-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Humor
 
Jurandir Araguaia

[ Jurandir Araguaia ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Escritor goiano. Premiado no Concurso FC do B - Panorama 2006/2007 (www.fcdob.com). Publica textos que tratam com bom-humor o cotidiano, quando a situação permite, e mordiscando universos fantásticos...

 

Até que o Ronco os Separe!

- Você ronca.

- Eu não.

- Ronca sim. E ronca muito...

Eu a encarava enquanto as olheiras moldavam seus olhos insones. Linda, muito linda, apesar do cabelo mal arrumado, da falta de batom e do olhar cansado de peixe morto. Segurava uma caneca de porcelana de café com leite. Sorvia a bebida lentamente enquanto, provavelmente, na sua cabeça arranjava uma maneira menos selvagem de alertar-me para o problema que poderia por fim a uma relação perfeita.

- Você tem que dar um jeito.

- Eu? Mas o que eu posso fazer? – dizia isso enquanto passava a manteiga no pão.

- Procure um médico.

Creio que cabe aqui uma pausa pertinente. Existem muitas diferenças entre homens e mulheres. Algumas são evidentes, mas a grande maioria é sutil, disfarçada sob um código de conduta nem sempre transparente. Minha doce e gentil esposa queria acabar com meu ronco, mesmo que nisso resultasse minha própria extinção. Retornou ao assunto de modo lateral, correndo pelas beiradas como uma enxurrada.

- Sabe a Mariana e o Antônio?

- Hum. Hum. – cabe aqui outra pausa pertinente: o ¨hum, hum¨ é uma forma masculina e sensata de dizer um montão de coisas sem entrar nos mínimos detalhes. Dois homens podem conversar durante horas simplesmente trocando ¨huns,huns¨, enquanto este feito seria inconcebível para as mulheres.

- Estão dormindo em quartos separados.

- Jura? – e novo pedaço de pão com manteiga era preparado. Olhava-me de modo fulminante com a caneca nas mãos, cotovelos na mesa e a camisola de algodão grosso com mangas compridas cobrindo o belo corpo.

Eu sabia exatamente o que ela queria dizer. Essa é mais uma das sutis diferenças: homens costumam ir direto ao ponto, já as mulheres, ficam dando voltas em um eterno carrossel. A gente, se quiser, tem que adivinhar. Se o diálogo inicial fosse entre dois machos obrigados a dividir um quarto, seria mais ou menos asssim:

- Ô mano véio! Ou tu para de roncar ou te jogo pela janela! – pronto, tudo simples, direto e funcional, sem voltinhas ou rodeios.

Fiquei o resto do dia preocupado, é claro, mas sem a histeria típica das mulheres. Durante a folga do trabalho, tenho que escrever assim, por que o chefe pode estar lendo a coluna, deparei-me com uma notícia redentora. Tratei logo de copiar, colar e imprimir. Sentia-me aliviado e poderoso, ansioso para voltar para casa. Descobrira a solução do problema. Cheguei em casa e já fui logo chamando:

- Benzinho...

Mostrei a notícia enquanto ela assistia à novela das sete no sofá e ficando aconchegado ao seu lado.

- Leia, leia...

Enquanto lia a notícia, via seu semblante ficando pálido e irritadiço. A matéria dizia que antropólogos afirmavam que os roncadores, na verdade, são os sobreviventes dos tempos ancestrais. Imagine 30 homens da caverna roncando juntos. O barulho era ensurdecedor e dava aos predadores noturnos como os lobos, leões e tigres-dente-de-sabre, a impressão de que uma colossal fera estava dormindo por ali. Dessa maneira a tribo roncadora sobrevivia. Enquanto isso, a tribo dos não roncadores ao lado era devorada ou quase dizimada. Dessa forma, sou um sobrevivente, um herdeiro dos bons genes responsáveis pela sobrevivência da nossa espécie. Abracei-a com carinho triunfante. Viva Darwin! Ela jogou a notícia de lado e não emitiu nenhum comentário. Dois minutos depois disse:

- Ou você dá um jeito ou te jogo pela janela!





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Pequeno Dicionário das coisas que eu amo ( Humor - Alexandre Andrade )

:: Odeio o que se faz no MSN - Parte 1 ( Humor - Juliana Ladeira )

:: O Trânsito sem o Homem ( Humor - Jurandir Araguaia )

:: Entre Serra e Dilma... ( Humor - Jurandir Araguaia )

:: Aprendendo chinês ( Humor - Camila Santos )

:: Mandioca nos cornos ( Humor - Roberto Villani )

:: Celular foi feito pra perder ( Humor - Sandro Miranda )

:: As Incríveis Vantagens de Envelhecer ( Humor - Jurandir Araguaia )

:: Apresentando o Pai da noiva ( Humor - James Garden )

:: Receita de pesadelo para héteros ( Humor - Abilio Machado )

:: Querido papai Lulel ( Humor - Alexandre Costa )

:: Em Busca do Humor ( Humor - Jurandir Araguaia )

:: Piadas do Final de Semana ( Humor - Rodolfo Nunes )

:: Haja imaginação ( Humor - Priscila Magalhães )

:: Toim Muriçoca ( Humor - Gilson Pontes )

:: Casos de outrem ( Humor - Priscila Magalhães )

:: Duas anedotas em versos ( Humor - Paulo Hijo )

:: Água e chapinha não se misturam ( Humor - Vanise Macedo )

:: O que a crítica diz sobre a autora ( Humor - Sylvia Marteleto )

:: A freira e o taxista ( Humor - Abilio Machado )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo