: Descaso de recepcionista ( X Diversos - Patrícia Cozer )

:: A Sapiência do apedeuta x evolução ( X Diversos - Luiz Phelipe )

:: O valor das pequenas coisas ( X Diversos - José Flôr )

:: Afinal, somos o país do carnaval, do futebol ou da bundalização? ( X Diversos - Pedro Agostinho )

:: Campo Santo: Entre a Vida e a Morte! ( X Diversos - Albino Sobrinho )

:: Carta aos Chicos, Joãos, Marias, Carolinas... II ( X Diversos - Farid Houssein )

:: Tecnologias, Comemorações e Vida ( X Diversos - Virgínia Origuela )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo