-- Animais & Cia
-- Atualidades
-- Cidades
-- Ciências e Tecnologia
-- Coluna Social
-- Crônicas e Poesias
-- Educacao
-- Empresarial
-- Entretenimento
-- Esportes
-- História e Literatura
-- Humor
-- Informática
-- Internacional
-- Jovens
-- Justiça & Direito
-- Meio Ambiente
-- Pais e Filhos
-- Política
-- Religião Cristã
-- Religião Outras
-- Sexo
-- Terceira Idade
-- Turismo
-- Vida e Saúde
-- X Diversos
.

 
 

Você está em Pais e Filhos
 
Sílvia Sena

[ Sílvia Sena ]   Veja o Perfil Completo deste Colunista
Sempre estudei em escolas estaduais do municipio...

 

Amamentação

Amamentação 
com ou sem musiquinha?


Toda mãe canta pro seu filho em algum momento da vida, uma musiquinha; pra acalmar, pra dormir,ou simplesmente, por  ela se acha uma excelente cantora.

Algumas dessas musiquinhas realmente têm o intuito de ajudar a criança a relaxar, mas outras... por exemplo: Nana neném, que a cuca vem pegar...Imagina que dó do coitadinho, ta tentando dormir e a mãe diz que um bicho ou sei lá o que vai pegar ele. Imagine que sonhos ele vai ter?

Mas também isso não justifica mudar as letras das músicas que foram deixadas por nossas mães, avós, bisavós, etc., na maioria das vezes essas músicas são de autoria desconhecida. Mas enfim esse texto não é para criticar as músicas ou seus autores, e sim pra ressaltar que o carinho da mãe é muito importante para seu filho e para ela também, e  é muito importante que seja expressado da melhor forma possível. A amamentação é um ponto muito importante de transmissão de carinho, afeto e uma alimentação saudável, esse ato de amor é realmente mágico, e os bebês devem ser amamentados o maior tempo possível.

É raro hoje em dia quem passe do sexto mês amamentando, pois o cotidiano das mulheres modernas, com trabalho e outros afazeres,  já não são como antigamente, mas é claro que isso não justifica, deixar seu filho para segundo plano. Hoje em dia algumas mães sabendo da importância da amamentação, fazem verdadeiros malabarismos para não deixarem de amamentar seus bebês, por algumas vezes saindo do trabalho em algumas horas do dia para irem até a creche ou casa para manter ainda que por menos vezes ao dia, a amamentação, é claro que o leite materno pode ser tirado com uma bombinha e oferecido ao bebê em uma mamadeira.

Mas boa parte do ritual da amamentação fica de lado, o contato de pele, aquele olhar envolvente do bebê para mãe enquanto suga o leite. A transmissão de pensamento nesse momento é como se realmente houvesse uma voz a dizer o tempo inteiro “te amo mamãe, por isso estou aqui” e nesse momento talvez ainda caiba uma daquelas musiquinhas pra aumentar ainda  mais a interação entre mãe e filho. Há algumas empresas, em sua maioria de grande porte, que têm creches,onde as mães podem estar mais próximas de seus bebês, mas ainda não está a contento, os empresários deveriam pensar um pouco mais na hipótese de terem meios de manter os filhos de suas funcionárias mais próximos das mesmas, pois com certeza o bebê que é amamentado também desenvolve melhores sentimentos, e  além de crescerem mais saudáveis ainda se tornam seres humanos melhores, pois aprendem a amar desde as primeiras horas de vida.

A mães têm 4 meses de licença remunerada de seus empregos previsto em lei da constituição Brasileira artigo 7º inciso VXIII , que  pode e deve dedicá-los realmente a seus bebês, ainda há uma emenda à  lei de   nº 11.770 de 09/09/2008  que refere-se ao aleitamento materno que confere a mãe mais dois meses(além dos 4 meses de licença maternidade) destinado a amamentação, mas isto por enquanto vale apenas para funcionárias públicas.

De acordo com informações colhidas no site:
http://www.dgs.cbmerj.rj.gov.br/modules.php?name=Content&file=print&pid=95
Funcionárias de empresas particulares devem negociar essa licença com seus empregadores, que não ficarão desamparados por colaborarem com essa lei,  a partir de 2010, por que a mesma diz que os salários pagos por esses dois meses  de prorrogação da licença, poderão ser reavidos pelos empregadores através de impostos.





Você gostou deste artigo? Então compartilhe com seus amigos:

 
Facebook
Twitter: Google+

-------------------------------------------------------------------------------------------------------
s
s
------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O botão de comentário acima irá acionar o colunista para te postar uma resposta sobre o comentário. Ou, se preferir, comente usando seu perfil do Facebook:




:: Videogames: a consolidação do hedonismo. ( Pais e Filhos - Roberto Bastos )

:: E quando os filhos crescem o que a mãe faz ? ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: Quando a perda alheia nos modifica ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: Maldita Revolução Sexual – Parte 2 – O mal institucionalizado. ( Pais e Filhos - Roberto Bastos )

:: A diferença entre satisfação e felicidade ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: Casais sem filhos ou o momento históricos para tê-los. ( Pais e Filhos - Roberto Bastos )

:: O que dizer aos filhos quando eles atingirem a maturidade? ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: Conciliando o trabalho e a maternidade... ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: O consumismo na adolescência... ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: A juventude atual sabe lutar por espaço na vida? ( Pais e Filhos - Luisa Lessa )

:: Laços de ternura ( Pais e Filhos - Tom Coelho )

:: A etiqueta e nossos filhos ( Pais e Filhos - Roberto Bastos )

:: Aproveitando melhor o tempo ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: O preço do caráter ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: Pequenos Cidadãos? ( Pais e Filhos - Roberto Bastos )

:: O exemplo dos pais e os fabricantes de vagabundos. ( Pais e Filhos - Roberto Bastos )

:: Sofrimento de filho ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )

:: Pais ensinam filhos a desrespeitar leis e éticas ( Pais e Filhos - Jorge Azevedo )

:: Família e o uso da genealogia (as raízes das sequóias). ( Pais e Filhos - Roberto Bastos )

:: As influências recebidas no convívio diário ( Pais e Filhos - Carlo Dionei )
 
 

 


   



Site administrado pela

Biblioteca ||  Classificados
Sala de Bate Papo