-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Cidades
 
Pedro Cardoso

[ Pedro Cardoso ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
É crítico contumaz da inércia da sociedade brasileira nas várias questões de cidadania, especialmente com relação à morosidade vergonhosa das Justiças brasileiras.

 

Pichação é crime

Não existe uma cidade brasileira que não sofra de pichações. Essa prática passou a ser exacerbada a partir da década de 80 quando passou a ser encarada como diversão e disputa entre gangues das cidades. Em São Paulo, por ser a maior do país, ficou mais evidente a destruição, a ponto de não haver um muro limpo, antes da lei Cidade Limpa, aprovada na atual gestão.

Além das pichações, acentuou-se a utilização dos muros como meio de propaganda de tudo. Passou a ser um comércio e isso tornou as cidades verdadeiros corpos cobertos de tatuagens. Um espetáculo deprimente para os olhos de todos. Não existe prédio, muro, até igrejas e hospitais que escapem do vandalismo gratuito.

Como sempre, as autoridades só culpavam a má formação dos vândalos e passaram a chamar pichação de grafite. Mera forma de arte o que era pura sujeira. Um ou outro na propriedade de quem não autorizou, torna-se uma coisa só, que é a deterioração do patrimônio alheiro.  Existem até locais com pedido para que não pichem, pois o proprietário contribui com determinada associação social, numa demonstração escancarada de rendição.

Na cidade de Campinas, interior de São Paulo, existe um comunicado na televisão com alerta de que pichação é crime.

Para deixar claro a todos, as autoridades deveriam ter esclarecido essa figura penal de dano, prevista no Código Penal de 1940, por todos os meios de comunicação.  Está definido no artigo 163 “destruir, inutilizar ou deteriorar coisa alheia”, com pena de detenção de um a seis meses e multa. Trata-se de pena muito branda, pois nenhum proprietário aceitaria como razoável ter sua casa deteriorada após uma pintura recente, a preferida desses vândalos, por essa punição insignificante.

Tamanho é o domínio dos bandidos, que não tem uma escola pública em São Paulo com muro limpo. Certa vez, indaguei à Secretaria de Educação do Estado como proceder para fotografar uma só escola limpa. Disseram-me que era com a Delegacia de Ensino, que repassou a cada escola. Ninguém quis assumir que não existia. É a rendição total do Estado brasileiro em todas as áreas sociais. Os pichadores fazem o que querem, destroem o que querem, sem nenhuma resistência, sem nenhum combate estatal. Ao menos poderiam colocar câmeras em locais mais visados, que os órgãos públicos conhecem muito bem. Mas nada foi feito de efetivo, prova disso é que as cidades estão detonadas, sem ninguém ter sido preso por isso. Por enquanto, fica o alerta de que, sem nenhuma dúvida, pichar é crime.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Sistema Municipal de Cultura de Itabira ( Cidades - Mauro Moura )

:: O Amor meio correspondido ( Cidades - Mauro Moura )

:: Ariano Suassuna, Ouro Preto e a Cadela Branquinha ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: Exemplo a ser seguido pensando na segurança dos usuários de bancos ( Cidades - Wallace Moura )

:: Participe bella do 40º Festival de Inverno de Itabira ( Cidades - Mauro Moura )

:: Ouro Preto, Trânsito e a Casa da Mãe Joana ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: Segundas-Feiras em Ouro Preto: desmotivação para turistas e perda imensa de receitas a partir do turismo ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: Pra frente, Brasil. ( Cidades - Mauro Moura )

:: Viver em Ouro Preto ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: A Sociedade do Espetáculo II ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: PAC das Cidades Históricas, Itabira continua em esforço de guerra ad eternum ( Cidades - Mauro Moura )

:: Duplicação da BR 381, remendo em pano velho ( Cidades - Mauro Moura )

:: Itabira em esforço de guerra ad eternum ( Cidades - Mauro Moura )

:: Recife e Salvador são as cidades mais difíceis de conseguir emprego ( Cidades - Isis Nogueira )

:: O grande baile, as princesas e o príncipe da paz ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: Ouro Preto - A Cidade sem Semáforos ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: A SMACON e seus paradigmas ( Cidades - Mauro Moura )

:: Presente de final de ano ( Cidades - Mauro Moura )

:: Incêndios em Ouro Preto ( Cidades - Elisabeth Camilo )

:: Jardim de plástico ( Cidades - Mauro Moura )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo