-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Humor
 
Jurandir Araguaia

[ Jurandir Araguaia ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Escritor goiano. Premiado no Concurso FC do B - Panorama 2006/2007 (www.fcdob.com). Publica textos que tratam com bom-humor o cotidiano, quando a situação permite, e mordiscando universos fantásticos...

 

Meu marido, traste!

    - Odilon, vai fazer a feira. – ele ia.
    - Odilon, vai ao banco. – lá vai ele, de novo.
    - Odilon, põe o lixo para fora. Dá banho no cachorro. Mata a barata, mata! – a lista não tinha fim. Ia de um simples copo d´água a espanar o carpete e descascar batatas. Zélia assumia o controle da casa e da vida do marido. Estava no topo do mundo e podia abrir os braços no Titanic deixando o vento bater na cara.
    Nas festas iam juntos. Frequentavam a alta sociedade. Zélia nasceu no seio de uma das mais influentes famílias da região. Odilon era o alpinista social, rapaz estudioso e trabalhador que se apaixonou por ela ao cuidar da papelada da família. Mesmo no namoro era ela quem dava as cartas:
    - Vai, Odilon, avança. – ele avançava e deu em casamento.
    Por economia, visto Zélia odiar empregada, na verdade, o que temia, era que Odilon se interessasse algum dia por outra, viviam sozinhos e ele fazia a faxina.
    - Impossível, diziam os amigos e eu dentre eles. Odilon é um santo. – usava um par de óculos redondos de lentes grossas.
    - Aquelas lentes param até tiro de fuzil, contávamos.
    Ao descer no elevador, ela na frente, segurando o Lulu nos braços, um Chiuaua irritante com latido impertinente e estridente, abria caminho impávida e poderosa. Ele vinha atrás, carregando a malinha do cachorro com apetrechos para um bebê. O destino quis que nunca tivessem filhos, para tristeza do rapaz que sonhava em ter um garoto ou garota ou muitos de ambos.
    - E acabar com meu corpo, Zélia dizia às amigas. E o tempo passou e envelheceram e não vieram filhos.
    - O sujeito só olha para baixo, ombros encolhidos, amarfanhado apesar da boa costura e dos sapatos italianos. Chega a dar dó e um nó na garganta. – o sonho de todos os homens era assumir a posição de Odilon e dar um chega em Zélia.
    - Este é o meu traste, apresentava-o assim nas festas aos poucos que não o conheciam. As pessoas solidarizavam-se com ele. Ficava a um canto da mesa encarando os copos e passando o dedo indicador por horas ao redor do bocal até que Zélia o chamasse para ir embora.
    Foi o amigo Amadeu quem deu um toque:
    - Sai dessa rapaz, vira a mesa. Mulher gosta de homem mala, vigarista, que faz sofrer. – mudou logo de assunto, durante uma caminhada que os casais faziam ao ver Zélia chegando:
    - Do que os meninos falavam? – interferiu Zélia.
    - Do Palmeiras, Amadeu sacou rápido. – a megera não gostou, viu o rosto de Odilon corar e os olhos encararem o chão, como de costume.
    Uma semana depois a bomba correu a cidade:
    - Odilon deixou Zélia. Como?
    Uma noite ele chegou em casa e, vasculhando gavetas da mulher, encontrou. uma após outra, receitas de anticoncepcionais. Acreditava que ele era o infértil, no que a dama acrescentava:
    - Inútil você: não serve nem para me dar barriga!
    Jogou tudo na cara da mulher. Pisou firme. Desfiou um rosário de desabafos que a fizeram calar e, dizem, pediu perdão com lágrimas nos olhos. Uma vizinha disse que ao sair do apartamento, viu a mulher se arrastando no chão puxando-o pela barra da calça:
    - Fique, meu amor, fique. Eu vou mudar, eu prometo que vou mudar...
    Um ano depois e podemos ver o Odilon correndo no Parque ao lado de uma morena linda de dar nó. Casaram-se. Fez uma cirurgia e largou os óculos. Perdeu a barriga, fez musculação. Está em forma.
    - E a Zélia?
    - Foi vista pela última vez na sacada, vestida de negro e com um véu a cobrir o rosto dando mamadeira para o chiuaua. Dizem que fala sozinha murmurando: volte, querido, volte...





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Pequeno Dicionário das coisas que eu amo ( Humor - Alexandre Andrade )

:: Odeio o que se faz no MSN - Parte 1 ( Humor - Juliana Ladeira )

:: O Trânsito sem o Homem ( Humor - Jurandir Araguaia )

:: Entre Serra e Dilma... ( Humor - Jurandir Araguaia )

:: Aprendendo chinês ( Humor - Camila Santos )

:: Mandioca nos cornos ( Humor - Roberto Villani )

:: Celular foi feito pra perder ( Humor - Sandro Miranda )

:: As Incríveis Vantagens de Envelhecer ( Humor - Jurandir Araguaia )

:: Apresentando o Pai da noiva ( Humor - James Garden )

:: Receita de pesadelo para héteros ( Humor - Abilio Machado )

:: Querido papai Lulel ( Humor - Alexandre Costa )

:: Em Busca do Humor ( Humor - Jurandir Araguaia )

:: Piadas do Final de Semana ( Humor - Rodolfo Nunes )

:: Haja imaginação ( Humor - Priscila Magalhães )

:: Toim Muriçoca ( Humor - Gilson Pontes )

:: Casos de outrem ( Humor - Priscila Magalhães )

:: Duas anedotas em versos ( Humor - Paulo Hijo )

:: Água e chapinha não se misturam ( Humor - Vanise Macedo )

:: O que a crítica diz sobre a autora ( Humor - Sylvia Marteleto )

:: A freira e o taxista ( Humor - Abilio Machado )
 
 
LiveZilla Live Chat Software

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo