-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Crônicas e Poesias
 
Almir Moreira

[ Almir Moreira ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Politicamente Correto, eis a questão.

 

Reflexão

Hoje, acordei de madrugada, andando pela casa escurecida, um mundo longinqüo, onde o barulho das corujas vairavam a noite quebrando o silêncio do remanso da lua.
Sozinho, na sala, ascendo a lareira e procuro me entender, vivia conflitando comigo mesmo, sobre o sentido das coisas¹, o que sou, de onde vim e por que estou vivo, e atormentado pela minha conciencia.
Conciencia pouca, a virtude dos jovens, pensar pouco, agir mais. Tenho a conciencia dos loucos; -Sim, os loucos possuem conciencia, sonhos, seus fantasmas
A obscuriedade de meus laços mentais priorizam o não-ético. Textos sem nexo, porém logísticos, observados aos olhos de dementes.
Me sinto como um animal ! -NÃO!! Sou pior que um animal, um vírus que à cada suspiro, vegeto em minha vida as custas dos problemas dos outros e do cotidiano das cidades.Gosto das perguntas, elas me envolvem, pois quando quero viver das incertezas e esquecer as coerencias bastadas da vida; Do homem.
Homens não vivem, eles repetem seus passos, não se entendem.
Hoje, meus professores idiotas falam aos meus ouvidos, pensam que o mundo giram ao redor deles, sou uma pessoa que possui antipatia por mestres.. e não nego.
Para mim, são pedras que passam ao meu caminho.-Passam para ficar, pois possuem coerencias absurdas que nem as pedras, ao qual, seu objetivo é ficar imóvel vendo o mundo passar.(Estou falando dos professores ao qual meu gosto sempre foi o mesmo, e que nunca irá mudar, ou seja, que sempre detestei.)
Sei que minha vida escurece a cada momento, os tormentos chegaram e eu os estou vivendo.
Minhas forças estão poucas, sou um carro sem bateria, imóvel, frustrado.
Idiotas, as pessoas são idiotas, as pessoas são hipocritas, e como o general ditador citou:
-"Prefiro o cheiro dos cavalos aos dos homens"
Eu prefiro nao citar nomes, nao mercem tamanha atenção, não digo que minha atenção deve dar-se aos puros de sangue, NÃO! À cada dia é uma morte, já que me sinto um morto andando pelos vales da obstinação!
Obstinação fracassada, derrotada.
Digo-me que perdi, mas há sempre algo iludido querendo lutar, que fracasso!
Preciso morrer logo, sofrer logo o mais rápido possivel, as atenções voltadas para as noite mal dormidas voltaram e ele sofre.
Ele, que de tão certo, preferiu o incerto, agora ele vive as incertezas voltadas para seu próprio apogeu; Eis o apocalipse"
Ele vem e está próximo, os certos pagarão por suas mentiras escondidas e seus julgamentos fúteis, idiotas, egocêntricos. -E, nesse dia irei ficar no alto, irei vos julgar, derrotar, e permanecer injusto, pois as injustiças sofridas nunca vão, elas sempre marcam, afagam seu proprio ser. Essas delongas idiotas são apenas palavras ditas no proprio ser de alguem sofrido e temeroso, nada disso faz seu estado piorar, pois o derrotado está mais do que derrotado, morto! Ando pelos vales de meus proprios males, sei de meus pêsames e minhas regras, não posso esquecer daqueles que odeio. Ja viu algum morto odiar? Nem a morte afeta meus sentimentos, elas vão comigo e com ele para sempre, para que um dia posso dar-lhe seus atos promiscuos à alguem já derrotado, não morto. Não sei quanto tempo poderei guardar tantas angustias, acho que irei fazer minha propria caixa, lacrada com fantoches de meus sonhos, meus inimigos.
Eu mesmo, não entendo por que tanto odio, por que?
Diga-se que a maldade já vive no recem-nascido até aos velhos idosos ja vividos.
Já nao se sabe o dia de amanha, se iremos amar, rir ou chorar. Os dias já estao editados e bem regravados, já disse, vivemos em um cliclo, o que nos mata"
Dizem que sou um perdedor, e claro, nao nego!
Um perdedor não é tão ruim assim, pois ele ja sabe e se contém, porém há outros que passam ser pessoas bem vividas e de boa classe espiritual boa. Grande fachada.
A locução de suas palavras é tremida e possui medo de nao ser mais o que sempre tentou se passar.
Na verdade, o sofrimento é maior, mais perto do abismo sem salvas de segurança. Para eles, a morte é mais próxima, e mais rejeitada.
Sempre fui assim, direto e nao nego, imperfeito por total e gosto das criticas.
Não posso fazer nada em minha "vidinha", pois nunca houve reação dos outros que dizem me amar.
Estou farto de viver as falsidades enlouquecedoras desses hipocritas sorrateiros, sugadores da vida.
Estou cansado de viver, pois onde ando, sempre existe algum por aí sugando sua existencia, sua moral.
Não há como viver em um mundo desse, espaços pequenos, espelhos por todos os cantos retraindo as sombras imensas dos outros, dos quais procuram se beneficiar a custa de sua vida.
Já tentei, por diversas vezes procurar sentir, porque isso acontece, mas previ que ia e me iludi, não ha saidas para esse caminho que a cada vvez se torna mais escuro, mais imperceptível dos olhos de quem o procura ver, a bipolaridade existe e ela está conosco.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Eu pensando em você ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Quando a tarde parece que dorme ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Canto a um momento de melancolia ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O nascer do amor ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Tentações ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Lágrimas e lágrimas ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Violência contra a mulher não é somente o murro que transfigura ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O valor de um ponto ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Xis da questão ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Saudade de quem amo ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: A ultima pedra ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Já vi anjos ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Palavras de um Anjo ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Saudade dos olhares ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Uma das minhas namoradas ( Crônicas e Poesias - Osvaldo Heinze )

:: Aposentando a aposentadoria ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Você, o amor de minha vida ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: A energia do chão ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: Palco ou plateia ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )

:: O amor é um sentimento interino ( Crônicas e Poesias - Jorge Azevedo )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo